por | 27 Fev, 2022 | Espaço Cidadania, Sociedade

Ana Raquel Conceição: Uma mulher dotada de consideráveis saberes

Cidadã lousadense de gema, nasceu e cresceu rodeada de amor na vila das Camélias. Ana Raquel, é detentora de um notável percurso profissional alicerçado, em todas as ocasiões, pelo suporte incondicional da família. Ao longo da sua carreira como Advogada tem trabalhado com especial ênfase, com o Direito Penal. Nos dias de hoje, exerce o cargo de professora convidada da Faculdade de Direito da Universidade do Minho e é sócia da  CMB, sociedade de advogados, RL, no meio dos infindáveis desafios.  

Proveniente de Lousada, até à data com 43 anos feitos em outubro do ano transato, Ana desenvolveu-se enquanto mulher nesta vila onde atualmente ainda reside e não vislumbra mudar. Fez todo o seu percurso escolar em Lousada até ao 12º ano na Escola Secundária  de Lousada.  

Caracterizada pela sinceridade, contou ao Louzadense várias propriedades da sua vida, inclusive como o amor pelo Direito surgiu. Quando começou a ganhar personalidade e  maturidade, detalhes naturais da adolescência, desencadeou o interesse bastante forte pela  ideia da concretização da justiça. O objetivo de tentar ajudar as pessoas a atingir a justiça  nasceu com esta, segundo afirma a própria. Contudo, o esforço de minimizar um conflito  pela pacificação ao esclarecer e argumentar, também desde sempre fascinou Ana.  

A frequentar o liceu, já no último ano de escolaridade deste, surgiu na Escola Secundária  de Lousada a possibilidade da existência de uma disciplina com noções base de  introdução ao Direito. Como esta era sujeita ao número de inscrições, Ana convenceu e  quase corrompeu, de acordo com mesma, os seus colegas de turma no sentido de se  inscreverem. Desta forma, conseguiria ter um contacto mais real com a sua paixão ainda  antes de ingressar no mundo acadêmico.  

Precisamente com este propósito, entrou na Universidade Lusíada do Porto,  estabelecimento de ensino superior privado, em 1996 no curso de Direito. Em 2001, deu  como concluída a sua Licenciatura. Apaixonada pela área, quando terminou o curso foi  convidada para ficar a lecionar como Assistente na Universidade na qual tinha iniciado  os seus estudos avançados.  

Filha e sobrinha de professoras, a docência fez sempre parte da vida da família de Ana,  porém esta nunca se imaginou a seguir o mesmo caminho. O convite irrecusável surgiu de um professor adorado. “Fiquei extremamente honrada com a invitação que não poderia  dizer que não”, afirma Ana.  

A parte acadêmica de Ana

O seu verdadeiro primeiro emprego foi como docente, mas daí seguiram-se outros  projetos. Ingressou na Ordem dos Advogados e teve o prazer de estagiar com um  prestigiado Advogado. “Estagiei em Lousada com o saudoso Doutor José Vieira e tive a  honra de ele ter aceite, conhecido até à data como o Advogado do crime”, sublinha.  

Entretanto Ana após estagiar com o Dr. José Vieira, abriu sozinha, numa primeira fase,  um escritório de advocacia em Lousada. Ao mesmo tempo, continuava a dar aulas na  Universidade Lusíada do Porto. Mais tarde, criou um escritório com mais duas colegas  também sediado na vila. 

O facto de existir uma ordem social sempre fascinou Ana, todavia o Direito Penal é a  especialidade que mais agrado lhe traz em trabalhar e, consequentemente, aprofundou os seus conhecimentos nesta área tanto no Mestrado como a posteriori no Doutoramento. O  amor que no momento atual ainda nutre pelo crime surgiu com o professor que a  convidou, mais tarde, para lecionar. “Marcou-me completamente pela forma apaixonada  que abordava o Direito Penal”, declara.  

Para além desta figura que a afetou positivamente, Ana acredita que dentro das pessoas  há sempre uma curiosidade mórbida em perceber o motivo para certos indivíduos  praticarem crimes. Ademais, a olhar-se numa visão mais prática o crime encontra-se  presente nos filmes, nas séries, nos documentários, na televisão por mais que não se  pesquise sobre o mesmo. “É uma das ciências mais interessantes”, sustenta Ana.  

Com a necessidade de provar e demonstrar apenas a si própria que os resultados  académicos obtidos numa Universidade Privada eram de igual qualidade que numa  Universidade Pública, decidiu candidatar-se à Faculdade de Direito da Universidade de  Coimbra. Em 2003, entrou no Mestrado em Ciências Jurídico-Forenses onde se tinha  inscrito e, posteriormente, tirou o Doutoramento na Universidade Lusíada Porto, a sua  primeira casa superior. Enquanto realizou os mesmos, continuou a dar aulas e a ser  advogada.  

O trajeto profissional de Ana seguiu novos horizontes. Corria o ano de 2014, quando  entrou para uma sociedade no Porto, a CMB, onde desde 2016 é sócia da mesma. 

Em 2019, por força da questão académica apareceu, de forma inesperada, um convite para  dar aulas na Universidade do Minho. Ana aceitou e ainda doutrina na mesma sempre no  âmbito das Ciências Jurídico-Criminais, a sua verdadeira preferência. 

Surpreendentemente, Ana apaixonou-se pela docência, bem como, desde a “nascença”  pelo Direito. “Saber transmitir o Direito, e contactar com gente nova é sempre tão  importante que não tem preço”, reconhece.  

Ana afirma piamente que continua a ser uma aluna, uma vez que, enquanto leciona  aprende com os seus próprios estudantes. As perguntas, os enquadramentos feitos pelos  mesmos por força do contexto diferente obrigam-na a pensar de forma singular. “É  bastante enriquecedora toda a experiência como docente do Ensino Superior”, conclui  Ana, convicta que não se imaginaria a não exercer este cargo.  

Hoje em dia, o seu Curriculum é numeroso. Além destes desafios profissionais  enumerados até então, é também Comentadora do Público e do Porto Canal, Formadora na Ordem dos Advogados de práticas processuais penais, Consultora na Associação  Portuguesa de Criminologia, entre outras coisas. Todos estes bocadinhos preenchem-na,  mas está sempre aberta a novos desafios. “Não é que eu seja uma constante insatisfeita  ou demasiado ambiciosa, porém este percurso da vida profissional tem me mostrado que  às vezes as coisas que me aparecem inesperadamente são as que mais me apaixonam”,  sublinha.  

Quando questionada sobre as suas maiores satisfações enquanto Advogada, Ana prontamente afirma que se sente privilegiada por conseguir ajudar as pessoas através  das estratégias que delineia, utilizando o poder de argumentação para convencer um ou  vários juízes. “Não há melhor sensação que ganhar, sobretudo pelo cliente. Significa que  o Tribunal reconheceu o pensamento jurídico”, completa.  

Uma das habilidades que considera essencial para alguém que pretende seguir a área de  Direito, é o ser resiliente, palavra que está na ordem do dia. De acordo com a mesma, é  preciso muita capacidade para resistir porque é um setor penoso que contacta com várias  pessoas diferentes. Além desta, o ser metódico e, fundamentalmente, humano é  primordial.  

Já no final da entrevista, Ana frisou o quanto a sua família foi e continua a ser importante  e imprescindível na sua vida. “Sem o suporte familiar que tenho metade do meu caminho não existia”, afirma sem hesitar. Segundo a própria, tem muito a agradecer ao seu núcleo  pela possibilidade de fazer este percurso profissional da qual a deixa orgulhosa.  

Mãe de duas meninas, uma com 14 anos e a outra com 8, Ana acredita que a sua ausência  não foi relevante, até ao momento, na formação delas, dado que já se encontram com os  valores certos com a ajuda das pessoas que lhes são mais próximas. “Tenho um apoio  incondicional do meu marido e de toda a minha família”, finda com um brilho nos olhos.

Família de Ana

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Andreia Moreira

Clima e Saúde Mental: Um mundo doente

O clima está a sofrer as chamadas alterações climáticas sendo frequente a existência de fenómenos...

Os pais tiveram receio da sua escolha mas deram todo o apoio

LUÍS MELO, ARTISTA PLÁSTICO E PROFESSOR DE ARTES O curso de Artes da Escola Secundária de Lousada...

Não se tratou apenas de guerra – a nostalgia dos combatentes em África

LOUSADENSES NO ULTRAMAR (PARTE 2) Nem tudo foi mau, dizem os que tentam perspetivar algo de...

Resistência e Liberdade» obteve 3.º Prémio no Concurso «25 de Abril, um projeto de Liberdade»

Alunos e professores do AE Dr. Mário Fonseca, envolvidos no Projeto «Resistência e Liberdade»,...

Mostra coletiva de artistas revela vitalidade da arte lousadense

NA BIBLIOTECA MUNICIPAL E CAIS CULTURAL DE CAÍDE DE REI A diversidade de estilos e técnicas são...

Uma centena de jovens na Final Regional do Xadrez Escolar do Norte na Escola Secundária de Lousada

A Escola Secundária de Lousada acolheu, no dia 10 de maio, a final da modalidade de xadrez da...

Sacrifício, Liberdade e Memória da Revolução dos Cravos

No ano em que se comemora os cinquenta anos da Revolução dos Cravos importa mergulhar no passado...

Iluminar Lousada – Uma Luz Solidária para a Cooperativa Lousavidas

O Iluminar Lousada vai realizar-se no dia 18 de maio, e as velas solidárias estão já estão à...

Pimenta na censura dos outros, na minha liberdade é refresco

No passado dia 25 de Abril celebraram-se os 50 anos sobre a revolução que derrubou o regime...

Vinhos das Caves do Monte projetam Lousada no mundo

Freitas de Balteiro: O embrião de uma tradição Em 1947, nas terras férteis da freguesia de...

Siga-nos nas redes sociais