por | 22 Abr, 2024 | Dar voz aos livros, Opinião

O lugar dos mundos imaginados

Constituindo-se como um texto crítico sob a forma de diálogo, o texto de Oscar Wilde, O Declínio da Mentira, compõe-se de uma atitude profundamente irónica, através da personagem Viviam que apresenta a Cyril – figura que serve no corpo da história para a interpelar, ajudando o outro a escavar dentro das suas reflexões os argumentos que a sustentam – o modo como Arte, Natureza e Vida se relacionam. Viviam defende, num artigo corrosivo com o título “O Declínio da Mentira: Um Protesto”, que a literatura do seu tempo (século XIX) vive uma das suas maiores quedas – a desvalorização da Mentira como arte, ciência e prazer social. São dele as palavras reveladoras dessa verdadeira desolação: «Os historiadores antigos davam-nos sob a forma de factos uma ficção deliciosa; o romancista moderno apresenta-nos factos insípidos disfarçados de ficção» (Oscar Wilde). Deste modo, à personagem, parece-lhe fatal a cedência aos hábitos da exatidão, e o modo como se começa a escrever romances que se assemelham de tal modo com a vida que se torna inaceitável a sua credibilidade. Consequentemente, assegura ele, «se não se puder fazer alguma coisa para contrariar, ou pelo menos modificar, o nosso monstruoso culto dos factos, a Arte tornar-se-á estéril e a beleza desaparecerá da terra» (Oscar Wilde, p.18). Atentemos num excerto do texto de Oscar Wilde: «As únicas pessoas reais são as pessoas que nunca existiram, e se um romancista se degrada ao ponto de extrair da vida os seus personagens, deve pelo menos fingir que são criações, e não orgulhar-se da sua condição de cópias. […]» (p. 21). O que se salienta neste trecho pela voz da personagem Viviam, é que as circunstâncias imediatas do que nos rodeia não são Arte. «Passar da arte de um tempo a esse mesmo tempo é o grande erro que todos os historiadores cometem» – entende Oscar Wilde. 

A Arte ultrapassa, portanto, a sua época e, estando à sua frente, precisará do juízo do futuro para vir a ser fruída e entendida. De um modo ou de outro, «a Vida imita a Arte, muito mais do que a Arte imita a Vida» (Oscar Wilde, p.49). A Arte, a Literatura, os espaços imaginados, vivem de uma inscrição numa «ordem e num tempo, e [ajudam-nos] a pensar sobre o significado dos nossos passos na terra» (Jorge, 2013: 14).       

Conceição Brandão

Professora

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Piscinas sobrelotadas: expandir ou construir?

EMPREENDIMENTO AQUÁTICO TEM 27 ANOS As piscinas de Lousada foram inauguradas em 1997, numa altura...

Rezar por mais saúde e menos guerras

A PROCISSÃO DE VELAS É UM SINAL DOS TEMPOS Em maio realizam-se as procissões de velas. Os...

LADEC Celebra 14.º Aniversário com Jantar Convívio

No passado dia 18, a LADEC - Lousada Associação de Eventos Culturais comemorou o seu 14.º...

Hugo Regadas Vence a Internacional XCO Super Cup

No passado domingo, em Vila do Conde, o lousadense Hugo Regadas, a competir pela equipa Rompe...

Editorial 121 | Lousada é Grande

Lousada, terra de história e tradição, ostenta com orgulho a sua grandeza. O nosso Torrão, que há...

Lousada Junior Cup: Título da primeira prova ficou em casa

O português João Dinis Silva conquistou a primeira prova da Lousada Junior Cup, depois de derrotar...

Lousada ao rubro na Super Especial do Rally de Portugal

A 57º edição do Rally de Portugal trouxe a Lousada os pilotos do Campeonato do Mundo de Ralis...

DIALLEY – Agência de Marketing em Lousada

O nome foi inspirado na Diagon Alley, um local emblemático da saga Harry Potter, da qual Sofia...

Apresentação da trilogia “As Aventuras da Maria” encanta público

No passado dia 11, a Assembleia Louzadense acolheu a apresentação da trilogia "As Aventuras da...

Luís Santos é mandatário da candidatura da Aliança Democrática em Lousada

A candidatura da Aliança Democrática (AD) em Lousada terá como mandatário Luís Santos, Coordenador...

Siga-nos nas redes sociais