por | 3 Mar, 2022 | Saúde, Sociedade

A importância de cuidar e cuidar-se

O Dia Mundial do Cuidador Informal é assinalado, todos os anos, a 5 de novembro. É de  extrema importância abordar este tema tão atual e recordar todos aqueles que muitas vezes  se esquecem de cuidar de si porque têm outra pessoa de quem cuidar, 24 horas por dia, durante 7 dias por semana.  

Dedicar a vida pessoal aos cuidados de alguém é uma função com uma sobrecarga física,  emocional e social. Desta forma, é urgente haver projetos que procurem ajudar os  cuidadores informais nas mais variadas vertentes.  

O assunto em questão tem vindo a ser, cada vez mais, acarinhado a nível nacional. A  experiência de ser cuidador é um desafio que, por vezes, se torna uma atividade invisível,  porém a vila de Lousada muito tem feito para contornar este ponto.  

A Santa Casa da Misericórdia de Lousada implementou o Centro de Apoio ao Cuidador  Informal de Lousada, o conhecido CACIL, como resposta social para apoiar os  cuidadores informais.  

O Louzadense entrou em contacto com Sílvia Alves, Coordenadora e Assistente Social  do CACIL, na qual esta com toda a sua amabilidade nos prestou esclarecimentos acerca  da iniciativa que é responsável.  

O Centro de Apoio ao Cuidador Informal de Lousada surgiu em fevereiro de 2019, o  Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lousada, José Carlos Bessa Machado, pediu  para se desenhar uma resposta para os cuidadores informais. Numa primeira fase, o  objetivo do projeto era fazer o levantamento dos cuidadores existentes na vila, ou seja,  mapear e quantificá-los. Porém, de acordo com Sílvia Alves, foi uma tarefa complicada devido à falta de referenciação.  

Como o próprio nome indica, é um serviço de auxílio dirigido apenas ao cuidador  informal. No entanto, consoante as respostas que oferecem estas alargam-se à pessoa  cuidada pois ao ajudá-las estão, naturalmente, a ajudar também o cuidador. De acordo  com Sílvia Alves, o foco principal é facilitar o dia a dia do lesado ao implementar diversos  suportes. 

O CACIL rege-se por vários e significativos serviços, nomeadamente: atendimento de informação e orientação aos cuidadores informais; apoio e acompanhamento  psicossocial; apoio psicológico; entre outros bastante úteis a quem deles beneficia.  

Equipa do CACIL

Além dos acima mencionados, este projeto engloba Grupos Psicoeducativos onde o  objetivo passa pela capacitação dos cuidadores, isto é, dotá-los de estratégias e técnicas  ao nível dos cuidados. Também funcionam na perspetiva de estes criarem relações uns  com os outros e aperceberem-se – por vezes isso não é possível dada a exposição que se  encontram – que não estão sozinhos. É primordial este entendimento pois saber que  existem outras pessoas com problemas semelhantes acaba por ser um reforço e alavanco  positivo. “No fundo, os cuidadores sentem que alguém entende a sua linguagem”, reforça Sílvia Alves.  

De ressaltar, o Psicoeducativo está programado em 10 sessões para cuidadores informais  e é dinamizado por profissionais das mais variadas áreas. O mesmo resulta de um  programa de parceria com o “cuidar de quem cuida”. Após este serviço, permanece um  grupo de autoajuda onde existe encontros menos regulares, comparativamente, ao  começo.  

Ademais destas funções, o CACIL preocupa-se com os Direitos e subsídios existentes em  termos nacionais, especificamente, com o Estatuto do Cuidador Informal. Portanto,  facilita o trabalho do cuidador para que este não perca tempo a tratar da parte burocrática  necessária.  

O trabalho árduo e fundamental na assistência ao cuidador compreende e alberga outras  tarefas. “Levando em consideração toda a nossa experiência e por sentirmos que os  cuidadores estavam muito sobrecarregados, não possuindo períodos de descanso e lazer  para cuidar deles próprios, criamos uma bolsa”, salienta Sílvia Alves. Inspirados no  “Matosinhos a Cuidar”, em parceria com a Câmara Municipal de Lousada, no ano  transato, este projeto implementou a chamada bolsa que ficou operacional em maio de  2021. Esta deriva da existência de uma colaboradora, com formação na área, que substitui  o cuidador informal uma vez por semana, caso o mesmo entenda essa premência. “Cada  vez mais existe uma maior adesão ao serviço”, sublinha Sílvia Alves.  

O compromisso com a mais alta qualidade é a principal prioridade do Centro de Apoio  ao Cuidador Informal de Lousada. O saber ouvir, o saber estar, o saber compreender e o  saber colocar-se no lugar do cuidador são premissas deste projeto. 

“Tentamos sempre que o tempo de espera para o atendimento não seja longo”, afirma Sílvia Alves. Este desejo, segundo declara a própria, foi possível de concretizar até ao  final do ano passado. Todavia, no corrente ano tiveram que restruturar e estipular dias de  atendimento. Isto deveu-se à elevada procura e como se regem sempre na perspetiva da  qualidade de serviço optaram por tomar estas medidas.  

Ainda na lógica da qualidade, sempre que entrevistam um cuidador aplicam um protocolo  de avaliação, uma espécie de inquérito que permite caracterizar o perfil deste e,  consequentemente, da pessoa cuidada. Seguidamente deste processo, utilizam a Escala de  Zarit, avaliada cientificamente, que pretende medir o grau de sobrecarga subjetiva dos cuidadores. Em virtude de, anualmente, o CACIL realiza um relatório que permite  espelhar o seu trabalho, quer o perfil dos cuidadores informais e das pessoas cuidadas em  Lousada.  

“O papel fundamental do cuidador é prestar todos os cuidados necessários à pessoa que  ficou dependente por questões de saúde ou inesperados e depende de terceiros, além de  proteger e representar os direitos e necessidades”, sublinha Sílvia Alves.  

Recentemente, o CACIL conjuntamente com as ERPIs (Estruturas Residenciais para  Pessoas Idosas) e o SAD (Serviço de Apoio Domiciliário) da Santa Casa realizaram uma  candidatura para um projeto apelidado (Re)Aprender. Este permitiu a contratação de uma fisioterapeuta que se dirige aos domicílios para capacitar os cuidadores. O intuito é  melhorar a funcionalidade do utente que está dependente e de capacitar o cuidador para  através de recursos existentes na habitação conseguir trabalhar a motricidade da pessoa  cuidada.  

Desde o início, a equipa do Centro de Apoio ao Cuidador Informal de Lousada já cresceu  e à medida das respostas que procuram dar diversificam os membros dentro dos vários  setores.  

“O que nós sentimos nos cuidadores é uma relação de afeto, de amor”, evidencia Sílvia  Alves. A dominância é pais a cuidar de filhos ou vice-versa, porém há também outras  relações familiares. 

Logotipo

Algumas práticas e testemunhos pessoais importantes 

Maria Luísa Teixeira Santos 

Dos 49 anos de existência, Maria Santos é há 20 anos cuidadora informal dos seus pais.  

Em novembro de 2001, inesperadamente, a sua progenitora sofreu um acidente vascular  cerebral (AVC). Segundo afirma Maria, esta ficou em estado vegetativo derivado ao  acontecimento sofrido. Além da falta de consciência e incapacidade para interagir com o  que estava à sua volta, a sua mãe apresentava outros sinais que persistiram cerca de 10  meses. Após este tempo, com muita insistência da parte de Maria, a sua mãe começou a  dar os primeiros passos.  

Quando esta situação aconteceu na vida da cuidadora, esta ainda permaneceu uns meses  de baixa familiar, mas, rapidamente, percebeu que seria uma recuperação de anos. Por  conseguinte, Maria deixou o emprego que tinha.  

A vida da cuidadora nunca mais foi a mesma e inúmeros episódios se sucederam após o  AVC da sua mãe. Logo 3 anos depois, o seu pai foi diagnosticado com cancro do  estômago, mas venceu com distinção a batalha. No entanto, o pior ainda estava por vir.  Em 2008, detetaram cancro da tiroide em Maria e, mais tarde, apareceu-lhe um novo  problema, o cancro da mama.  

Pelo meio destas dificuldades, o seu pai foi diagnosticado com Parkinson, afetando-lhe,  sobretudo, as partes musculares. Dado isto, foram anos muito complicados para Maria,  mas segundo afirma a própria a força de ter de cuidar dos seus pais deu-lhe alento para  enfrentar de cabeça erguida todas as adversidades.  

Entretanto, o seu progenitor faleceu há dois anos e, nos dias de hoje, cuida apenas da sua  mãe. “Após o falecimento do meu pai, o meu trabalho como cuidadora ficou mais leve  pois a minha mãe ainda tem alguma autonomia”, declara Maria.  

O Centro de Apoio ao Cuidador Informal de Lousada tem sido importante para cuidar de  si mesmo, de acordo com Maria. Esta frequentou o serviço de apoio psicológico e acredita  que as consultas lhe forneceram outra perspetiva de vida e fizeram-na perceber que as  suas angústias não passam disso mesmo. “Nutriu bastantes resultados”, sublinha a  cuidadora. 

Maria afirma que a todo o momento o CACIL está disponível para falar com os  cuidadores e, por consequência, ajudá-los nas suas preocupações.  

Quando questionada sobre como se sentia ao cuidar da sua mãe, Maria anunciou  solidamente que se sentia bem e que dava o melhor de si para o bem desta. “Devemos  tudo aos nossos pais”, evidencia. No entanto, reconhece um cansaço físico e psicológico.  

Maria considera essencial o cuidador informal cuidar de si. “Vou sempre fazer uma  caminhada no descanso da minha mãe após o almoço”, finda com a convicção que essa  distração é fundamental para levar o resto do dia avante.

O sinal de cuidado de Maria Santos

Cláudia Sabina Freire Sousa 

A vida de Cláudia deu uma volta de 180 graus. No dia 26 de maio de 2020, o seu marido  sofreu um acidente de mota. Desde o ocorrido, deixou de andar sozinho, de ter conversas  coerentes, entre outras coisas que o afetaram, principalmente, a nível cerebral. 

A partir desse momento, a cuidadora dedicou-se a 100% ao mesmo. “Praticamente, eu  vivo em função dele”, afirma Cláudia visivelmente emocionada.  

Esta, por amor, zela pelo bem-estar, saúde, alimentação e higiene pessoal do seu marido.  Cláudia, nem por um segundo se arrepende de nada e conforme a própria não se vê de  outra maneira. Sente-se cansada psicologicamente e fisicamente, mas declara estar bem  somente por se encontrar ao lado do seu adorado.  

Movida pela fé em Deus, acredita que este lhe deu uma segunda oportunidade e evidencia  que a irá agarrar com todas as forças necessárias.  

Cláudia acha primordial cuidar de si para, consequentemente, dar o melhor ao seu marido.  Contudo, apesar da mesma exercer esta noção acaba por esquecer-se de si e não tirar  tempo de qualidade para manter-se sana.

O sinal de cuidado de Cláudia Sousa

Maria Rita Moreira Machado Mota 

Maria Mota é cuidadora informal do seu filho, David, desde o seu nascimento.  Posteriormente, tornou-se também da sua irmã de 53 anos e, assim sendo, tem à sua inteira  responsabilidade duas pessoas. 

Hoje em dia, David tem 22 anos e desde que se conhece sofre de cromossomopatia. Maria  revela ao Louzadense que sempre lutou muito pelo filho, havendo este andado em  consultas de todos os tipos de especialidades com o intuito de melhorar. Todavia, quando  o mesmo tinha 8 anos disseram-lhe que já não valia a pena continuar.  

Quando a mãe de Maria faleceu, esta ficou encarregue de cuidar da sua irmã que também  tem um problema de nascença que a impossibilita de falar e realizar tarefas sozinha.  

“É muito difícil cuidar de duas pessoas pois eu quero ir a qualquer lado e não consigo”,  salienta Maria.  

Sempre a pensar no melhor para o seu filho e a sua irmã, Maria afirma piamente que faz  tudo o que for preciso por eles. Na altura em que o David andava na escola e regressava da mesma para as férias de verão, Maria sempre procurou estimulá-lo ao máximo.  “Quando o meu filho regressava em setembro para um novo ano letivo, as professoras  diziam que eu era uma autêntica terapeuta porque sentiam diferenças significativas na  evolução do David”, declara.  

Com o propósito bem presente na sua vida de lutar pelo filho, vive rodeada de animais,  uma vez que, o mesmo adora e, como resultado, acaba por desenvolver muitas  capacidades.  

“Há dias e até semanas que me sinto alegre, mas por vezes o desânimo toma conta de  mim”, sublinha Maria. Esta acredita ser uma boa cuidadora tanto para o seu filho como  para a sua irmã. 

O sinal de cuidado de Maria Mota

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Já começaram as movimentações para formar a Comissão de Festas

Romaria da Senhora Aparecida O artigo da anterior edição do nosso jornal, sobre a ausência de...

Editorial 115 | Silêncio

A 26 de fevereiro de 1954 nascia Mário Fernando Ribeiro Pacheco Fonseca, figura incontornável da...

Direção ameaça entregar chaves do clube se não houver acordo com autarquia

ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA DE LOUSADA A ADL está em modo de «gestão a prazo», pois a atual Direção já...

Lousada recebeu entrega de prémios da AT Porto

Retomou-se, no passado dia 3 de Fevereiro, a habitual cerimónia de entrega de prémios da...

Peça de teatro promove a sensibilização e prevenção rodoviária nos mais novos

A nova edição da campanha de sensibilização, que transforma as crianças em agentes de segurança e...

Jantar-Comício do Partido CHEGA traz André Ventura a Lousada

O Presidente do Partido CHEGA, André Ventura, marcará presença no jantar oficial de campanha do...

Santuário de São Gonçalo de Lustosa

Lustosa é uma parcela do concelho de Louzada que gosto de percorrer e apreciar, mormente a...

Professor de artes é “artista de horas livres”

Joaquim Alexandre Ribeiro: A moldar lousadenses pela arte O professor Joaquim Alexandre Nunes...

Amanhã virás Sol, amanhã virás

ABRIL LOUZADENSE (IX) Um dos maiores vultos portugueses da luta contra a ditadura foi o...

O verdadeiro voto útil e a matemática do “Chega” para lá

Dúvidas ainda houvesse sobre a importância do projecto da Aliança Democrática (AD) e da...

Siga-nos nas redes sociais