por | 9 Mai, 2022 | Política, Sociedade

Alice no País dos Mercados Liberalizados

Portugal é um país de idiossincrasias bem demarcadas, entre elas destacam-se uma série de temas que recorrentemente são assunto entre a opinião pública portuguesa. Do futebol à política, hoje venho falar-vos de um outro não menos controverso: o preço dos combustíveis!

À boa moda do Fado Lusitano, sempre que se fala em combustíveis, a retórica vem acompanhada do habitual (e não menos justo) queixume do povo. Povo esse, a quem fica cada vez mais caro tirar o carro da garagem. E se alguns teimam em não adotar meios de transporte alternativos, porventura mais ecológicos e económicos, outros em boa verdade, (ainda) não têm alternativa possível.

Acontece que esta semana deu-se um acontecimento em matéria de combustíveis. Finalmente, Governo acedeu ao apelo da população e de uns quantos parlamentares, e assim reduziu o ISP (Imposto sobre Produtos Petrolíferos) por via da redução das taxas unitárias de ISP para o equivalente a uma taxa de IVA de 13%. Na prática tal redução da carga fiscal, traduzir-se-ia logo a partir de 2a feira (2 maio), num decréscimo de 20 cêntimos/litro do preço do gasóleo e gasolina.

Sucede que a manhã de 2a feira rompeu e com ela não se fez acompanhar a expectável descida do preço dos combustíveis. Questiona-se intrigado o cidadão português: “Então o Governo (finalmente) reduziu o ISP e o preço dos combustíveis pouco (ou nada) baixou!?”

Eu passo a explicar: quis em 2002 o XV Governo Constitucional de Portugal (PSD/CDS) liderado pelo Dr. Durão Barroso que se avançasse para a liberalização do preço dos combustíveis sob a ilusão de que a “liberalização iria conduzir a maior concorrência e à respetiva descida dos preços”. Vinte anos volvidos, tal ilusão provou-se errónea, basta ver que compreendido este período temporal, o preço do gasóleo e gasolina já mais que duplicou esfumando-se nesta aritmética simples a tão aclamada propaganda liberal da “autorregulação dos mercados”. Caso para dizer,
que neste caso em apreço: a “mão invisível” apenas intervém na carteira dos portugueses.

Voltando à manhã de 2 de maio cuja concretização da redução da carga fiscal sobre os combustíveis não se refletiu na descida expectável do preço dos mesmos, a explicação é relativamente simples: num mercado como o dos combustíveis, que em Portugal opera à luz de uma lógica liberalizada, a redução da carga fiscal num produto, comercializado por agentes com poder de mercado, produto esse cuja elasticidade é baixa, evidentemente que se traduz num aproveitamento desses mesmos agentes a quem a margem de lucro estará sempre religiosamente assegurada. Ao povo sobra a confusão aliada à desilusão.

Estou certo de que a problemática do preço dos combustíveis em Portugal merece uma reflexão séria num sentido reformista, capaz de abranger e dar resposta às necessidades socioeconómicas do nosso país, pelo que entendo que um passo importante a ser dado nesse sentido, passa por regular um mercado que ao dia de hoje é “desregulado” e serve os interesses e “lobbies” de tantos outros que não quem de direito: as pessoas e as famílias!

Para evitar que manhãs como a de 2 de maio se multipliquem no tempo, urge limitar as margens máximas de comercialização dos combustíveis. Há legislação habilitante nesse sentido, tendo o diploma legal já sido publicado a 21 de outubro de 2021, sucede que na prática por falta de um regulamento em que se defina o modo de cálculo das margens de lucro máxima na venda de combustíveis, no presente dia o Governo permanece impedido de limitar as mesmas.

Caso para dizer a todos os agentes políticos com responsabilidade na matéria: “Do que estão à espera!?”

Hélder Peixoto
Militante JS Lousada

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

A  memória e a literatura

Há uns tempos e a propósito de um Colóquio Internacional em que participei na Sorbonne, em Paris,...

“Fecharam-nos muitas portas, mas temos tudo controlado”

COMISSÃO DE FESTAS DO SENHOR DOS AFLITOS 2024 Em janeiro deste ano, Paulo Magalhães, Daniel Pires...

Cartaz de arromba nas festas de Lustosa

SÃO TIAGO É COMEMORADO DE 25 A 28 DESTE MÊS A comissão de festas de Lustosa é formada por mais de...

Festas Grandes em honra do Senhor dos Aflitos

A Vila já está iluminada lembrando as Festas Grandes, que têm um dos grandes momentos na...

Lousada no pódio europeu de árvores plantadas em Portugal

O Município de Lousada ocupa o primeiro lugar nacional, ao abrigo da iniciativa europeia da...

Votações para o OPJ até dia 8 de agosto

Até dia 8 de agosto estão em votação as 12 propostas apresentadas no âmbito do Orçamento...

Ações de sensibilização com a Liga Portuguesa Contra o Cancro

O Município de Lousada associou-se à Liga Portuguesa Contra o Cancro – Núcleo Regional do Norte,...

NÍVEL ELEVADO NO SUPERCROSS EM LUSTOSA

As grandes emoções do Supercross estiveram em Lustosa (Lousada), numa noite memorável. A pista do...

Quarteto Metralha animam festas e romarias

LOUSADA TEM CADA VEZ MAIS GRUPOS DE BOMBOS Os bombos são uma tradição bem portuguesa e em Lousada...

Verónica Parente apresenta a exposição “Horizontes de Cores” no Cais Cultural de Caíde de Rei

O Cais Cultural de Caíde de Rei acolherá a exposição "Horizontes de Cores", da artista Verónica...

Siga-nos nas redes sociais