por | 3 Mar, 2024 | Dar voz aos livros, Opinião

Da poesia e do silêncio: A Margem da Alegria, de Ruy Belo

Agora que a primavera se anuncia e o dia mundial da poesia se aproxima, é imperativo lembrarmos um dos nossos poetas maiores – Ruy Belo.

Em A Margem da Alegria, livro publicado em 1974, o poeta alonga-se pelos  versos, abrindo neles rios e afluentes por onde tendemos a perdermo-nos na certeza, porém, que a palavra poisa nas coisas e as rodeia daquele silêncio que é sempre a única forma de dizer o poema, tal como é visível nas palavras do poeta: «Há cotovias no teu silêncio/ há coisas de outra idade neste dia»(p.140).

O que vemos, então, pela palavra escrita (e pelo voo poético), é a perplexidade perante aquilo a que designamos como realidade. Poeta será aquele que encontrou na linguagem um contorno para o silêncio que há na natureza, na realidade – aqui, em especial no campo, «e o silêncio consente que falem as coisas uma a uma/ desde o cardo desde as árvores rasteiras» (p.93). Ele prende na linguagem o silêncio das coisas, o indizível do ser. Ele faz dizer o silêncio.

Na voz de Ruy Belo encontramos, consequentemente, esse romper das relações habituais entre as palavras que criam um novo dizer pelo assombro, pela surpresa. Mesmo num poema tão longo como este, o sujeito poético quer fazer falar, fazer ouvir um silêncio em volta das palavras, «quando o mínimo gesto era um gesto criador/ e as coisas começavam e o mundo sempre em simples sons se descobria». O poeta trabalha as palavras até elas coincidirem com o mistério, serem a evidência do mistério.

O silêncio remete, assim, para uma espécie de ausência de algo inerente ao ser humano, uma incompletude que se poderá traduzir nessa entidade não discursiva do silêncio. A poesia trabalha os limites das formações discursivas, dando espaço à palavra, à linguagem poética enquanto horizonte possível do a dizer, ou do por dizer.

No fundo, a primavera traz ao ombro a poesia que é o silêncio a consentir a palavra, deixando que falem as coisas, sabendo de antemão que «a vida era a mágoa […] que só pedia a beleza contida num pequeno copo de água» (p.140).

Conceição Brandão

Professora

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Os pais tiveram receio da sua escolha mas deram todo o apoio

LUÍS MELO, ARTISTA PLÁSTICO E PROFESSOR DE ARTES O curso de Artes da Escola Secundária de Lousada...

Não se tratou apenas de guerra – a nostalgia dos combatentes em África

LOUSADENSES NO ULTRAMAR (PARTE 2) Nem tudo foi mau, dizem os que tentam perspetivar algo de...

Resistência e Liberdade» obteve 3.º Prémio no Concurso «25 de Abril, um projeto de Liberdade»

Alunos e professores do AE Dr. Mário Fonseca, envolvidos no Projeto «Resistência e Liberdade»,...

Mostra coletiva de artistas revela vitalidade da arte lousadense

NA BIBLIOTECA MUNICIPAL E CAIS CULTURAL DE CAÍDE DE REI A diversidade de estilos e técnicas são...

Uma centena de jovens na Final Regional do Xadrez Escolar do Norte na Escola Secundária de Lousada

A Escola Secundária de Lousada acolheu, no dia 10 de maio, a final da modalidade de xadrez da...

Sacrifício, Liberdade e Memória da Revolução dos Cravos

No ano em que se comemora os cinquenta anos da Revolução dos Cravos importa mergulhar no passado...

Iluminar Lousada – Uma Luz Solidária para a Cooperativa Lousavidas

O Iluminar Lousada vai realizar-se no dia 18 de maio, e as velas solidárias estão já estão à...

Pimenta na censura dos outros, na minha liberdade é refresco

No passado dia 25 de Abril celebraram-se os 50 anos sobre a revolução que derrubou o regime...

Vinhos das Caves do Monte projetam Lousada no mundo

Freitas de Balteiro: O embrião de uma tradição Em 1947, nas terras férteis da freguesia de...

Caixa Agrícola rejeita lista de sócios candidatos a eleições: Lista avança com Providência Cautelar

A Caixa de Crédito Agrícola de Terras do Sousa, Ave, Basto e Tâmega (CCAM TSABT) está envolta em...

Siga-nos nas redes sociais