por | 17 Jun, 2024 | Dar voz aos livros, Opinião

O silêncio, a música e a palavra.

 Eni Puccinelli Orlandi refere que o silêncio é o “fôlego” da respiração, afirmando ainda que “se a linguagem implica silêncio, este, por sua vez, é o não–dito visto do interior da linguagem”. O silêncio não é mero complemento de linguagem, ele tem significância própria. De facto, deslumbrados que estamos com a festa da palavra, relegamos o silêncio para o plano da loucura, do vazio ou do suicídio da voz. Estar em silêncio, no entanto, não supõe perder as palavras, mas mergulhar nos seus interstícios e aceitar o seu enigma legitimando o questionamento, a dúvida, a essência da nossa identidade. Importa, por isso, lembrar o que diz ainda  Le Breton quando este sintetiza que “o silêncio questiona os limites de qualquer palavra, recorda que o sentido está contido entre barreiras estreitas em face de um mundo inesgotável, que está sempre atrasado em relação à complexidade das coisas.”

A perceção de que as palavras são poucas, de que estão gastas e envelhecidas (não cumprindo, com frequência, o seu propósito último enquanto veículo de comunicação) é também confessada por António Lobo Antunes (embora o autor lhe dê aqui um sentido um pouco diferente). E cito as palavras de Lobo Antunes: “Quando mais silêncio houver num livro, melhor ele é. Porque nos permite escrever o livro melhor, como leitor. (…) Isto às vezes é tremendo porque a gente quer exprimir sentimentos em relação a pessoas e as palavras são gastas e poucas. E depois aquilo que a gente sente é tão mais forte que as palavras…”.

Também a música precisa de silêncio e tem dentro de si silêncios. A relação entre palavra e música é inequívoca da obra de Saramago, sobretudo na forma como Scarlatti (compositor de cravo da corte de  D. João V) e Padre Bartolomeu Lourenço de Gusmão se tornam cúmplices de um entendimento único, gerado pela singularidade que os define. É a música de Scarlatti, o elemento que completa os saberes conjugados (trabalho, ciência e magia) que fazem elevar-se a passarola nos céus de Mafra. É nas malhas do silêncio, que se urde o sonho.

Diz Eduardo Lourenço que “sentir é o grau ínfimo da apropriação”,  por isso, ouvimos música e ela ativa em nós sentimentos capazes de criar uma energia única. Em certa medida, a leitura tem esse mesmo potencial gerador de imaginação, de ritmos e de emoções. O espaço da música é, por isso, também o espaço da leitura. E de silêncio.

Conceição Brandão

Professora

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

A  memória e a literatura

Há uns tempos e a propósito de um Colóquio Internacional em que participei na Sorbonne, em Paris,...

“Fecharam-nos muitas portas, mas temos tudo controlado”

COMISSÃO DE FESTAS DO SENHOR DOS AFLITOS 2024 Em janeiro deste ano, Paulo Magalhães, Daniel Pires...

Cartaz de arromba nas festas de Lustosa

SÃO TIAGO É COMEMORADO DE 25 A 28 DESTE MÊS A comissão de festas de Lustosa é formada por mais de...

Festas Grandes em honra do Senhor dos Aflitos

A Vila já está iluminada lembrando as Festas Grandes, que têm um dos grandes momentos na...

Lousada no pódio europeu de árvores plantadas em Portugal

O Município de Lousada ocupa o primeiro lugar nacional, ao abrigo da iniciativa europeia da...

Votações para o OPJ até dia 8 de agosto

Até dia 8 de agosto estão em votação as 12 propostas apresentadas no âmbito do Orçamento...

Ações de sensibilização com a Liga Portuguesa Contra o Cancro

O Município de Lousada associou-se à Liga Portuguesa Contra o Cancro – Núcleo Regional do Norte,...

NÍVEL ELEVADO NO SUPERCROSS EM LUSTOSA

As grandes emoções do Supercross estiveram em Lustosa (Lousada), numa noite memorável. A pista do...

Quarteto Metralha animam festas e romarias

LOUSADA TEM CADA VEZ MAIS GRUPOS DE BOMBOS Os bombos são uma tradição bem portuguesa e em Lousada...

Verónica Parente apresenta a exposição “Horizontes de Cores” no Cais Cultural de Caíde de Rei

O Cais Cultural de Caíde de Rei acolherá a exposição "Horizontes de Cores", da artista Verónica...

Siga-nos nas redes sociais