por | 7 Jul, 2024 | Dar voz aos livros, Opinião

Os livros e o verão

Os livros que lemos marcam o nosso caminho. Além de verdadeira, esta afirmação convoca as mil possibilidades dos livros, quando abertos à imensidão da nossa paisagem interior, fazendo emergir a imaginação, a memória e até os sonhos. Como Irene Vallejo, «quando era pequena achava que os livros tinham sido escritos para mim», por isso, em certa medida, estes procuravam-me para clarificar as minhas escolhas, dando a conhecer lugares distantes e tempos extraordinários .

As férias, por serem um tempo de corte com a rotina, são um convite ao livro – uma predisposição para o espanto, a aventura e a lentidão própria do hemisfério do tempo. Há livros que trazem memórias de férias passadas e se implicam com os momentos então vividos. Lembro de, há muitos anos, era eu ainda muito jovem e levar comigo O Ensaio sobre a Cegueira, de José Saramago, para um acampamento de férias junto ao mar. O romance de Saramago pela sua efabulação extraordinária, onde o autor imagina um mundo em que as pessoas vão cegando aos poucos e o caos se instala arrastando a humanidade para o seu estado mais selvagem, leva o leitor a mergulhar em cheiros, imagens e sons de um mundo em ruínas, com imagens e sensações de náusea e de dor incomensuráveis. O romance acrescentou notas de melancolia ao meu verão, mas deu-lhe também o equilíbrio necessário para mergulhar no mar fundo.

Desde esse verão distante, que esse livro de Saramago me persegue misturado no cheiro da maresia, o marulhar do oceano e a alegria estival. Embora todo o verão se situe nas antípodas do universo cinzento criado pelo nobel da literatura, essa narrativa sublinha uma espécie de confronto entre a efabulação e a vida. O livro é, então, o relato de uma experiência, concebida a partir da verosimilhança com o mundo real, mas sobretudo como resgate de valores como autenticidade e integridade da vida. Formula-se em todo o romance o desejo de um difícil regresso a uma vida em plenitude, tornando-se possível VER, ou seja, compreender a justiça e a falta dela entre os seres humanos.

A nossa biblioteca de verão não existe só para oferecer um refúgio (embora também o seja), ela pode ser um exercício de equilíbrio entre o caos do mundo e a união dos seus pedaços dispersos, dispostos em outra arquitetura. Uma forma de pensar o nosso presente. E no futuro.

Conceição Brandão

Professora

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

A  memória e a literatura

Há uns tempos e a propósito de um Colóquio Internacional em que participei na Sorbonne, em Paris,...

“Fecharam-nos muitas portas, mas temos tudo controlado”

COMISSÃO DE FESTAS DO SENHOR DOS AFLITOS 2024 Em janeiro deste ano, Paulo Magalhães, Daniel Pires...

Cartaz de arromba nas festas de Lustosa

SÃO TIAGO É COMEMORADO DE 25 A 28 DESTE MÊS A comissão de festas de Lustosa é formada por mais de...

Festas Grandes em honra do Senhor dos Aflitos

A Vila já está iluminada lembrando as Festas Grandes, que têm um dos grandes momentos na...

Lousada no pódio europeu de árvores plantadas em Portugal

O Município de Lousada ocupa o primeiro lugar nacional, ao abrigo da iniciativa europeia da...

Votações para o OPJ até dia 8 de agosto

Até dia 8 de agosto estão em votação as 12 propostas apresentadas no âmbito do Orçamento...

Ações de sensibilização com a Liga Portuguesa Contra o Cancro

O Município de Lousada associou-se à Liga Portuguesa Contra o Cancro – Núcleo Regional do Norte,...

NÍVEL ELEVADO NO SUPERCROSS EM LUSTOSA

As grandes emoções do Supercross estiveram em Lustosa (Lousada), numa noite memorável. A pista do...

Quarteto Metralha animam festas e romarias

LOUSADA TEM CADA VEZ MAIS GRUPOS DE BOMBOS Os bombos são uma tradição bem portuguesa e em Lousada...

Verónica Parente apresenta a exposição “Horizontes de Cores” no Cais Cultural de Caíde de Rei

O Cais Cultural de Caíde de Rei acolherá a exposição "Horizontes de Cores", da artista Verónica...

Siga-nos nas redes sociais