Escuteiros de Silvares ambicionam casa própria

Apolítico e aberto a todos sem distinção de género, origem, raça ou credo, o Movimento Escutista educa para o voluntariado, oferecendo aos jovens a oportunidade de se desenvolverem emocional, intelectual, física e espiritualmente como indivíduos, como cidadãos globais responsáveis, membros das suas comunidades locais, nacionais e internacionais.
Em Silvares, o Agrupamento de Escuteiros do CNE 1253 Silvares, Lousada, foi fundado no dia 5 de outubro de 2003.


Paulo Moreira, chefe do agrupamento desde 2013 e escuteiro desde 1999, deu-nos a conhecer o escutismo e este agrupamento, atualmente com cerca de 80 elementos, sendo a sua principal ambição ter uma sede própria.


“Escuteiro por um dia, escuteiro para sempre”


O efetivo deste agrupamento é composto por várias secções, dependendo das idades: os Lobitos, dos 6 aos 10 anos, os Exploradores, dos 10 aos 14 anos, os Pioneiros, dos 14 aos 18 anos, e os Caminheiros, dos 18 aos 22 anos. “Esta é a última secção. Este Agrupamento tem um clã de 15 Caminheiros, sendo o segundo maior do núcleo da região do Porto, o que nos orgulha”. A partir dos 22 anos, o escuteiro pode continuar a sê-lo: “A partir daqui é um homem novo, que pode querer seguir ou não, embora, normalmente, Escuteiro por um dia, escuteiro para sempre”, explica Paulo Moreira.
Para este dirigente, é muito importante o espírito de grupo criado com a formação de equipas e patrulhas: “É fundamental o conceito de família, no convívio com todos”, afirma. Importante é também o convívio com a natureza e a sua preservação.


O grupo tem tido um excelente crescimento em número de pessoas, passando de 20 para 80 elementos. “As pessoas, gostando, começam a incentivar outras a aderirem”, diz.


O escutismo é também essencial em termos do desenvolvimento das crianças, especialmente no que diz respeito à organização e responsabilidade, como esclarece Paulo Moreira: “O Escutismo tem regras, cada criança tem a sua função em cada uma das equipas”. Através de uma liderança apoiada por adultos, cada grupo de escuteiros adota o mesmo conjunto de valores.


Ao longo do ano, são realizadas várias atividades, como caminhadas, acampamentos e outros eventos. “Tudo desligado das redes sociais”, realça. Paulo destaca a experiência que o agrupamento teve na aldeia de Drave, uma aldeia escutista, que os CNE estão a reconstruir.


“O objetivo é fazermos os outros felizes”


Para além da sede própria, objetivo é contribuir para a felicidade de todo o grupo escutista. Paulo sente-se uma pessoa realizada e feliz que tem, como os seus colegas, o objetivo de fazer os outros felizes. “Por isso temos momentos fabulosos, que de facto mostram que vale a pena”, afirma, com emoção.


As dificuldades financeiras são o principal problema: “Não temos meios de subsistência. Vivemos da generosidade das pessoas, das empresas… Mas gostaríamos de ser equiparados a uma associação, pois partimos do mesmo princípio. Dessa forma, poderíamos ter mais apoios de entidades públicas”, explica.

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Editorial 125 | O Gestor de Redes Sociais

Numa terra longínqua onde os emojis governam e os likes são moedas de troca, vive o temido Gestor...

LOUSADA RECEBE MAIOR FESTIVAL DE DRIFT DO PAÍS

O Eurocircuito da Costilha em Lousada será palco no final do mês da 11ª edição do Encontro...

Xadrez do Lousada Voleibol Clube com excelentes resultados no fim de semana

Esteban Dario Caro, xadrezista da secção de xadrez do Lousada Voleibol Clube venceu o VII Torneio...

Oficinoscópio assinala 10 anos de cinema de animação

No dia 10 de julho foi apresentado o livro Oficinoscópio, relativo aos 10 anos de Oficinas de...

AUTOR VISITA ALDAF E PROMOVE MOMENTO DE CULTURA PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA EM LOUSADA

No passado dia 13 de junho a Associação Lousadense dos Deficientes, dos seus Amigos e Familiares...

Desvendando os Traços Antissociais

Os traços antissociais são confundidos por vários sintomas na linguagem coloquial, assim irei...

”Faz falta uma feira do livro”

GONÇALO SANTOS, ESCRITOR Chama-se Gonçalo Teles dos Santos, tem 44 anos, é natural de Sousela e...

A Casa Nobre No Concelho de Lousada

Tipologias - XVI | Elementos Decorativos II Os elementos decorativos, concebidos quase sempre em...

O discreto gigante da democracia lousadense

E DEPOIS D'ABRIL? [3] Lousada teve muitas pessoas de proa que embora sendo contra o regime...

Fim de Semana Cultural “Alma Magnetense” está de regresso

A Junta de Freguesia de Meinedo anuncia o regresso do Fim de Semana Cultural "Alma Magnetense",...

Siga-nos nas redes sociais