por | 27 Mar, 2020 | Canto do saber, Opinião

CORONAVÍRUS , a RESSURREIÇÃO DE DEUS ?

Esta é a primeira guerra que a Europa trava após a sua secularização generalizada, que se deu após as duas guerras mundiais .

A crença de que a Ciência tudo pode, tudo resolve, esbate-se. Basicamente estamos a travar a guerra da mesma forma que na Idade Média.

A Sociedade da Eficiência resplandece em toda a sua amplitude, ninguém quer ficar quieto, todos querem fazer tudo, que é muitas vezes nada. O frenesim é imenso, a ansiedade cresce, os políticos para lhe fazer face, entram numa espiral mediática tremenda, é números de apoio aqui, é instalações ali, é máscaras acolá, é avisos antes e adiante, é…. Um grande trabalho !

O Estado readquire a imagem de essencial, até os neo-liberais  e outros que tais, o convocam veementemente ( ironia das ironias).

A comunicação social deleita-se com curvas e com orgasmos de pseudo-previsões , de pseudo-respostas, de informação pseudo-pormenorizada- a Sociedade da transparência exige-o… Mas percebe-se que o conhecimento está ausente, a matemática , a ciência em geral não responde , precisa de dados – a Sociedade dos Dados – numa deja vu do “prognósticos só depois do jogo “ – o Big Data afinal é apenas uma ferramenta de dominação e não de soluções, é informação, não é conhecimento .

Os particulares desdobram-se em ações , eles cantam às varandas, eles entregam compras , eles … Apelam ao alimento da alma !

Os famosos, os bancos , as fundações mobilizam as suas máquinas de propaganda, para afirmar a sua solidariedade, eles têm nome, os outros que estão na linha da frente a combater , os outros que morrem, os outros que estão infectados não têm nome, são um pormenor estatístico.

Os que não têm nome, que vão sobreviver ,vão continuar a ser um pormenor estatístico na crise que já aí está,na falta de solidariedade europeia que se avizinha.

Contudo, o pormenor estatístico, de facto, são seres humanos, têm nome , a maior parte terá familia e angustiam, adoecem e … morrem. A banalidade dos números, torna-nos indiferentes. Parece , muitas vezes, estarmos a assistir a um qualquer jogo onde se vai fazendo  a contagem dos itens, são mais 600 mortos em Itália, 500 em Espanha , 9 em Portugal …

Mas a banalidade não termina aqui, há a dos velhos , a dos cancerígenos, dos que têm problemas.É o vírus eficiente, veio fazer o que o homem não tem coragem para fazer, aliviar a sociedade dos seus espúrios, pouco se ralando com  o direito de cada um dispor da sua vida ,como pouco antes disto,  muitos reivindicavam. Direito este que ganha um sublinhado mais forte na sua limitação de validade, na medida em que só a possui enquanto não coloca em causa o direito à vida do outro.

Aqui sim, encontra-se uma grande maioria que age de acordo com o preceito moral, fazer o que é adequado sem ser preciso ser vigiado ou coagido – a humanidade retorna ao senso de comunidade !

Todo o mundo parece redescobrir o senso de comunidade, que as comunidades possuem os tempos para se abrirem,  para se fecharem e protegerem.

Os tempos de confinamento, de distanciamento social, são muito difíceis, por um lado, porque a tendência para ceder perante o tédio é enorme , por outro, porque por muito calor que haja na presença, no contacto pela tecnologia, nada substitui o calor de um abraço, de um beijo, algo que, com a propalada morte de Deus, a secularização ao limite, permitiu que humanidade de alguma forma fosse alimentando o seu espírito e substituísse Deus pela Ciência na ânsia de respostas para aplacar a angústia …

Mas talvez estejamos e vamos continuar , nos tempos mais próximos,  a aprender, que se há coisa para a qual a Ciência não tem resposta é para angústia.

Reivindiquemos, sem dar quartel,  um melhor uso da ciência para prevenir situações como a que estamos a passar, mas não esqueçamos que todos precisamos de alimento para o espírito, de acreditar em algo cujo fim último será o de estabilizar o sentido da vida para cada um .

Deus talvez vá ressuscitar, o Deus de cada um, que possa estar ou não, ligado a uma religião, o alimento no sentido divino, que possa permitir a ausência de qualquer tipo de medo e a solidariedade que tão necessária já é ,mas que ainda o vai ser mais. O Deus que recentra a Humanidade no indivíduo a partir do retorno a uma contemplação da vida que foi sempre inimiga da banalidade. 

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Conferência do PSD Lousada debateu estratégias e financiamento para o Desenvolvimento Local

Na noite de 18 de julho, o Auditório da COPAGRI em Lousada foi palco da conferência...

“Toda a glória do mundo é transitória”

JORGE NETO, ADVOGADO E POLÍTICO O lousadense Jorge Manuel Ferraz de Freitas Neto, de 67 anos, é um...

Associação dos Voluntários de Caíde de Rei Celebra 34.º Aniversário com Evento Memorável

A Associação dos Voluntários de Caíde de Rei comemorou, ontem, o seu 34.º aniversário com uma...

Queixas ambientais morrem num emaranhado de burocracias e “procedimentos duvidosos”

A (DES)ORDEM NO RIO MESIO (PARTE 2) Esta é a segunda parte da reportagem d'O Louzadense sobre um...

AD Lousada não se vai coligar com SAD Lank

FEDERAÇÃO NÃO AUTORIZA O “CASAMENTO” Estava tudo bem encaminhado entre as partes para que a junção...

Editorial 125 | O Gestor de Redes Sociais

Numa terra longínqua onde os emojis governam e os likes são moedas de troca, vive o temido Gestor...

LOUSADA RECEBE MAIOR FESTIVAL DE DRIFT DO PAÍS

O Eurocircuito da Costilha em Lousada será palco no final do mês da 11ª edição do Encontro...

Xadrez do Lousada Voleibol Clube com excelentes resultados no fim de semana

Esteban Dario Caro, xadrezista da secção de xadrez do Lousada Voleibol Clube venceu o VII Torneio...

Oficinoscópio assinala 10 anos de cinema de animação

No dia 10 de julho foi apresentado o livro Oficinoscópio, relativo aos 10 anos de Oficinas de...

AUTOR VISITA ALDAF E PROMOVE MOMENTO DE CULTURA PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA EM LOUSADA

No passado dia 13 de junho a Associação Lousadense dos Deficientes, dos seus Amigos e Familiares...

Siga-nos nas redes sociais