por | 5 Jun, 2020 | Educação, Pedro Amaral

“A coisa mais importante a montante da pobreza é, de longe, a Educação” Manuel Sobrinho Simões, entrevista ao JN, em 02/06/2020.

Li hoje, no Facebook (através de um comentário da Armanda Sousa numa partilha da Anabela Ribeiro, duas colegas e amigas reais), a entrevista completa de Manuel Sobrinho Simões ao JN (Jornal de Notícias). Uma entrevista pequena, muito simples, mas muito, mesmo muito interessante! Aconselho vivamente a leitura integral!

O título da entrevista, que partilhei, obviamente, na minha página de FB, é “O maior problema de Portugal é a pobreza”. Esta sentença direta, clara e esclarecida foi dita nessa entrevista pelo médico e cientista português que é, entre outras coisas, o patologista mais influente do mundo e uma autoridade a nível internacional do cancro da tiroide. Ora, a determinada altura da entrevista, para responder à pergunta “Que diagnóstico faz do país além da pobreza?”, Sobrinho Simões afirma que “a coisa mais importante (em Portugal) … é, de longe, a Educação.” Depois ainda acrescenta a Justiça e a Saúde, como áreas a necessitar de atenção e de investimentos.

Acontece também que, há poucos dias, o nosso Primeiro Ministro anunciou a contratação de um gestor, também chamado António Costa (Silva) para desenhar “um plano” para sairmos desta crise. Talvez não fosse má ideia o Sr. Primeiro Ministro, para além de ouvir o gestor nomeado por despacho, ler também a entrevista de Sobrinho Simões, no sentido de encontrar pistas para o que importa fazer em Portugal com os milhões de euros que a EU (União Europeia) nos vai enviar nos próximos anos, no sentido de nos ajudar a “sair da crise”.

António Costa, o Primeiro Ministro, sabe perfeitamente quem é Sobrinho Simões, sabe que é um médico e cientista português com 73 anos, com uma carreira internacional brilhante e respeitado em todo o mundo, sendo, por isso, frequentemente convidado para conferências em todos os continentes. Para além disso, tem dado o seu melhor por Portugal e pela ciência/medicina portuguesa desde 1989 no IPATIMUP (Instituto de Patologia e Imunologia Molecular da Universidade do porto).
Suponho que o outro António Costa, o gestor, também deve conhecer a vida, a experiência, os méritos, a inteligência e a dedicação a Portugal e aos Portugueses de Sobrinho Simões.

Espero que estes dois Antónios leiam esta entrevista e valorizem devidamente as opiniões de um dos portugueses mais considerado em todo o mundo. O médico/cientista/professor Sobrinho Simões colocou as prioridades do nosso plano de desenvolvimento com uma clareza e com uma simplicidade, a que nem os dois Antónios podem escapar: em primeiro lugar, em Portugal, é preciso combater a pobreza; em segundo lugar, investir na Educação das futuras gerações; e, em terceiro lugar, investir nos nossos sistemas de Justiça e de Saúde.

Tudo o que seja contornar, escamotear, alterar, disfarçar estas prioridades será sempre um erro e pagaremos isso muito caro no futuro. Está anunciado um “envelope” financeiro de muitos milhões de euros da EU para Portugal, mas se não houver o cuidado de o investir com critério e honestidade, os nossos filhos vão herdar as dívidas e os problemas que não resolvermos. Devíamos aproveitar esta oportunidade para recuperar algum do atraso económico, social e cultural que ainda temos em relação aos países europeus mais desenvolvidos. Será imperdoável que não o façamos.
Manuel Sobrinho Simões tem a autoridade de quem já viveu muito, de quem fez uma carreira internacional ao mais alto nível na sua área e de quem viajou por todo o mundo. Era bom, para variar, que o ouvissem. Era bom, para variar, que quem manda ouvisse quem tem “honesto estudo com longa experiência misturado” e não quem lhes apetece ouvir. Era bom, para variar, que quem manda não ouvisse os mesmos de sempre a defender os mesmos interesses de sempre.

Se os Antónios fizerem um plano não para salvaguardar os interesses dos Portugueses, mas para salvaguardar interesses dos bancos, dos banqueiros, das grandes empresas e dos grandes gestores portugueses (que estão a enriquecer os multimilionários chineses, americanos, russos, etc… a quem esses bancos e empresas pertencem), então, Portugal terá, nos próximos anos, dinheiro como nunca e nós, os Portugueses, continuaremos pobres como sempre…

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Resistência e Liberdade» obteve 3.º Prémio no Concurso «25 de Abril, um projeto de Liberdade»

Alunos e professores do AE Dr. Mário Fonseca, envolvidos no Projeto «Resistência e Liberdade»,...

Mostra coletiva de artistas revela vitalidade da arte lousadense

NA BIBLIOTECA MUNICIPAL E CAIS CULTURAL DE CAÍDE DE REI A diversidade de estilos e técnicas são...

Uma centena de jovens na Final Regional do Xadrez Escolar do Norte na Escola Secundária de Lousada

A Escola Secundária de Lousada acolheu, no dia 10 de maio, a final da modalidade de xadrez da...

Sacrifício, Liberdade e Memória da Revolução dos Cravos

No ano em que se comemora os cinquenta anos da Revolução dos Cravos importa mergulhar no passado...

Iluminar Lousada – Uma Luz Solidária para a Cooperativa Lousavidas

O Iluminar Lousada vai realizar-se no dia 18 de maio, e as velas solidárias estão já estão à...

Pimenta na censura dos outros, na minha liberdade é refresco

No passado dia 25 de Abril celebraram-se os 50 anos sobre a revolução que derrubou o regime...

Vinhos das Caves do Monte projetam Lousada no mundo

Freitas de Balteiro: O embrião de uma tradição Em 1947, nas terras férteis da freguesia de...

Caixa Agrícola rejeita lista de sócios candidatos a eleições: Lista avança com Providência Cautelar

A Caixa de Crédito Agrícola de Terras do Sousa, Ave, Basto e Tâmega (CCAM TSABT) está envolta em...

Um pioneiro da comunicação regional

Rafael Telmo da Silva Ferreira, professor e diretor da Valsousa TV Em setembro faz 25 anos que...

A Casa Nobre No Concelho de Lousada

Tipologias - XII | Capela II A capela podia ser levantada por forma a dar seguimento à fachada da...

Siga-nos nas redes sociais