por | 22 Jun, 2020 | LivreMENTE

Não ao vandalismo da História!…

Nos últimos dias, sob o falso pretexto da luta contra o racismo e comportamentos esclavagistas, temos assistido a uma onda de vandalismo das evocações históricas. Escuso de as enunciar! Parece ser contagiante a ideia de querer apagar os episódios e as figuras da História. Esquecem-se os ignorantes que somos o resultado de uma construção histórica? A nossa identidade e os nossos valores resultam de uma evolução (por vezes revolução) que nos tem levado a um futuro melhor… Um futuro que é o nosso presente e será o presente de alguém no futuro! Portanto, o que somos hoje é o resultado de um aperfeiçoamento efetuado ao longo dos tempos. Evoluímos e chegamos aos atuais padrões morais! O passado tem um contexto próprio e deve ser entendido de acordo com os padrões próprios da época. Se removermos as reminiscências históricas de acordo com a cegueira dos modelos de comportamento atuais, então não sobrariam quaisquer estátuas ou outras evocações históricas. Por outras palavras, teríamos que rasgar todas as fotos dos nossos avós só porque tinham uma atitude machista… O bom entendedor entenderá esta afirmação!

Temos vindo a assistir a um comportamento radical e descontextualizado. Por esta lógica leviana teríamos de «riscar» da História todas as lembranças de períodos passados com os quais não nos identificamos! Considerem alguns exemplos! Terão os Liberais de destruir as memórias do absolutismo joanino ou as evocações ao Marquês de Pombal, a mão do despotismo absoluto? Terão os republicanos de destruir as reminiscências de oito séculos de monarquia? Terão os sufragistas de destruir as estátuas dos defensores do voto censitário? Terão os democratas de apagar as alusões ao Estado Novo e aos seus agentes? Claro que não!

Sobre a última questão, em Lousada, o que seria da Rua Dr. Afonso Quintela ou da Avenida Major Arrochela Lobo? Teríamos de as rebatizar só porque as individualidades comungaram dos ideais da Ditadura? Devemos ignorar o contexto próprio em que a Ditadura surgiu e se desenvolveu? Devemos esquecer o empenho que estes homens devotaram à sua terra?
Perguntarão alguns se defendo a imutabilidade das escolhas memoriais? Claro que não! Contudo, defendo a educação histórica e o respeito pelas escolhas do passado… Se mesmo assim, os contemporâneos defendem as mudanças dos nossos «santos» urbanísticos, então de se debata o assunto de forma participada nos locais apropriados. Nunca com o recurso à vandalização da História!

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Andreia Moreira

Clima e Saúde Mental: Um mundo doente

O clima está a sofrer as chamadas alterações climáticas sendo frequente a existência de fenómenos...

Os pais tiveram receio da sua escolha mas deram todo o apoio

LUÍS MELO, ARTISTA PLÁSTICO E PROFESSOR DE ARTES O curso de Artes da Escola Secundária de Lousada...

Não se tratou apenas de guerra – a nostalgia dos combatentes em África

LOUSADENSES NO ULTRAMAR (PARTE 2) Nem tudo foi mau, dizem os que tentam perspetivar algo de...

Resistência e Liberdade» obteve 3.º Prémio no Concurso «25 de Abril, um projeto de Liberdade»

Alunos e professores do AE Dr. Mário Fonseca, envolvidos no Projeto «Resistência e Liberdade»,...

Mostra coletiva de artistas revela vitalidade da arte lousadense

NA BIBLIOTECA MUNICIPAL E CAIS CULTURAL DE CAÍDE DE REI A diversidade de estilos e técnicas são...

Uma centena de jovens na Final Regional do Xadrez Escolar do Norte na Escola Secundária de Lousada

A Escola Secundária de Lousada acolheu, no dia 10 de maio, a final da modalidade de xadrez da...

Sacrifício, Liberdade e Memória da Revolução dos Cravos

No ano em que se comemora os cinquenta anos da Revolução dos Cravos importa mergulhar no passado...

Iluminar Lousada – Uma Luz Solidária para a Cooperativa Lousavidas

O Iluminar Lousada vai realizar-se no dia 18 de maio, e as velas solidárias estão já estão à...

Pimenta na censura dos outros, na minha liberdade é refresco

No passado dia 25 de Abril celebraram-se os 50 anos sobre a revolução que derrubou o regime...

Vinhos das Caves do Monte projetam Lousada no mundo

Freitas de Balteiro: O embrião de uma tradição Em 1947, nas terras férteis da freguesia de...

Siga-nos nas redes sociais