José Meireles: “O empreendedor sensível”

Um homem de sucesso com os pés bem assentes na terra.

Nascido a 26 de outubro de 1956, com 65 anos de idade, José Meireles da Silva é um  empresário de sucesso e um ativo residente de Lodares, freguesia portuguesa do  município de Lousada. Fundador de quatro grandes Leiloeiras, de um Grupo de  Cavaquinhos, do Núcleo de Árbitros de Futebol do Vale de Sousa…entre tantas outras  coisas que, nos dias de hoje, o fazem ser uma figura importante no crescimento e  desenvolvimento da vila. 

Proveniente de Santa Marinha de Lodares onde atualmente ainda habita, José Meireles é considerado um verdadeiro filho da terra na qual nutre um sentimento único por esta. Um  indivíduo viajado e, consequentemente, conhecedor de inúmeros saberes, nestes anos de  vida, é naturalmente conhecido como Sr. Meireles. Apesar de não escolher esta  designação, reconhece o carinho de quem a profere.  

Desde muito novo, soube o que era passar dificuldades de vida. Com, somente, 8 anos de  idade, onde a brincadeira deveria ser princípio, foi trabalhar para uma padaria durante a  noite. Assim sendo, a ilusão e o lazer característico desta tenra idade transferiram-se para  uma realidade completamente distinta.  

Ao abordar a sua infância, de imediato, a descreve como complicada devido ao seu  precoce emprego. Em virtude de ser ainda uma criança, estudava durante o dia e à noite  dirigia-se para a sua ocupação. O resultado deu-se num menino revoltado com a situação  porque ia para a escola e adormecia, porém, a culpa não era sua. Incompreendido pela  professora acabava a levar, naquela época, as tradicionais reguadas.  

Nasceu numa família humilde, filho de pai carpinteiro e de um núcleo familiar de  lavradores onde se amanhava terras, José considera que o seu percurso profissional não  exerceu influência alguma dos seus parentes. Segundo o próprio, “a melhor formação que  os pais podem dar é, essencialmente, a educação, o preparo para a vida e caso possam, condições para estudar”, todavia este não deteve desta última possibilidade,  respetivamente, pois teve de trabalhar para ajudar a sua família numerosa.  

“Fui sempre uma pessoa com ambição”, afirma José Meireles. Após este trabalho, decidiu  ir aprender certas artes ligadas ao ramo do mobiliário, como as técnicas habituais de  acabamento de móveis. Encontrou-se muitos anos nesta área, até que certa altura, começou a haver alguns problemas derivados da crise sentida e optou por encerrar esse  capítulo da sua vida.  

Aliciado por novas experiências e sendo uma das particularidades dos leilões, pelo meio  do seu antigo emprego já estava um bocado vinculado a esta parte que, na ocasião do  fecho da empresa mobiliária dedicou-se inteiramente aos leilões. Nos dias de hoje, é um  empreendedor com bastante notoriedade nesta atividade, mas revela que foi sempre  “dando passos” para chegar ao atual patamar.  

“Inicialmente, comecei a comprar produtos em leilões públicos”, refere José admitindo  que com as inovações tecnológicas naturais inaugurou-se também o leilão eletrónico. Este  último, respetivamente, também conhecido como leilão online é realizado via web, como  uma ferramenta de Business-to-Business principalmente para as áreas de aquisição ou  compras. Para o mesmo, o leilão presencial traz mais rentabilidade, uma vez que as  centenas de pessoas presentes se estimulam umas às outras. As características primordiais destes, sejam online ou não, é que os preços são determinados dinamicamente em  processo de concorrência. 

A sua primeira empresa foi a Global Geração sendo criada em 2002. A mesma dedica-se  à comercialização de produtos provenientes de leilões ou insolvências. A sua norma é comprar todos os processos referentes a bens móveis e, no geral, 80% dos produtos são  vendidos no local e os restantes vêm para a instalação física que se encontra aberta ao  público, situada em Lodares.  

Leiloeira Global Geração

De seguida, inaugurou a Leilomeireles, S.A. que abrange a parte imobiliária, isto é,  destina-se à compra de bens imóveis. Esta está apenas ligada a insolvências particulares  e apresenta-se em Lousada.  

José Meireles, um homem de negócios cheio de vontade, após a abertura destas duas  empresas decidiu abrir a leiloeira EXCLUSIVAGORA em Santo Tirso, uma cidade  portuguesa que pertence ao distrito de Porto. Esta tem como principal missão a prestação  de serviços na organização e gestão de processos de venda de direitos e bens, móveis e  imóveis, no âmbito judicial e extrajudicial. Colaboram com cerca de 34 Administradores  de Insolvência, Advogados, Agentes de Execução, Repartições de Finanças, entre outras  entidades. “Hoje em dia, temos a felicidade de nos procurarem”, sublinha o proprietário. 

A par destas três leiloeiras sediadas em Portugal, também detém uma em Espanha, mais  concretamente, em Vigo. José Meireles apesar de afirmar que todas se encontram a  trabalhar bem, pretende “mais dia menos dia” terminar esta última. De acordo com este,  ainda não encerrou graças à afeição e respeito que os Administradores sentem ao trabalhar  consigo.  

Em nenhum momento da vida de José, surgiu alguma hesitação e receio pelo caminho  escolhido. “Sempre fui uma pessoa forte e decidida e nunca tive medo de avançar”,  declara, considerando ser essencial ir com a confiança e certeza certa em qualquer  situação.  

Quando questionado sobre as suas quatro empresas, consolida, “é um crescimento  contínuo e estamos sempre a dar passos com muita calma para não dar um em falso”. 

Pelo meio desta vida, José Meireles esteve ligado ao mundo do futebol sendo uma das  suas grandes paixões, embora nunca tenha tido muito tempo para praticar o desporto dado  a sua atividade profissional. Preliminarmente, despertou-lhe o interesse pela arbitragem  havendo tirado o curso para árbitro de futebol. Exerceu esta ocupação durante 12 anos e  desistiu ao fim desse tempo por vontade sua, no entanto considera ter sido uma  experiência engraçada da qual gostou muito.  

José Meireles e seus auxiliares

Ao encargo desta atividade, José contou ao Louzadense uma curiosa história, “era  habitual recebermos as cartas com os jogos que íamos arbitrar às quartas-feiras, durante  1 ano após ter abandonado esta carreira, acordava ainda ansioso para receber a menção.  Só depois é que comecei a assimilar que o normal hábito havia terminado”, confidencia.  

Foi fundador do Núcleo de Árbitros de Futebol do Vale de Sousa ainda a exercer o seu  papel de árbitro. Mais tarde, deixou ambas as responsabilidades e foi para Dirigente do  Conselho de Arbitragem do Porto. José não se ficou por aqui, corria o ano de 1996 quando  foi Presidente da Associação Desportiva de Lousada, uma vez que na altura não havia  direção havendo assumido o cargo.  

Associação de Futebol do Porto

Levando em conta o facto de estar ligado ao meio futebolístico, acredita ter experienciado  momentos bons e maus enquanto presidente do AD Lousada. Na altura, o clube estava na  segunda divisão nacional e a equipa de José conseguiu excelentes resultados durante a  época, conforme afirma o próprio. Após esta vivência, o mesmo nutre muito respeito por quem dirige pois sabe o quão difícil é, essencialmente, quando os resultados não são os  esperados.  

AD Lousada

A determinada altura entendeu já ter feito e dado muito de si ao desporto que abandonou,  porém, um convite inesperado para fazer parte da Associação de Futebol do Porto fez  com que José “corrigisse as suas palavras” e não rejeitasse a aliciante invitação. Este  agregou-se a esta à posterior de ser presidente do AD Lousada. Atualmente, ainda faz  parte da Associação de Futebol do Porto.  

Interpelado sobre qual acredita ser o ponto chave do sucesso, José Meireles não hesita em afirmar “quando se tem um objetivo e se foca a 100% nele”. Considera que o seu grande  êxito foi no momento em que se dedicou, exclusivamente, à parte das insolvências.  

Além do seu fascínio pelo futebol junta-se a música embora sem medida comparativa. Na  altura em que foi Presidente da Associação Desportiva e Cultural de Lodares havia um  Grupo de Cavaquinhos. Contudo, quando abandonou o cargo houveram pessoas que não  quiseram continuar devido à sua saída. Com o intuito de apoiar o seu filho e os amantes  desta arte onde o próprio se inclui, foi fundador do Grupo de Cavaquinhos de Santa  Marinha de Lodares onde arranjou um estúdio para os ensaios.  

Grupo de Cavaquinhos

Através desta criação, conseguiu levar duas vezes os membros à RTP para atuar e também  ao Porto Canal. No entanto, a pandemia quebrou esses contratos que ajudam na  promoção. “Era um grupo que estava em crescimento, neste momento estão a retomar aos  poucos”, sublinha José.  

José Meireles é pai de 6 filhos onde possui uma ligação com todos eles. Atualmente, tem  dois deles a trabalhar consigo nas empresas. O seu maior desejo é que, um dia, os seus  descendentes queiram dar continuidade ao seu trabalho pelo qual lutou e se sacrificou.  “Eles são humildes e trabalhadores, mas não sei se irão dar seguimento”, revela o próprio  demonstrando uma tristeza caso isso não aconteça.  

Enquanto ser humano crê ser bastante acessível a tudo e sempre pronto a ajudar os mais  necessitados e não só. No meio do homem de sucesso encontra-se uma sensibilidade fora  de série. José afirma, com toda a certeza, que Lousada é tudo para ele. “Nasci nesta terra  bonita e irei permanecer até ao último dia”, conclui evidenciando todo o amor que sustém  pela vila da Camélias.

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

“Toda a glória do mundo é transitória”

JORGE NETO, ADVOGADO E POLÍTICO O lousadense Jorge Manuel Ferraz de Freitas Neto, de 67 anos, é um...

Associação dos Voluntários de Caíde de Rei Celebra 34.º Aniversário com Evento Memorável

A Associação dos Voluntários de Caíde de Rei comemorou, ontem, o seu 34.º aniversário com uma...

Queixas ambientais morrem num emaranhado de burocracias e “procedimentos duvidosos”

A (DES)ORDEM NO RIO MESIO (PARTE 2) Esta é a segunda parte da reportagem d'O Louzadense sobre um...

AD Lousada não se vai coligar com SAD Lank

FEDERAÇÃO NÃO AUTORIZA O “CASAMENTO” Estava tudo bem encaminhado entre as partes para que a junção...

Editorial 125 | O Gestor de Redes Sociais

Numa terra longínqua onde os emojis governam e os likes são moedas de troca, vive o temido Gestor...

LOUSADA RECEBE MAIOR FESTIVAL DE DRIFT DO PAÍS

O Eurocircuito da Costilha em Lousada será palco no final do mês da 11ª edição do Encontro...

Xadrez do Lousada Voleibol Clube com excelentes resultados no fim de semana

Esteban Dario Caro, xadrezista da secção de xadrez do Lousada Voleibol Clube venceu o VII Torneio...

Oficinoscópio assinala 10 anos de cinema de animação

No dia 10 de julho foi apresentado o livro Oficinoscópio, relativo aos 10 anos de Oficinas de...

AUTOR VISITA ALDAF E PROMOVE MOMENTO DE CULTURA PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA EM LOUSADA

No passado dia 13 de junho a Associação Lousadense dos Deficientes, dos seus Amigos e Familiares...

Desvendando os Traços Antissociais

Os traços antissociais são confundidos por vários sintomas na linguagem coloquial, assim irei...

Siga-nos nas redes sociais