por | 26 Jan, 2024 | Dar voz aos livros, Opinião

A leitura e as emoções

Falar sobre emoções é um desafio, que se afigura maior, quando associamos estas à leitura. Enquadrada no projeto “A Voz que damos aos livros”, a conferência enunciada no título deste texto protagonizou o início de um conjunto de conferências sobre leitura: Ler a Valer – atividade a decorrer na ESL que ambiciona promover uma conversa alargada sobre o potencial da leitura, enquanto fonte única de interrogação e de interpretação da vida.

Servindo de espinha dorsal a estes encontros, a leitura constitui-se como um modo privilegiado de estabelecermos uma conexão com outros campos do conhecimento: as emoções e a inteligência emocional foi o primeiro. Quando falamos sobre literacia emocional, exploramos a importância de desenvolver o léxico emocional e de procurarmos perceber o impacto que este pode ter no bem-estar e no desenvolvimento de cada um.  A identificação das emoções, bem como a consciência da sua existência, aliadas à reflexão sobre como as podemos autorregular, tem um caráter transversal inequívoco.

Foi profundamente comovente sentir o silêncio de uma sala repleta de jovens enquanto Isabel Lage (psicóloga clínica), palestrante nossa convidada, lia excertos de livros e colocava a questão fundamental: “o que sentiram?”. Foi comovente e desafiador o silêncio que se sentiu, reencaminhando todos involuntariamente para a essência da leitura, das emoções, da comunicação. Em silêncio, todos estávamos cheios de palavras geradas a partir da introspeção e de um espaço comum da intimidade aberto pelas linhas de livros, como aquele incontornável de Saint Exupéry – O Principezinho. Como não nos revermos nas suas frases subliminares, como exemplificou Isabel Lage: “Tornas-te responsável por tudo o que cativares”.

Poderei dizer alguma coisa permanecendo em silêncio? Em The Power of Silence, de Adam Jaworski, o autor explora o silêncio como uma componente significativa da comunicação, sendo crucial encontrar uma espécie de simbiose entre o silêncio e a fala para que se efetive a comunicação.

Nesta sessão, esta fusão aconteceu: ficou sublinhada a importância da palavra e, por outro lado, tomamos consciência de que o homem pode desenvolver articulações mentais e sensíveis fora da matriz verbal. O silêncio assumiu-se não como mera ausência de discurso, mas como produtor de significado e como um contributo concreto para o ato de comunicação. “A leitura e as emoções” foi um momento único: lemos e, a partir daí, exploramos emoções; sobretudo, comunicamos pela palavra e no silêncio.

Muito em especial, inadvertidamente, acedemos à leitura enquanto meio eficaz para explorar as emoções, permitindo que nos sirvamos dos livros, da literatura para as compreender de forma mais efetiva e consequente.      

Conceição Brandão

Professora

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Já começaram as movimentações para formar a Comissão de Festas

Romaria da Senhora Aparecida O artigo da anterior edição do nosso jornal, sobre a ausência de...

Editorial 115 | Silêncio

A 26 de fevereiro de 1954 nascia Mário Fernando Ribeiro Pacheco Fonseca, figura incontornável da...

Direção ameaça entregar chaves do clube se não houver acordo com autarquia

ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA DE LOUSADA A ADL está em modo de «gestão a prazo», pois a atual Direção já...

Lousada recebeu entrega de prémios da AT Porto

Retomou-se, no passado dia 3 de Fevereiro, a habitual cerimónia de entrega de prémios da...

Peça de teatro promove a sensibilização e prevenção rodoviária nos mais novos

A nova edição da campanha de sensibilização, que transforma as crianças em agentes de segurança e...

Jantar-Comício do Partido CHEGA traz André Ventura a Lousada

O Presidente do Partido CHEGA, André Ventura, marcará presença no jantar oficial de campanha do...

Santuário de São Gonçalo de Lustosa

Lustosa é uma parcela do concelho de Louzada que gosto de percorrer e apreciar, mormente a...

Professor de artes é “artista de horas livres”

Joaquim Alexandre Ribeiro: A moldar lousadenses pela arte O professor Joaquim Alexandre Nunes...

Amanhã virás Sol, amanhã virás

ABRIL LOUZADENSE (IX) Um dos maiores vultos portugueses da luta contra a ditadura foi o...

O verdadeiro voto útil e a matemática do “Chega” para lá

Dúvidas ainda houvesse sobre a importância do projecto da Aliança Democrática (AD) e da...

Siga-nos nas redes sociais