por | 18 Mar, 2024 | Dar voz aos livros, Opinião

Palavras Nómadas, de Dora Gago

Se é evidente que a experiência se transforma inevitavelmente num dos ingredientes da escrita, a passagem pelos lugares transforma-se em ponto de partida para o voo incontornável da escrita. Nessa perspetiva, Dora Gago, em Palavras Nómadas, não escreve meramente sobre o espaço físico em particular, ela parte dele para a crónica, para outra coisa mais vasta que nasce a partir dele.

 Entende-se, em certa medida, que o espaço físico se viabiliza num espaço de experiências capazes de filtrar e de reconhecer a vivência que propulsiona a voz narrativa – uma espécie de testemunha que exige o reconhecimento do espaço enquanto lugar da vivência real e da transfiguração – o que que só uma certa dimensão literária da crónica nos pode oferecer.

Os elementos descritivos, nestas crónicas, são também elementos evocativos, colocando-nos a nós, enquanto leitores, em escuta ativa, porquanto os mesmos nos guiam e nos orientam o olhar para a formulação de um conceito plural de espaço – território interior, convergindo e divergindo do exterior, espaço sem rosto e de onde, todavia, alguém fala. A crónica que Dora nos oferece em Palavras Nómadas apresenta-se como testemunha de um tempo, encontrando na paisagem, uma possibilidade de reordenação pela dinâmica promissora da palavra, quase sempre, profundamente poética.

Compreende-se que este conjunto de crónicas pintadas de paisagens colocam-nos à frente dos olhos uma nova porta que poderemos sempre abrir. Assim, sobre este livro de crónicas importa dizer que ele proporciona a viagem pelo globo terrestre, através do olhar de uma mulher irrequieta e aventureira, mas em especial ele reafirma o lugar interior da experiência como viagem única de aprendizagem e de afirmação de uma outra realidade, o acrescento de alguma coisa ao mundo que antes lá não estava”, nas palavras iluminadoras de Lídia Jorge e a propósito da essência do literário.

Enfim, nesta perspetiva, a crónica literária de Dora Gago descreve, mas também transfigura a paisagem, servindo-se dela para a poder ler de forma crítica e eficazmente humorística.

Conceição Brandão

Professora

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Quem são @s influencers lousadenses?

VENDEM PRODUTOS E SUGESTÕES A MILHARES DE PESSOAS Por “querer estar na moda” ou por insegurança e...

GINT: Uma história de crescimento, inovação e responsabilidade social

Desde a sua fundação em 1997, a Grecogeste-Trading de Produtos e Serviços S.A., do Grupo GINT, tem...

Programa Municipal de Caminhadas

No dia 15 de junho, sábado, realiza-se a Caminhada da Primavera, organizada pela Associação de...

Dia Municipal da Biodiversidade celebrado no Parque Urbano Dr. Mário Fonseca

Dia 21 de junho celebra-se o Dia Municipal da Biodiversidade. Desde 2017 que esta data é celebrada...

Inscrições abertas para o Banco de Voluntariado

O Banco de Voluntariado encontra-se em funcionamento desde 2006 e pretende garantir e promover a...

Orçamento Participativo Jovem tem candidaturas abertas até sexta-feira

Estão abertas as candidaturas para o Orçamento Participativo Jovem (OPJ), até dia 14, próxima...

Alunos de Lousada venceram concurso DXC Code Challenge

A equipa da EB da Boavista – Silvares, constituída por Letícia Teixeira Sousa e Luís Gonçalves...

Lousada CoWorking está em funcionamento

A funcionar no Parque Urbano Dr. Mário Fonseca, o espaço Lousada Coworking regista já procura....

Talentos da Fruta já têm pratos vencedores

O Município de Lousada promoveu uma nova edição do concurso “Talentos da fruta”, na passada...

Município cria Prémio de Investigação Dr. Mário Fonseca

O Município criou o “Prémio Dr. Mário Fonseca” em homenagem ao médico Lousadense, conhecido como...

Siga-nos nas redes sociais