por | 17 Abr, 2024 | Desporto, Uncategorized

Lousada já tem duas árbitras

LAURA E XÉNIA SÃO PIONEIRAS NA ARBITRAGEM

É de Lustosa a primeira árbitra lousadense. Chama-se Laura Alves, tem 30 anos, é operária de logística e dirige jogos de Futsal. Seguiu as pisadas do pai, que também é árbitro. Igual influência teve Xénia Pereira, de Nespereira, uma estudante de 21 anos, cujo pai é treinador de futsal. São as duas mulheres que dirigem competições de futsal e contaram ao O Louzadense as respetivas experiências nessas funções.

Num meio tradicionalmente masculino, como é o dirigismo e a prática do Futebol e do Futsal, a mulher começa a surgir cada vez mais, não só como praticante mas também no dirigismo e na arbitragem. É um fenómeno que começa a dar passos firmes, conforme nos conta Laura Alves, de Lustosa, que entrou para a arbitragem por influência do pai, Carlos Alves.

“Foi algo que veio do seio familiar, visto que o meu pai já era árbitro antes de mim e foi uma excelente ajuda fora e dentro do campo porque foi o meu primeiro colega de equipa”, refere a árbitra. O seu pai é um experiente árbitro de futsal e de futebol de praia.

Laura Alves

Quanto a praticar essas modalidades, Laura diz que “não, apesar de sempre ter gostado de futebol e de futsal acho que nunca tive grande aptidão para jogar, então a arbitragem tornou-se na minha forma de participar nestes desportos que aprecio”.

Declara que dirige jogos em todos os escalões da Associação de Futebol do Porto.

Está satisfeita com o seu desempenho global e apenas se queixa de alguma falta de tempo livre para estar com a família e com os amigos.

Perguntamos-lhe se considera que, por ser mulher, há alguma atitude diferente para consigo por parte do público, dos jogadores e outros intervenientes nos jogos. Respondeu prontamente: “a minha experiência diz-me que a reação é exatamente igual para comigo como para com um árbitro, não vejo qualquer mudança de atitudes ou postura em relação à diferença de géneros”.

Sobre o tipo de jogos mais exigentes ou difíceis, Laura Alves lamenta que “por vezes os jogos mais complicados de gerir são aqueles em que as equipas já não estão a competir por nada e então complicam demasiado o desenrolar do jogo, com faltas e comportamentos desnecessários”.

Já dirigiu desafios importantes e de grau elevado de exigência: “Esta época, por exemplo, fiz o jogo decisivo do campeonato na Divisão Elite de futsal feminino”. E teve um bom desempenho segundo testemunhos oculares.

Além desse, outro jogo que destaca pela positiva “aconteceu num torneio feminino de jogadoras com menos de 13 anos. O resultado final foi de 14-0 mas após o apito final a equipa que perdeu não mostrou frustração ou desalento e em vez disso tiveram uma reação de felicidade e inclusive estavam a combinar que músicas iam cantar na viagem de autocarro para casa”. Para Laura, esta “foi um situação marcante, pois às vezes as crianças relembram aos mais crescidos que o mais importante é jogar e conviver em vez de ter sempre o foco em ganhar”.

Mas também há o reverso da medalha, ou seja, o lado menos positivo: “nos jogos de miúdos, há pais que têm atitudes negativas, que não compreendem que dos dois lados estão crianças e ameaçam e insultam os adversários dos filhos, que são apenas crianças também”. Das bancadas vêm os principais problemas e não tanto do jogo em si, “visto que na bancada existem elementos de ambos os clubes, acabam por existir situações complicadas mesmo a nível de violência”, acrescenta a árbitra.

Mais mulheres devem surgir na arbitragem. É a opinião de Laura, que acredita que “há mulheres de futebol e futsal, que após terminarem o percurso como jogadoras, vão entrar para a arbitragem. Não é comum aderirem à arbitragem sem ter contacto prévio com a modalidade. É uma atividade que requer muita dedicação e tempo especialmente durante o fim de semana, o que torna difícil gerir o tempo a nível familiar. Aliás,chegam a entrar na arbitragem e acabam por desistir para poderem constituir família”, afirma Laura Alves.

No futuro, pretende continuar na arbitragem e tem planos: “quero subir à divisão nacional, pois sempre foi um objetivo que até agora não foi possível atingir, contudo não sei se será alcançável pois existe um limite de idade. De momento mesmo que não ascenda estou a pensar manter-me por cá pelo menos mais 5 anos”, concluiu a nossa entrevistada.

Quanto a Xénia Pereira, de Nespereira, tem 21 anos e é estudante do ensino superior. O seu pai é treinador de Futsal há muitos anos “e na altura da pandemia surgiu a oportunidade de tirar o curso de arbitragem online, por incentivo dele”, explica a jovem.

Xénia Pereira

Da pouca experiência que tem ressalta como fatores negativos dessa atividade “certos espetadores mal comportados e a falta de tempo ao fim de semana”.

“Não sinto diferença de tratamento, comparativamente aos meus colegas masculinos, no que se refere por exemplo ao mau comportamento de algum público, pois… somos todos insultados de igual forma”, confessa Xénia Pereira.

Embora considere que é uma realidade que está a mudar, a falta de mulheres na arbitragem é um facto, dado que “no geral as mulheres não apreciam tanto o futebol como os homens”.

Nos seus objetivos atuais revela que pretende “ter estatuto da Federação Portuguesa, sendo que o grande objetivo é fazê-lo no Quadro Comum”.

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Piscinas sobrelotadas: expandir ou construir?

EMPREENDIMENTO AQUÁTICO TEM 27 ANOS As piscinas de Lousada foram inauguradas em 1997, numa altura...

Rezar por mais saúde e menos guerras

A PROCISSÃO DE VELAS É UM SINAL DOS TEMPOS Em maio realizam-se as procissões de velas. Os...

LADEC Celebra 14.º Aniversário com Jantar Convívio

No passado dia 18, a LADEC - Lousada Associação de Eventos Culturais comemorou o seu 14.º...

Hugo Regadas Vence a Internacional XCO Super Cup

No passado domingo, em Vila do Conde, o lousadense Hugo Regadas, a competir pela equipa Rompe...

Editorial 121 | Lousada é Grande

Lousada, terra de história e tradição, ostenta com orgulho a sua grandeza. O nosso Torrão, que há...

Lousada Junior Cup: Título da primeira prova ficou em casa

O português João Dinis Silva conquistou a primeira prova da Lousada Junior Cup, depois de derrotar...

Lousada ao rubro na Super Especial do Rally de Portugal

A 57º edição do Rally de Portugal trouxe a Lousada os pilotos do Campeonato do Mundo de Ralis...

DIALLEY – Agência de Marketing em Lousada

O nome foi inspirado na Diagon Alley, um local emblemático da saga Harry Potter, da qual Sofia...

Apresentação da trilogia “As Aventuras da Maria” encanta público

No passado dia 11, a Assembleia Louzadense acolheu a apresentação da trilogia "As Aventuras da...

Luís Santos é mandatário da candidatura da Aliança Democrática em Lousada

A candidatura da Aliança Democrática (AD) em Lousada terá como mandatário Luís Santos, Coordenador...

Siga-nos nas redes sociais