por | 4 Jul, 2024 | Editorial, Editorial

Editorial 124 | “Tô certo ou tô errado?”

Quem se lembra do personagem Senhorzinho Malta, na telenovela Roque Santeiro, lembrar-se-á, certamente, da figura autoritária e dominadora com que frequentemente impunha a sua voz e o seu poder com a tirada “tô certo ou tô errado?”. 

Há por aí muitos “senhorzinhos Malta”, um pouco mais modernos, é certo, que praticam o “eu posso”, “eu mando”, “eu é que sei”, “eu é que sou o presidente”. Eu, eu, eu.

Ora, esse ego desmedido, seja em que organização for, compromete a saúde organizacional, desestimula a colaboração, mina as relações de confiança entre pares e limita a própria inovação das funções e da organização. 

O “eu posso” de um líder autocrático faz com que tome decisões unilaterais, sem a devida consulta e consideração dos seus pares, levando a erros estratégicos e a um ambiente de trabalho pouco saudável e construtivo. 

O “eu mando” impõe uma cultura de obediência cega que, em vez de inspirar e motivar, controla e sufoca a criatividade e a iniciativa dos seus colaboradores. 

O “eu é que sei” demonstra uma falta de humildade e abertura para aprender com os outros. 

Finalmente, o “eu é que sou o presidente” é uma afirmação de poder de uma espécie de “dono disto tudo”, que se julga acima de todos e se considera a peça central de todas as operações. Aliás, muitos deles fazem de tudo para que a sua posição e autoridade não seja defraudada, ainda que isso implique prejuízo coletivo, mas garanta no final da etapa um audível “eu avisei”.  

Infelizmente, encontramos por aí tantos “egos desmedidos” que nos leva a crer que serão meros disfarces da fraqueza e da sua própria incompetência. A psicologia designa-os como “complexo de superioridade”, “um mecanismo subconsciente de compensação neurótica desenvolvido por um indivíduo como resultado de sentimentos de inferioridade.”

Normalmente, vemos estes sujeitos a serem os primeiros “bajuladores” de pessoas respeitadas e socialmente reconhecidas. Fazem-no, com a expectativa de um dia serem outros a fazer-lhes o mesmo. 

Já diz o ditado popular: “quem se acha, se perde”. E são muitos os que se perdem na arrogância e no caminho da humildade, pois “a canalhice e o cinismo moram no indivíduo que se acha superior aos outros”, e “quem se acha superior, no fim é apenas um medíocre”. 

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

A  memória e a literatura

Há uns tempos e a propósito de um Colóquio Internacional em que participei na Sorbonne, em Paris,...

“Fecharam-nos muitas portas, mas temos tudo controlado”

COMISSÃO DE FESTAS DO SENHOR DOS AFLITOS 2024 Em janeiro deste ano, Paulo Magalhães, Daniel Pires...

Cartaz de arromba nas festas de Lustosa

SÃO TIAGO É COMEMORADO DE 25 A 28 DESTE MÊS A comissão de festas de Lustosa é formada por mais de...

Festas Grandes em honra do Senhor dos Aflitos

A Vila já está iluminada lembrando as Festas Grandes, que têm um dos grandes momentos na...

Lousada no pódio europeu de árvores plantadas em Portugal

O Município de Lousada ocupa o primeiro lugar nacional, ao abrigo da iniciativa europeia da...

Votações para o OPJ até dia 8 de agosto

Até dia 8 de agosto estão em votação as 12 propostas apresentadas no âmbito do Orçamento...

Ações de sensibilização com a Liga Portuguesa Contra o Cancro

O Município de Lousada associou-se à Liga Portuguesa Contra o Cancro – Núcleo Regional do Norte,...

NÍVEL ELEVADO NO SUPERCROSS EM LUSTOSA

As grandes emoções do Supercross estiveram em Lustosa (Lousada), numa noite memorável. A pista do...

Quarteto Metralha animam festas e romarias

LOUSADA TEM CADA VEZ MAIS GRUPOS DE BOMBOS Os bombos são uma tradição bem portuguesa e em Lousada...

Verónica Parente apresenta a exposição “Horizontes de Cores” no Cais Cultural de Caíde de Rei

O Cais Cultural de Caíde de Rei acolherá a exposição "Horizontes de Cores", da artista Verónica...

Siga-nos nas redes sociais