por | 24 Ago, 2019 | Canto do saber, Sociedade

Eventos, do delírio à estratégia

Ao contrário do que muitas vezes se propala, existe muita actividade na sociedade, promovida pelos cidadãos que se associam por este ou aquele motivo. Esta actividade consubstancia-se , normalmente, em eventos pontuais que são levados a cabo , na maior parte das vezes, numa lógica de voluntarismo de um ou de alguns, que se dizem estar disponíveis para o trabalho para a comunidade, mas que , de facto, acabam por ser exercícios de afirmação pessoal, que servem invariavelmente para alimentar egos e definir objectivos aos que mais tarde estarão em posição similar.

Ciente desta realidade, a política , sobretudo a autárquica , “ recruta” ( uns dirão , captura ) quer os voluntariosos quer os eventos, que incorpora na sua actividade, dando relevo a essas actividades.

Temos assistido nos últimos anos, a um recrudescimento , por parte das autarquias, do número de eventos que apoia ou leva a cabo, uns que incorporam as situações descritas acima, outros que aparecem formatados por uma indústria emergente, que faz rodar o mesmo tipo de evento com nomes similares pelos diferentes concelhos com pequenas nuances.
O que caracteriza estes eventos é que são pontuais e raramente incluem o tecido empresarial/comercial local, isto é , o negócio fica , quase sempre, destinado a actores de comércio itinerante ou aqueles que só são empresários nesse evento.

Toda esta actividade, que vai sendo, muitas vezes, sufocante, possui os seus méritos. Para o cidadão porque permite que este tenha à sua porta realizações que muitas vezes só existiam noutros locais e constitui-se , de alguma forma, como mais uma justificação para a sua fixação em determinado local, aumenta a sua sensação de qualidade de vida, etç. Para as autarquias, estes eventos, que são muito mais baratos do que eventual investimento estruturante, aumenta o sentimento do bom trabalho por parte do executivo autárquico e ajuda a que o trabalho deste possa decorrer de forma mais fluida.Para os políticos, sobretudo os com responsabilidades autárquicas, é a forma de se ligarem à população,que não dispensa a sua presença nos eventos e vice-versa, numa torrente de visibilidade, mais ou menos tática que só tem um objectivo, a manutenção do poder de todos os personagens em presença.

Não é contudo a actividade autárquica que está em causa, pois ela é essencial no serviço às populações, cheia de dificuldades, sobretudo em concelhos mais pequenos, onde os desejos de cada um chegam de forma mais fácil a quem tem a responsabilidade de gerir o presente e projectar o futuro. No entanto a actividade autárquica, seja ela por cada município em si próprio, seja por associação dos mesmos, deve incorporar uma componente estratégica que possa de facto criar valor acrescentado à região onde estão inseridos.

É absolutamente essencial começar pela avaliação do impacto real sobre a economia e os processos sociais da região, de projectos existentes e de toda a série de eventos pontuais. Especulações existem muitas, conforme se está no poder ou na oposição, mas estudos não existem.

Depois, é a objetivação de qual o melhor caminho para a criação de valor acrescentado para as populações. No caso do vale do Sousa e em concreto o caso de Lousada, as oportunidades giram sempre em torno de trabalho indiferenciado, no geral mal pago ou , com a “doutorização” crescente da comunidade, qualificado de pouco digno.

Desta forma, se por um lado, o aumento da população, em termos de captação, não deva constituir um desígnio, por outro lado a fixação dos jovens é importante. Os pais hoje, tudo fazem para que os filhos tenham um curso, que casem e vivam junto a eles , muitas vezes um objectivo que é mais deles do que dos filhos, mas que depois se vêm confrontados com a realidade de que o curso e outras vivências, acabam por afastar os filhos para outras paragens. A alternativa passa, muitas vezes, por ter que os sustentar, arranjar um “empreguinho” na autarquia, criar a imagem de que eles são uns génios e que se podem dedicar de imediato, sem preparação, à actividade de profissional liberal, etç, numa lógica de vida pretensamente preenchida pelo lado familiar…

Esta objetivação, passa por dar um sentido a toda a actividade de divulgação que não é compatível com o carácter pontual dos eventos a que assistimos. Há que os classificar, requalificar e encadeá-los numa estratégia que permita valorizar o território e criar aptidão para a criação de oportunidades a partir do exterior. Oportunidades que possam, inclusive, direcionar a juventude no seu objectivo de vida, no que toca à sua formação, ao invés de a mergulhar na aleatoriedade dos números clausus.

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Editorial 125 | O Gestor de Redes Sociais

Numa terra longínqua onde os emojis governam e os likes são moedas de troca, vive o temido Gestor...

LOUSADA RECEBE MAIOR FESTIVAL DE DRIFT DO PAÍS

O Eurocircuito da Costilha em Lousada será palco no final do mês da 11ª edição do Encontro...

Xadrez do Lousada Voleibol Clube com excelentes resultados no fim de semana

Esteban Dario Caro, xadrezista da secção de xadrez do Lousada Voleibol Clube venceu o VII Torneio...

Oficinoscópio assinala 10 anos de cinema de animação

No dia 10 de julho foi apresentado o livro Oficinoscópio, relativo aos 10 anos de Oficinas de...

AUTOR VISITA ALDAF E PROMOVE MOMENTO DE CULTURA PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA EM LOUSADA

No passado dia 13 de junho a Associação Lousadense dos Deficientes, dos seus Amigos e Familiares...

Desvendando os Traços Antissociais

Os traços antissociais são confundidos por vários sintomas na linguagem coloquial, assim irei...

”Faz falta uma feira do livro”

GONÇALO SANTOS, ESCRITOR Chama-se Gonçalo Teles dos Santos, tem 44 anos, é natural de Sousela e...

A Casa Nobre No Concelho de Lousada

Tipologias - XVI | Elementos Decorativos II Os elementos decorativos, concebidos quase sempre em...

O discreto gigante da democracia lousadense

E DEPOIS D'ABRIL? [3] Lousada teve muitas pessoas de proa que embora sendo contra o regime...

Fim de Semana Cultural “Alma Magnetense” está de regresso

A Junta de Freguesia de Meinedo anuncia o regresso do Fim de Semana Cultural "Alma Magnetense",...

Siga-nos nas redes sociais