por | 10 Set, 2019 | LivreMENTE, Opinião

Festas Grandes… Olhar o passado a pensar no futuro!

Tenho acompanhado algumas notícias, publicações e comentários que têm surgido nas redes sociais sobre a organização, para o próximo ano, das Festas em honra do Senhor dos Aflitos. Não é meu propósito fazer aqui qualquer juízo de valor sobre o conteúdo que tem sido proferido, muito menos sobre as pessoas envolvidas no processo. No entanto, gostaria de recorrer à história das Festas para trazer a público uma proposta de solução.

Como é sabido que a seleção da comissão organizadora das festas tem recaído única e exclusivamente no pároco de Silvares, que é também o presidente da Fábrica da Igreja paróquia. No entanto, tendo em conta o percurso histórico das Festas, quer na sua dimensão religiosa, quer na sua dimensão profana, seria de considerar outras participações decisórias que poderiam projetar melhor o seu futuro e evitar as discussões polémicas sobre o assunto.

As Festas nasceram espontaneamente da iniciativa popular. Ao longo da segunda metade do século XIX, a necessidade de angariar receitas para as obras da majestosa capela do Senhor dos Aflitos motivou a realização de vários bazares de prendas, aos quais se foi associando a realização de uma festa com recurso a procissão, música e fogo-de-artifício. A romaria foi crescendo, de modo que, nos anos 80, era uma realidade que atraía inúmeros forasteiros dos concelhos vizinhos. Na década seguinte, com a conclusão das obras, o novo templo foi entregue à Santa Casa da Misericórdia, fundada em 1897, com o primeiríssimo motivo de promover o culto e a festa ao Senhor dos Aflitos.

Em 1898, foi o primeiro ano em que as festas se realizaram sob a alçada da Irmandade. Com o impulso do primeiro provedor, Manuel Peixoto de Sousa Freire, e a participação de vários colaboradores, projetou-se a festa na região e no país. Nesse ano e no seguinte, a festa teve uma magnificência invejável. Porém, nos anos seguintes, a dimensão profana das festas quase desapareceu, constrangida pelo contexto económico-financeiro delicado que se vivia em Portugal. Só em 1905, percebendo-se a importância económico-social que as festas tinham para o concelho, se retomou a sua dimensão grandiosa, com iniciativas e contornos organizativos que se repercutiram até à atualidade. Neste ano, uma comissão de cavalheiros de influência social, com o concurso da Misericórdia e da Câmara Municipal, programou a realização magnificente das festas para o último domingo de julho, tendo-a engrandecido com a criação de uma feira anual de gado realizada na véspera.

Já nos anos 60 do século XX, sob a provedoria do Major Arrochela Lobo, a Misericórdia cedeu, para fins paroquiais, o templo do Senhor dos Aflitos à Fábrica da Igreja de Silvares, abdicando da sua participação mais ativa na organização das festas, facto que se mantém na atualidade.

Tendo em conta o percurso histórico das Festas – aqui apresentado de forma muito resumida – e a controvérsia que se tem verificado em torno da escolha da sua comissão, considero que é uma boa altura para se recuperar a participação histórica das entidades que, ao longo dos tempos, mais diretamente concorreram para a sua execução: a Misericórdia, a Câmara Municipal e a Fábrica da Igreja de Silvares. A História dá-lhes legitimidade e responsabilidade para, de forma partilhada, iniciarem um procedimento regulamentar claro e transparente sobre a escolha da comissão organizadora das festas, salvaguardando o cumprimento digno das nossas tradições e potenciando interesses do concelho.

A definição de critérios é uma necessidade urgente, que, certamente, evitaria os contenciosos que se têm vindo a assistir.

1 Comment

  1. António Vieira Costa

    Tudo bem e tudo mal. De acordo com a Lei da Separação do Estado (Já de Afonso Costa, Primeira República…), com as leis canónicas e a disciplina da Igreja Católica manda a verdade e o direito (e a tal separação de poderes) que seja o Pároco a legitimar, homologar, qualquer coisa assim, mas determinante, a Comissão de Festas. Em Lousada nas Festas Grandes houve sempre grande paganismo, enviesamento deste critério (intransponível!) e depois muita falta de transparência para não lhe chamar logo desonestidade… Desde o vitalício Zeca Pires até aos denodados “bairristas” tanto da Ladec como fora da Ladec, de tal forma que, perante as exigências da Lei quanto à legal subsidiação autárquica, e inerente controlo de actividade associativa ou cultural, o presidente Jorge Magalhães não viu saída legítima e legal que não fosse o apadrinhamento da constituição da Ladec. Veio o prudente, simpático e conciliador padre Paulo Godinho, viu tudo, como é óbvio, e fez a quadratura do círculo, legitimou o que era legitimável. Agora, garanto-vos, politiqueiros: Se o Leonel Vieira e a sua equipa tiverem perfil de bons cristãos, de bons paroquianos, a sua disponibilidade não só é evangélica, como será politicamente higiénica e moralmente regeneradora!!!!

    Reply

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

“Toda a glória do mundo é transitória”

JORGE NETO, ADVOGADO E POLÍTICO O lousadense Jorge Manuel Ferraz de Freitas Neto, de 67 anos, é um...

Associação dos Voluntários de Caíde de Rei Celebra 34.º Aniversário com Evento Memorável

A Associação dos Voluntários de Caíde de Rei comemorou, ontem, o seu 34.º aniversário com uma...

Queixas ambientais morrem num emaranhado de burocracias e “procedimentos duvidosos”

A (DES)ORDEM NO RIO MESIO (PARTE 2) Esta é a segunda parte da reportagem d'O Louzadense sobre um...

AD Lousada não se vai coligar com SAD Lank

FEDERAÇÃO NÃO AUTORIZA O “CASAMENTO” Estava tudo bem encaminhado entre as partes para que a junção...

Editorial 125 | O Gestor de Redes Sociais

Numa terra longínqua onde os emojis governam e os likes são moedas de troca, vive o temido Gestor...

LOUSADA RECEBE MAIOR FESTIVAL DE DRIFT DO PAÍS

O Eurocircuito da Costilha em Lousada será palco no final do mês da 11ª edição do Encontro...

Xadrez do Lousada Voleibol Clube com excelentes resultados no fim de semana

Esteban Dario Caro, xadrezista da secção de xadrez do Lousada Voleibol Clube venceu o VII Torneio...

Oficinoscópio assinala 10 anos de cinema de animação

No dia 10 de julho foi apresentado o livro Oficinoscópio, relativo aos 10 anos de Oficinas de...

AUTOR VISITA ALDAF E PROMOVE MOMENTO DE CULTURA PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA EM LOUSADA

No passado dia 13 de junho a Associação Lousadense dos Deficientes, dos seus Amigos e Familiares...

Desvendando os Traços Antissociais

Os traços antissociais são confundidos por vários sintomas na linguagem coloquial, assim irei...

Siga-nos nas redes sociais