por | 16 Out, 2019 | Economia, O Garante da Gestão

Flexibilidade laboral …tendências do capital humano, no futuro

Vivemos num mundo de mercado aberto e em concorrência, diferente do cenário macroeconómico que existia e daquele que constataremos no amanhã. Os tempos de um “emprego para a vida” e uma carreira de décadas na mesma empresa estão a acabar. Estamos numa fase de transformação de formas de viver, trabalhar, sendo a flexibilização laboral um imperativo real, na forma de ver o trabalho, a sociedade e como nos organizamos, na reivindicação entre o equilíbrio de vida pessoal e profissional, entre sociedade e empresa, conduzindo a uma nova gestão dos recursos humanos.

O paradigma do local único de trabalho, com horários rígidos está a mudar, pelas novas gerações. Não faz sentido insistir no modelo “das nove às cinco” e picar o ponto. A ideia que as pessoas são produtivas mais de 8 horas é incongruente, com abalos na estrutura familiar, oriunda de políticas deficientes que raramente lhes reconhecem a importância. Subsiste ainda uma cultura de presentismo, existindo o estigma de que o trabalho fora da organização não se traduz em produtividade. Esta mensurada pela presença física “mina” o avanço em relação à flexibilidade. A autonomia para decidir quando e onde trabalhar, proporcionam equilíbrio entre a vida profissional e pessoal, um controlo das empresas menor, deixando decidir onde/quando trabalhar. São tendências crescentes que mostram a prevalência da flexibilidade no trabalho, o poder da escolha. A tradicional medida única que serve para todos, está a desvanecer.

As empresas serão mais abertas ao risco, à mudança, investindo nos recursos humanos, em formação profissional e rotatividade interna, com estruturas organizacionais mais orgânicas, do que mecanicistas, diminuindo a rigidez existente no mercado laboral. Terão colaboradores autónomos, competitivos, versáteis, cientes das necessidades do mercado, mais abertos à mudança, exercendo diversas funções ao longo da sua vida ativa, em diferentes organizações, apresentando uma vida profissional menos monótona, em constante qualificação. Serão colaboradores remotos, independentes, freelancers, especialistas em áreas concretas, entrando em determinadas fases da vida corporativa, criando e exponenciando sinergias, com recurso à tecnologia, respondendo às necessidades de mobilidade e produtividade. Deverão as empresas perante um mercado de trabalho mais dinâmico e competitivo adaptarem-se a estas situações e ajustar a sua regulamentação a novos modelos organizacionais, largando ideias conceptuais e académicas, e integrando a realidade, pois as empresas são cada vez mais organismos em constante evolução. Seria sinónimo de estagnação e fossilização profissional ao deter uma estrutura inflexível, face aos desafios do mercado e de uma economia mais versátil e inclusiva.
O Código do Trabalho português deu passos na flexibilização, permitindo a articulação com a vida pessoal/familiar (Trabalho a tempo parcial, Contrato de trabalho intermitente, Horário concentrado e Adaptabilidade), contudo, precisamos de políticas de emprego que coloquem a proteção dos trabalhadores, o desenvolvimento económico e a competitividade das empresas no centro da estratégia.

Na verticalidade desta matéria, sem perceber moramos no trabalho, e visitamos nossa casa, com impacto no contexto pessoal/familiar e na natalidade, como resultância da ausência da flexibilidade do trabalho. É urgente medidas resolutas, concretas e eficazes, como sendo positivo na resposta à conciliação entre trabalho e vida pessoal, em falha e presente no hoje. Sem substância nesta matéria perdemo-nos no trabalho em detrimento da família, dissipamos e justificamos os meios na vertente material esquecendo a vertente humana.

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Portistas comentam eleições no FC do Porto

MAIORIA DEFENDE MUDANÇAS Nem só os partidos políticos estão em campanha eleitoral. Também o...

Bombos femininos crescem em Lousada

AS “BOMBÁSTICAS DE AVELEDA” No final do desfile do Carnaval de Lousada, todas aprumadas na...

“Câmara recusou sistema de rega inovador” (DR)

Ao abrigo do disposto nos artigos 24.º e 25.º da Lei da Imprensa, aprovada pela Lei n.º 2/99, de...

70.º aniversário do nascimento de um Grande Louzadense

MÁRIO FERNANDO RIBEIRO PACHECO FONSECA (1954-2012) «Gosto tanto de Lousada, que nela gosto de tudo...

Skaters queixam-se de perseguição da polícia Municipal para deixarem a “mítica” Praça do Bispo

FAMA DO LOCAL ONDE NASCEU O SKATE LOUSADENSE JÁ CHEGOU AO ESTRANGEIRO O fenómeno do skate...

Já começaram as movimentações para formar a Comissão de Festas

Romaria da Senhora Aparecida O artigo da anterior edição do nosso jornal, sobre a ausência de...

Editorial 115 | Silêncio

A 26 de fevereiro de 1954 nascia Mário Fernando Ribeiro Pacheco Fonseca, figura incontornável da...

Direção ameaça entregar chaves do clube se não houver acordo com autarquia

ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA DE LOUSADA A ADL está em modo de «gestão a prazo», pois a atual Direção já...

Lousada recebeu entrega de prémios da AT Porto

Retomou-se, no passado dia 3 de Fevereiro, a habitual cerimónia de entrega de prémios da...

Peça de teatro promove a sensibilização e prevenção rodoviária nos mais novos

A nova edição da campanha de sensibilização, que transforma as crianças em agentes de segurança e...

Siga-nos nas redes sociais