por | 11 Dez, 2019 | O Garante da Gestão

Qualificação superior é garante de emprego e bons salários?

A qualificação superior é um ponto alfa do mercado de trabalho, edificada com o conhecimento e a experiência que, serve de pilar para um progresso continuo e cooperativo entre o profissional e a empresa, sendo o profissional um ator relevante em vários interesses estratégicos da empresa, que se travam no mercado de trabalho.

Quando os profissionais com qualificação superior ingressam no mercado de trabalho, os salários não permitem a sua necessária realização e progresso, ao não ajustar o salário de acordo com as suas habilitações/funções, assim como, perante a ausência de reconhecimento e equidade de encaixe. Indiretamente os empresários estão a tornar aquele profissional um mau profissional, com impacto no seu (des)empenho, na sua luta de fazer mais e melhor. Premente à realidade presente, abona precariedade, trabalho mal pago. Porque a não existência de um salário mínimo para estes profissionais? Não obstante, temos qualificações/habilitações e pouca experiência ou até nenhuma, porque o mercado é falho na resposta, logo o défice da experiência. Temos os estágios remunerados e não remunerados, como resposta à aquisição de experiência, nem sempre suficientes e garante de aceitação e de empregabilidade, sendo apenas metodologias impostas, revelando desvio e preenchimento constante da escassez de mão-de-obra, como resposta às empresas e não aos profissionais, não gerando emprego, oriundo de tais situações. Existindo a contratação do estagiário, a empresa incorre no “abuso” do valor a pagar ao profissional, como se estágio tratasse.

Ainda assim, é injetado e recrutado quem tem qualificações e mais qualificações ou quem tem uma “cunha” direta e nem sequer precisa de passar por uma série de requisitos? Há uma insatisfação presente e uma génese sem fim e atuação descuidada e avessa ao cerne da sua concretização. A política tem aqui um papel nutre, o perceber que existem fatores indiretos, que tem valor direto à posterior. Existem vários “porquês” na desfasagem entre qualificação superior, emprego e salário, como a escolha do curso, a quantidade de alunos que frequentam determinado curso e não outro, a falta de experiência, os salários não competitivos, entre outras. As vagas dos cursos devem abrir não em função do interesse das organizações de ensino, mas em reporte à viabilidade do investimento dos jovens/dos pais e do garante da sua aplicabilidade. Mais tarde, estes profissionais deparam-se com uma realidade ofusca e diferente do imaginário de que tanto anseiam e barra-se o descontentamento, pela luta constante e ausente de concretização, porque o mercado de trabalho não se preocupou em aproveitar e dar as condições devidas a estes profissionais, que mais tarde terá impacto na saúde mental, psicológica, na vida pessoal e fuga de talento-emigração. A ausência de emprego é justificada pelo mercado estar saturado em determinados setores, o que conduz a uma discrepância entre a oferta e a procura em determinadas áreas, um “desencontro complexo” de necessidades de mão-de-obra, logo reporte indevido ao valor pago aos profissionais. Porém, o emprego também é inexistente, dado que, as empresas procuram profissionais com qualificação e experiência, e diante da respetiva falta, as vagas não são preenchidas. Aqueles que possuem formação superior/maiores níveis académicos, nem sempre é fundamental, se a sua formação não for específica, não sendo garante de emprego.

O Estado deve aprimorar tais situações que são o alavanque no futuro e resposta ao mercado de trabalho, ter em alerta e articulação entre a Educação/Economia, resultando num mercado mais coeso, correspondendo às necessidades do mercado do trabalho. Precisamos de estimular o capital humano e incorporar soluções.

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

“Toda a glória do mundo é transitória”

JORGE NETO, ADVOGADO E POLÍTICO O lousadense Jorge Manuel Ferraz de Freitas Neto, de 67 anos, é um...

Associação dos Voluntários de Caíde de Rei Celebra 34.º Aniversário com Evento Memorável

A Associação dos Voluntários de Caíde de Rei comemorou, ontem, o seu 34.º aniversário com uma...

Queixas ambientais morrem num emaranhado de burocracias e “procedimentos duvidosos”

A (DES)ORDEM NO RIO MESIO (PARTE 2) Esta é a segunda parte da reportagem d'O Louzadense sobre um...

AD Lousada não se vai coligar com SAD Lank

FEDERAÇÃO NÃO AUTORIZA O “CASAMENTO” Estava tudo bem encaminhado entre as partes para que a junção...

Editorial 125 | O Gestor de Redes Sociais

Numa terra longínqua onde os emojis governam e os likes são moedas de troca, vive o temido Gestor...

LOUSADA RECEBE MAIOR FESTIVAL DE DRIFT DO PAÍS

O Eurocircuito da Costilha em Lousada será palco no final do mês da 11ª edição do Encontro...

Xadrez do Lousada Voleibol Clube com excelentes resultados no fim de semana

Esteban Dario Caro, xadrezista da secção de xadrez do Lousada Voleibol Clube venceu o VII Torneio...

Oficinoscópio assinala 10 anos de cinema de animação

No dia 10 de julho foi apresentado o livro Oficinoscópio, relativo aos 10 anos de Oficinas de...

AUTOR VISITA ALDAF E PROMOVE MOMENTO DE CULTURA PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA EM LOUSADA

No passado dia 13 de junho a Associação Lousadense dos Deficientes, dos seus Amigos e Familiares...

Desvendando os Traços Antissociais

Os traços antissociais são confundidos por vários sintomas na linguagem coloquial, assim irei...

Siga-nos nas redes sociais