Os “TEMPERILHOS” e os “REMEDILHOS”

Chegados ao último mês do ano, os nossos antepassados tinham necessidade de começar a prever o que iria acontecer no “Ano Novo” que se avizinhava, principalmente no que diz respeito à meteorologia, para que as tarefas agrícolas fossem programadas com bastante antecedência.

Havia a necessidade de “rogar” as pessoas para virem ajudar nos trabalhos agrícolas; havia que programar os períodos das sementeiras, do amanho das terras e de outras tarefas campesinas e de criação de gado, que entendiam fazer ao longo de todo o ano.

Assim, o tempo que fazia em várias ocasiões e dias do ano, era “presságio” usado para se prevenirem do tempo que iria fazer ao longo do ano que se aproximava.

Então, começava-se a observar o tempo no dia 13 de dezembro (Dia de Santa Luzia) até ao dia 24 – os Temperilhos. E, recomeçava-se no dia 26 de dezembro, até ao Dia de Reis (dia 6 de Janeiro) – os Remedilhos. O dia de Natal não contava!…

Terras há, em que se denominam estes “saberes populares” como “Têmporas de Santa Luzia” e eram “boletins meteorológicos” de eleição, tendo em linha de conta, também, e em complemento das previsões acabadas de se fazer, pelo tempo que fazia no dia da “Senhora das Candeias, da Luz ou da Purificação” (dia 2 de Fevereiro): – “Quando a Candelária chora (está chuva), o inverno está fora. Quando a Candelária rir (está dia de sol), está o inverno para vir!…”; pelo tempo que fazia nas mudanças das fases da lua e suas posições (lua barqueira – em forma de barco – é sinal de tempo instável); pela orientação dos ventos (“vento de Norte trás pouca sorte!”); pela cor, tamanho, posição e movimento das nuvens; pelo voar raso dos pássaros ou quando se empoleiravam em grupo; pela vermelhidão do céu pela manhã; pelo arco-íris no oeste; pelo som de determinados sinos das igrejas que normalmente não se ouvia; pela observação das ondas do mar e pela observação do comportamento de alguns animais, nomeadamente as formigas, as aves, as abelhas e borboletas ou quando as vacas se agachavam que era sinal de tempestade, tornaram-se ao longo de muitos e muitos anos, em tradições que eram transmitidas de geração em geração e que todos aproveitavam para prever os bons ou maus “ventos” que aí viriam!…

Não se sabe se estas tradições são de origem religiosa ou de origem pagã, mas sabe-se que esta “ciência natural” apareceu de muitos e muitos anos de observações e que estes “saberes populares” passaram de pais para filhos, com o intuito de resolver e prevenir muitos estragos que o tempo fazia, para as culturas do milho, do vinho, do centeio mas principalmente do linho. Como se disse atrás, nos Temperilhos começava-se a observar o tempo no dia 13 de dezembro (Dia de Santa Luzia), e terminava-se na véspera de Natal (dia 24 de dezembro). Associava-se o tempo que fazia em cada dia, à previsão do tempo no mês do próximo ano. O tempo que fazia no dia 13 associava-se ao mês de janeiro e assim sucessivamente, cruzando um dia a cada mês do ano, até ao dia 24 que era ligado ao mês de dezembro.
Iniciavam-se a 26 de dezembro os Remedilhos (há zonas do norte de Portugal que lhe chamam “arremedilhos”) que iriam remediar e compensar a informação do estado do tempo obtida nos temperilhos, mas de forma inversa ou seja, o tempo que fazia no dia 26 iria ser o tempo que corresponderia ao mês de dezembro e o dia 6 de janeiro ao mês de Janeiro. Portanto, nos remedilhos, cada dia também corresponde a cada mês do ano mas começando no mês de dezembro e acabando no mês de Janeiro.
Conforme estiver o dia vai remediar o temperilho. Isto é, por exemplo, se no dia 15 de dezembro e a 4 de janeiro chover, então o mês de Março será chuvoso. Caso não sejam coincidentes então o tempo em Março aproximar-se-á mais do dia do remedilho, ou seja do tempo que faz a 4 de janeiro.
Por outro lado, nos temperilhos, da meia-noite até ao meio dia, corresponde à primeira quinzena do mês e do meio-dia à meia-noite corresponde à 2ª quinzena. Nos remedilhos será ao contrário: da meia-noite ao meio dia será a segunda quinzena do mês e do meio-dia à meia-noite corresponde à primeira quinzena.

Estas previsões normalmente variavam de zona para zona, sendo que por vezes, terras vizinhas previam climas muito diferentes, apesar de distarem poucos quilómetros, pois “cada terra com seu uso e cada roca com o seu fuso!…”

Nota: A crónica que deveria sair nesta edição deveria ser a continuação das Lendas, mas devido à pertinência do período em que decorrem os temperilhos e remedilhos (haja algum dos nossos leitores que por obséquio, façam a experiência e os devidos registos, a partir do dia 13 deste mês e que para o ano nos mostrem se efetivamente os nossos avoengos tinham ou não razão!…), achamos que seria melhor apresentar esta crónica nesta edição.

2 Comments

  1. Mário Ribeiro

    Agradeço, antes de mais, toda esta explicação minuciosa sobre este tema que a minha avó falava. Estou a fazer o registo do estado do tempo, mas só comecei ontem( dia 26) , contudo certamente para o próximo ano farei na totalidade. Obrigado.

    Reply
  2. Graça Silva

    Bom dia! Já faço uso deste registo há algum tempo e funciona. Pelo previsto, ano que vem será ano de fome. Pouca água e quente. Por favor, evite os fogos!

    Reply

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Tanto talento e humildade numa pessoa só

JOÃO DA MOTA TEIXEIRA Este cristelense de 78 anos tem tanto de discreto e humilde como de talento...

Estradas esburacadas 

ACONTECE UM POUCO POR TODO O CONCELHO As chuvas intensas que caíram neste inverno contribuíram...

“O Julgamento do Natal”

Nos dias 22 e 23 de março, a Nova Oficina de Teatro e Coral de Lousada, para finalizar o Dia do...

COPAGRI CONTINUA COM LITÍGIO INTERNO

“Arrumar a casa” para investir no supermercado, mas anterior direção insiste com ação judicial Por...

Adriano Rafael Moreira é o novo Secretário de Estado do Trabalho

TERCEIRO LOUSADENSE NUM GOVERNO CONSTITUCIONAL A tomada de posse de Adriano Rafael Moreira,...

Editorial 118 | Um lousadense no Governo de Portugal

Não é todos os dias que temos um lousadense no Governo de Portugal, sendo, por isso, motivo de...

~ in memoriam ~

Armando José Gonçalves da Costa (1946 – 2024) Faleceu a 26 de Março o estimado dono do Mini...

Lousada recebe o Mega Sprinter

Lousada recebe, nos dias 19 e 20 de abril, o XVIII Mega Sprinter. A atividade envolve 25 comitivas...

Seminário da Unidas – Rede Intermunicipal de Apoio à Vítima do Douro, Tâmega e Sousa

Lousada recebe o III Seminário da Unidas — Rede Intermunicipal de Apoio à Vítima do Douro, Tâmega...

Noites da Juventude apresentam We Are

O segundo evento no âmbito das Noites da Juventude realiza-se dia 12 de abril. A partir das 22h00,...

Siga-nos nas redes sociais