por | 24 Dez, 2019 | Opinião

“Não é espectável que venha a acabar bem algo que começa com tamanha divisão.”

Carlos II (in Charles II: The Power and the Passion)cher

Pensa-se que durante os tumultuosos anos 70 de 1600, quando o Parlamento Britânico tentou passar a chamada Lei da Exclusão (com vista ao afastamento do irmão do Rei da linha de sucessão), Carlos II tenha comparecido presencialmente na Câmara dos Comuns, com vista a dissolvê-la, e proferido as seguintes palavras: “Todos conseguimos ver o ponto a que chegamos. Não é espectável que venha a acabar bem algo que começa com tamanha divisão.”.
Ora, a aprovação ministerial do Orçamento (“de continuidade”) do Estado para 2020, pronto para ser debatido na Assembleia da República, coloca o Governo e os nossos Parlamentares numa posição particularmente semelhante. Uma divisão inegável, que apenas uma cuidadosa e estudada aritmética parlamentar poderá salvar de um desfecho pouco apetecível. A única diferença é que Carlos II não irromperá pelo hemiciclo com a intenção de o dissolver, até porque, provavelmente, Ferro Rodrigues acharia esse comportamento uma vergonha.
O problema é que, contrariamente à Aritmética matemática pura, cujas fórmulas se mantêm constantes, no caso parlamentar elas vão flutuar consoante o Partido Socialista consigne mais ou menos fundos a tentar preencher as expectativas dos seus aliados mais à Esquerda. Uma espécie de quem quer casar com a carochinha versão partidária.
Façamos a destrinça deste conto político. À Direita temos dois grupos distintos, os novos e os velhos partidos. Os novos, livres das amarras do passado que mantêm manietados os velhos, não terão qualquer problema em votar contra um Orçamento que, em essência, diverge quer dos seus ideais puramente liberais, quer da sua atitude populista e reaccionária. Os velhos, por seu turno, amarrados à herança do passado esperam com ansiedade o fim público da relação dos partidos de Esquerda. Se não acontecer, votam contra o “orçamento de continuidade”, se acontecer logo se vê se se dá uma mãozinha ao socialismo (nem que seja porque as sondagens não animam, num futuro próximo, a Direita tradicional).
Por seu turno, à Esquerda temos os pretendentes da carochinha, cujo tostão está cativado e o caldeirão está em tão mau estado que já nem sopa é capaz de cozer. Aqui, temos também vários partidos, velhos e novos, mas apenas duas hipóteses, um voto favorável ou uma abstenção em bloco, ou um voto contra e um a favor dos dois maiores partidos desse grupo.
Cumpre ao Primeiro Ministro fechar de vez as contas do Orçamento e começar a fazer as contas do Parlamento. Fica a dica: chamar Centeno para as fazer, se este não estiver muito ocupado a lidar com Primeiros Ministros dissidentes nas reuniões do Eurogrupo.
No final, tal como em 1679 na Grã-Bretanha, também no Portugal de 2019 “todos conseguimos ver o ponto a que chegamos” veremos agora de que forma acabará esta história, até porque novos personagens se perfilam, cuja entrada no enredo poderá ditar diversas e interessantes alterações.
Veremos.

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Resistência e Liberdade» obteve 3.º Prémio no Concurso «25 de Abril, um projeto de Liberdade»

Alunos e professores do AE Dr. Mário Fonseca, envolvidos no Projeto «Resistência e Liberdade»,...

Mostra coletiva de artistas revela vitalidade da arte lousadense

NA BIBLIOTECA MUNICIPAL E CAIS CULTURAL DE CAÍDE DE REI A diversidade de estilos e técnicas são...

Uma centena de jovens na Final Regional do Xadrez Escolar do Norte na Escola Secundária de Lousada

A Escola Secundária de Lousada acolheu, no dia 10 de maio, a final da modalidade de xadrez da...

Sacrifício, Liberdade e Memória da Revolução dos Cravos

No ano em que se comemora os cinquenta anos da Revolução dos Cravos importa mergulhar no passado...

Iluminar Lousada – Uma Luz Solidária para a Cooperativa Lousavidas

O Iluminar Lousada vai realizar-se no dia 18 de maio, e as velas solidárias estão já estão à...

Pimenta na censura dos outros, na minha liberdade é refresco

No passado dia 25 de Abril celebraram-se os 50 anos sobre a revolução que derrubou o regime...

Vinhos das Caves do Monte projetam Lousada no mundo

Freitas de Balteiro: O embrião de uma tradição Em 1947, nas terras férteis da freguesia de...

Caixa Agrícola rejeita lista de sócios candidatos a eleições: Lista avança com Providência Cautelar

A Caixa de Crédito Agrícola de Terras do Sousa, Ave, Basto e Tâmega (CCAM TSABT) está envolta em...

Um pioneiro da comunicação regional

Rafael Telmo da Silva Ferreira, professor e diretor da Valsousa TV Em setembro faz 25 anos que...

A Casa Nobre No Concelho de Lousada

Tipologias - XII | Capela II A capela podia ser levantada por forma a dar seguimento à fachada da...

Siga-nos nas redes sociais