LADEC: 10 anos anos a promover a cultura e o desporto

A LADEC – Lousada Associação de Eventos Culturais celebrou, no passado dia 23 de janeiro, o seu décimo aniversário.

Esta associação surgiu pela necessidade de formalizar procedimentos relativos às festas em Honra do Senhor dos Aflitos. A LADEC desempenhava, assim, além de outras funções, uma missão de apoio às Comissões de Festas responsáveis pela organização das Grandiosas. Joaquim Gonçalves recorda que, em 2010, o convite para criar a associação partiu de Aníbal Cunha, o presidente das festas. “Ainda há pessoas que pensam que a associação foi criada para organizar as festas, o que não é verdade. Foi, sim, criada para que as mesmas fossem realizadas com mais rigor do que até então”, esclarece.

No entanto, nas edições seguintes, chegados a novembro, ainda não havia comissão de festas formada. Assim, a “LADEC escolheu os nomes nesses anos, mas a comissão tinha a sua própria autonomia”, conta. Depois de um ano fora das festas, 2013, em março de 2014, a inexistência de comissão levou a LADEC a assumir a organização das festas, o que aconteceu também em 2015. “A partir daí, em reunião, assumimos que não iríamos realizá-las mais”, refere.

Encontro de Tunas é uma ambição

A LADEC continuou a organizar outras iniciativas, como a Festa da Francesinha, que vai já na 7ª edição. “Uma festa que se tornou num dos eventos com mais sucesso no concelho e dentro do género na região”, diz. No âmbito desportivo, o destaque vai para o Open LADEC, em parceria com o Clube Lousada Ténis Atlântico, e a corrida São Silvestre, um evento que tem registado um crescimento gradual: “É já uma das corridas do género que mais atletas”, realça. A nível cultural, o Carnaval é um dos eventos realizados em parceria com a autarquia, tal como palestras e tertúlias. A passagem de ano e a noite de bombos são mais dois exemplos desta parceria. “Não fazemos mais eventos porque felizmente Lousada tem uma atividade cultural muito preenchida durante todo o ano, sendo difícil encontrar datas para as iniciativas”, justifica. Apesar disso, ideias não faltam e há uma já na calha: “Temos a ideia de avançar com outras atividades, como por exemplo um encontro de Tunas, mas sem prejudicar a grande montra que já existe no concelho”, avança.

Balanço positivo

Joaquim Gonçalves deixa uma palavra de agradecimento àqueles que, ao longo da última década, ajudaram a LADEC: “a Câmara Municipal de Lousada, que sempre nos ajudou, e a todas as entidades públicas e privadas que contribuíram para o sucesso destes 10 anos, aos sócios da associação, patrocinadores, amigos e em especial uma palavra aos fundadores e também aos atuais diretores e colaboradores, que deram os primeiros passos e que na sua maioria continuam connosco”.

Pelas atividades realizadas, após uma década de existência da LADEC, Joaquim Gonçalves sente-se orgulhoso por presidir à associação, “que nasceu do nada, com bairrismo e paixão de 18 Lousadenses que aceitaram este grande desafio”. Nem tudo foi fácil, mas o balanço é positivo: “Com algumas pedras no caminho, tive sempre a capacidade de ultrapassar os desafios que nos iam aparecendo. É uma associação que tem as suas contas em dia”, sustenta.

Apesar de o ano 2020 ter começado mal para Joaquim Gonçalves, que perdeu a mãe e viu o amigo e tesoureiro da LADEC, Antero Correia, padecer de problemas de saúde, o presidente espera ter condições para reunir brevemente, pois o Carnaval está próximo: “É uma iniciativa que tem sido um sucesso. Espero é que o tempo nos ajude, pois se isso acontecer haverá condições, com o nosso esforço, para ser um dos melhores do Vale do Sousa”, afirma.

Para além das iniciativas, a LEDEC quer atrair outras pessoas: “Queremos crescer e incorporar pessoas que são apaixonadas pela sua terra e deixar que elas venham continuar o trabalho que foi iniciado e que, creio, deve ser mantido”.

LADEC quer sede própria

O presidente da LADEC está no último ano de mandato, que não quer terminar sem atingir um objetivo: “Termos o nosso espaço, uma sede para a associação. Atualmente, estamos num espaço a pagar renda e temos de deixar de ter esta despesa. Temos de criar condições para termos um espaço próprio, será uma mais-valia. Contamos com o apoio de entidades públicas.

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

“Toda a glória do mundo é transitória”

JORGE NETO, ADVOGADO E POLÍTICO O lousadense Jorge Manuel Ferraz de Freitas Neto, de 67 anos, é um...

Associação dos Voluntários de Caíde de Rei Celebra 34.º Aniversário com Evento Memorável

A Associação dos Voluntários de Caíde de Rei comemorou, ontem, o seu 34.º aniversário com uma...

Queixas ambientais morrem num emaranhado de burocracias e “procedimentos duvidosos”

A (DES)ORDEM NO RIO MESIO (PARTE 2) Esta é a segunda parte da reportagem d'O Louzadense sobre um...

AD Lousada não se vai coligar com SAD Lank

FEDERAÇÃO NÃO AUTORIZA O “CASAMENTO” Estava tudo bem encaminhado entre as partes para que a junção...

Editorial 125 | O Gestor de Redes Sociais

Numa terra longínqua onde os emojis governam e os likes são moedas de troca, vive o temido Gestor...

LOUSADA RECEBE MAIOR FESTIVAL DE DRIFT DO PAÍS

O Eurocircuito da Costilha em Lousada será palco no final do mês da 11ª edição do Encontro...

Xadrez do Lousada Voleibol Clube com excelentes resultados no fim de semana

Esteban Dario Caro, xadrezista da secção de xadrez do Lousada Voleibol Clube venceu o VII Torneio...

Oficinoscópio assinala 10 anos de cinema de animação

No dia 10 de julho foi apresentado o livro Oficinoscópio, relativo aos 10 anos de Oficinas de...

AUTOR VISITA ALDAF E PROMOVE MOMENTO DE CULTURA PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA EM LOUSADA

No passado dia 13 de junho a Associação Lousadense dos Deficientes, dos seus Amigos e Familiares...

Desvendando os Traços Antissociais

Os traços antissociais são confundidos por vários sintomas na linguagem coloquial, assim irei...

Siga-nos nas redes sociais