por | 26 Abr, 2020 | Opinião, Sociedade

“Estive para lhe dizer que estava lá fora o poder no povo e que este estava na rua…”

Capitão Salgueiro Maia face à exigência de Marcello Caetano entregar o poder a um oficial-general. in Capitães de Abril – Editorial de Notícias

Muitas têm sido as celebrações, evocativas do nosso sentimento de pertença comunitária, que temos vivido neste tempo de exceção, sejam elas de cariz religioso, histórico, familiar ou societário. Assim será também a celebração do dia da liberdade que, paradoxalmente, se fará com as restrições impostas pelas atuais circunstâncias.

Esta ironia, subjacente ao facto da grande maioria de nós se ver obrigada a celebrar o dia da liberdade no recato do seu lar (polémicas políticas de parte), é mais um dos inúmeros wake up calls que o mundo nos tem endereçado desde o início do nosso confinamento social.

Não deixa de ser curiosa a forma como os contextos e as premissas, nas quais assentamos as nossas vidas, mudam de forma tão extraordinária e vertiginosa, permanecendo, no entanto, tão estranhamente imutáveis.
Na madrugada de 25 de Abril de 1974 o apelo oficial do MFA também foi no sentido dos habitantes de Lisboa se “recolherem a suas casas”. Por estes dias esse apelo ressoa não só na capital, mas um pouco por todo o país e a efusividade com que os lisboetas desobedeceram às recomendações dos militares há 46 anos, é hoje substituída pelo amplo cumprimento das recomendações da DGS.

Mas, apesar da nossa liberdade de circulação e movimentos se encontrar restringida, isso não significa a imposição de uma suspensão das liberdades que adquirimos em Abril, afinal, parafraseando Saint-Exupéry “só há uma liberdade: a do pensamento”.

Por isso se torna ainda mais essencial a data que este ano celebramos, não só porque as circunstâncias nos obrigam a refletir e dar valor às mais simples manifestações de liberdade (como um passeio ou um abraço), mas também porque a emergência que vivemos conseguiu por estes dias, tal como há 46 anos atrás, unir todas forças políticas e instituições governativas num esforço concertado e patriótico contra um inimigo comum sem cor partidária ou bandeira. Uma ode àquilo que nos une como lousadenses, portugueses e humanidade, em detrimento daquilo que politicamente nos possa separar. Nenhuma força política é demasiado grande para vencer esta guerra sozinha ou pequena demais para que o seu contributo não seja decisivo. Todos os partidos (impulsionadores de novas ideias ou fundadores da democracia), entre eles o CDS, labutam todos os dias, local e nacionalmente, propondo e alcançando as melhores soluções possíveis para Portugal.

De igual modo, o projeto que deu vida ao Louzadense celebra também nesta data o seu primeiro aniversário. E que melhor manifestação de liberdade intelectual poderíamos querer? Um projeto da terra, para dar expressão às gentes da terra!

Pessoalmente, sou um filho inegável do Portugal pós Abril, pós-revolucionário, pós integração europeia, pós contemporâneo e digital. Não conheço outra realidade senão a liberdade, mas hoje dou por mim a pensar no privilégio de escrever sem constrangimentos intelectuais, para um jornal sem censura, num país livre.

Dirijo por isso, em meu nome e de toda a Comissão Política Concelhia do CDS-PP Lousada, uma calorosa saudação aos impulsionadores e promotores deste fórum que cumpre este 25 de Abril o primeiro daqueles que, certamente, serão muitos anos de livre exposição de ideias e notícias desta bela terra que é a nossa Lousada.
Bem hajam!

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Já começaram as movimentações para formar a Comissão de Festas

Romaria da Senhora Aparecida O artigo da anterior edição do nosso jornal, sobre a ausência de...

Editorial 115 | Silêncio

A 26 de fevereiro de 1954 nascia Mário Fernando Ribeiro Pacheco Fonseca, figura incontornável da...

Direção ameaça entregar chaves do clube se não houver acordo com autarquia

ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA DE LOUSADA A ADL está em modo de «gestão a prazo», pois a atual Direção já...

Lousada recebeu entrega de prémios da AT Porto

Retomou-se, no passado dia 3 de Fevereiro, a habitual cerimónia de entrega de prémios da...

Peça de teatro promove a sensibilização e prevenção rodoviária nos mais novos

A nova edição da campanha de sensibilização, que transforma as crianças em agentes de segurança e...

Jantar-Comício do Partido CHEGA traz André Ventura a Lousada

O Presidente do Partido CHEGA, André Ventura, marcará presença no jantar oficial de campanha do...

Santuário de São Gonçalo de Lustosa

Lustosa é uma parcela do concelho de Louzada que gosto de percorrer e apreciar, mormente a...

Professor de artes é “artista de horas livres”

Joaquim Alexandre Ribeiro: A moldar lousadenses pela arte O professor Joaquim Alexandre Nunes...

Amanhã virás Sol, amanhã virás

ABRIL LOUZADENSE (IX) Um dos maiores vultos portugueses da luta contra a ditadura foi o...

O verdadeiro voto útil e a matemática do “Chega” para lá

Dúvidas ainda houvesse sobre a importância do projecto da Aliança Democrática (AD) e da...

Siga-nos nas redes sociais