por | 25 Mai, 2020 | LivreMENTE

«Vão sem mim que eu vou lá ter»

«Vão sem mim que eu vou lá ter» é o refrão de um dos mais interessantes temas dos Deolinda, o «Movimento Perpétuo Associativo», o qual apresenta, de forma muito pertinente, uma amostra das desculpas frequentemente invocadas para a falta de participação e envolvimento dos indivíduos nos organismos associativos que constituem hoje a dita sociedade civil.

Efetivamente, as mais diversas instituições associativas do país padecem da falta de participação dos seus associados. E não são necessários grandes estudos académicos para se perceber isso. Basta ver os níveis de participação dos sócios nas assembleias gerais que qualquer instituição realiza ao longo do ano. Geralmente são duas reuniões obrigatórias e não tomam mais do que meia dúzia de horas anualmente! Contudo, contam-se pelos dedos o número de sócios que participam no mínimo exigido das dinâmicas associativas.

Não é novo este tipo de situações… Tenho incidido as minhas pesquisas historiográficas sobre algumas instituições associativas locais e tenho constatado a falta de participação dos sócios nas reuniões, em particular nas assembleias gerais, e, mais ainda, na falta de disponibilidade para integrar os corpos sociais.

Porque é que isto aconteceu no passado? Porque é que isto ainda acontece na atualidade? Não é fácil apontar uma resposta objetiva… Em muitos dos casos a justificação até é compreensível e prende-se com a multiplicidade dos afazeres dos associados, o que os impede de ter uma participação mais ativa e constante. No entanto, os documentos do passado têm apontado essencialmente uma justificação de desinteresse, sustentando a minha perceção do presente: existe uma grande falta de dedicação e de espírito de sacrifício no cumprimento dos compromissos associativos assumidos.

Todas as instituições foram fundadas com objetivos claros e a sua execução depende do grau de participação dos sócios. Os mais ocupados socialmente são aqueles que arranjam sempre um tempinho para se inteirarem do funcionamento da instituição de que fazem parte e de contribuírem para o seu progresso e crescimento. Contudo, infelizmente a larga maioria não aparece e justifica a sua ausência com as «desculpas esfarrapadas» do costume. É a lógica do «vão sem mim que eu vou lá ter»!

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Rezar por mais saúde e menos guerras

A PROCISSÃO DE VELAS É UM SINAL DOS TEMPOS Em maio realizam-se as procissões de velas. Os...

LADEC Celebra 14.º Aniversário com Jantar Convívio

No passado dia 18, a LADEC - Lousada Associação de Eventos Culturais comemorou o seu 14.º...

Hugo Regadas Vence a Internacional XCO Super Cup

No passado domingo, em Vila do Conde, o lousadense Hugo Regadas, a competir pela equipa Rompe...

Editorial 121 | Lousada é Grande

Lousada, terra de história e tradição, ostenta com orgulho a sua grandeza. O nosso Torrão, que há...

Lousada Junior Cup: Título da primeira prova ficou em casa

O português João Dinis Silva conquistou a primeira prova da Lousada Junior Cup, depois de derrotar...

Lousada ao rubro na Super Especial do Rally de Portugal

A 57º edição do Rally de Portugal trouxe a Lousada os pilotos do Campeonato do Mundo de Ralis...

DIALLEY – Agência de Marketing em Lousada

O nome foi inspirado na Diagon Alley, um local emblemático da saga Harry Potter, da qual Sofia...

Apresentação da trilogia “As Aventuras da Maria” encanta público

No passado dia 11, a Assembleia Louzadense acolheu a apresentação da trilogia "As Aventuras da...

Luís Santos é mandatário da candidatura da Aliança Democrática em Lousada

A candidatura da Aliança Democrática (AD) em Lousada terá como mandatário Luís Santos, Coordenador...

USALOU é um berço de cultura sénior

CAVAQUINHOS E TUNA SÃO DOIS EXPOENTES O principal objetivo da Universidade Sénior do Autodidata de...

Siga-nos nas redes sociais