por | 23 Jun, 2020 | Canto do saber

Sociedade da higienização

Nesta fase da primeira vaga da pandemia do covid, talvez na ânsia de acelerar a propalada “nova ordem mundial”, que segundo os pseudo-gurus, deve emergir depois de um facto histórico tão relevante, assistimos a um frenesim de higienização sem precedentes.

Se bem que o processo venha de trás, ganha um novo fôlego com os últimos acontecimentos, onde os seres humanos se parecem esquecer da sua condição sociopolítica e se refugiam em catalogações, em fundamentos.
A uma higienização anti covid, segue-se a higienização da sensibilidade apurada, pelos ditos de esquerda e a higienização do autoritarismo pelos ditos de direita.

Por um lado, higienizam-se termos, realidades históricas, património material e imaterial acumulado pela humanidade numa efervescência de hipersensibilidade hipocondríaca onde tudo é visto como uma doença. Tudo tem de ser politicamente correto. Por outro lado, a higienização atinge as estruturas dos estados, sendo saudáveis apenas a que asseguram a autoridade de quem governa. Mas não só! Atinge ainda o debate, o progresso humano e os anseios de igualdade no acesso às oportunidades. Limpo aqui, apenas a tradição, a ordem (que se aplica só aos outros) e a eficiência escravizante.

Criam-se ambientes asséticos, que como qualquer ambiente deste tipo tenta ser estanque, para que não haja contaminação e por isso o medo que impele ao fecho sobre si, o fundamentalismo.

A higienização nada constrói apenas mata, limpa aquilo que aceitamos como não saudável. Mas como mesmo em questões apenas de saúde, não é possível ser tão seletivo, quando se elimina o que é mau, não raramente se elimina o que é benéfico. O ambiente assético não se abre à reflexão, ao debate, à cooperação, ao progresso, apenas se encerra sobre o que pretende preservar.

Os políticos que desde há muito passaram a ser meros fornecedores que têm por missão manter a clientela agradada, demitem-se da promoção do regresso à lucidez da condição humana e tentam navegar na espuma das ondas.

O que a humanidade precisa é de lavradores. Remexer na terra, na sujidade, é preciso. Eliminem-se as ervas daninhas para promover o crescimento das diversas culturas que possam conviver e criar assim, não um ambiente assético, mas um onde a sujidade está presente até para nos lembrar que temos que evoluir como indivíduos.

O ser humano não é assético, a sua essência é contingencial. Contingência presente naquilo que é o fluir da vida em que, apesar de se querer muitas vezes pretender o contrário, nada é estanque, nada para, tudo é movimento, tudo se modela em cadeias de ação reação.

Ser humano, não é automatizar a sua vida em face desta ou daquela construção moral e/ou legal. É tomar a consciência de que cada um é um indivíduo que só assume a igualdade na sua dimensão socioeconómica, mas que no resto é um ser com os anseios e medos que são apenas seus, que deve de alguma forma moldar no sentido da melhor convivência no mundo que o rodeia.

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Tanto talento e humildade numa pessoa só

JOÃO DA MOTA TEIXEIRA Este cristelense de 78 anos tem tanto de discreto e humilde como de talento...

Estradas esburacadas 

ACONTECE UM POUCO POR TODO O CONCELHO As chuvas intensas que caíram neste inverno contribuíram...

“O Julgamento do Natal”

Nos dias 22 e 23 de março, a Nova Oficina de Teatro e Coral de Lousada, para finalizar o Dia do...

COPAGRI CONTINUA COM LITÍGIO INTERNO

“Arrumar a casa” para investir no supermercado, mas anterior direção insiste com ação judicial Por...

Adriano Rafael Moreira é o novo Secretário de Estado do Trabalho

TERCEIRO LOUSADENSE NUM GOVERNO CONSTITUCIONAL A tomada de posse de Adriano Rafael Moreira,...

Editorial 118 | Um lousadense no Governo de Portugal

Não é todos os dias que temos um lousadense no Governo de Portugal, sendo, por isso, motivo de...

~ in memoriam ~

Armando José Gonçalves da Costa (1946 – 2024) Faleceu a 26 de Março o estimado dono do Mini...

Lousada recebe o Mega Sprinter

Lousada recebe, nos dias 19 e 20 de abril, o XVIII Mega Sprinter. A atividade envolve 25 comitivas...

Seminário da Unidas – Rede Intermunicipal de Apoio à Vítima do Douro, Tâmega e Sousa

Lousada recebe o III Seminário da Unidas — Rede Intermunicipal de Apoio à Vítima do Douro, Tâmega...

Noites da Juventude apresentam We Are

O segundo evento no âmbito das Noites da Juventude realiza-se dia 12 de abril. A partir das 22h00,...

Siga-nos nas redes sociais