A estudar percussão na Alemanha, José Afonso pensa regressar Portugal

José Afonso, de 22 anos, estuda percussão na Alemanha. A paixão pela música começou bem cedo, aos 9 anos, com a flauta transversal, mas foi a percussão que o cativou, a ponto de dedicar a sua vida à música. Passou pelo Conservatório Vale do Sousa, do qual guarda boas recordações. Conheça o jovem talento nesta curta entrevista.

Como é que surgiu o interesse pela música?

Este apreço pela música apareceu enquanto estudante no Conservatório Vale do Sousa. Tinha 12, 13 anos. O meu professor na altura Castro Cunha disse-me que eu tinha jeito e isso, naquela altura, para uma criança significou muito. Fiquei com a ideia e agarrei a oportunidade. Fui evoluindo e cada vez gostando mais.

Comecei com 9 anos a estudar flauta transversal com a professora Rute e, com dez anos, comecei a estudar percussão. Fiz uma coisa diferente do que normalmente os outros alunos fazem. Eu gostava de flauta, mas também gostava de percussão e estudei os duas ao mesmo tempo. Fiz a secundária com o ensino articulado.

O que significa para si o Conservatório?

Eu estive no Conservatório desde 2008/2009 e para mim é uma família. Sinto que estive mais tempo lá do que em casa. Foi um misto de experiências, muito tempo bem passado, muitos concertos. Aprendi muito como pessoa e como músico. Muitos professores marcaram-me. Gostei de todos, mas especialmente a professora Fernanda é uma simpatia e ajudou-me a seguir o caminho certo. Também os meus professores de percussão, o professor João Cunha e a professora Rosário, o professor Sílvio, um professor muito profissional, que aliás esteve no meu projeto final de curso no Conservatório. Todos os professores e funcionários foram marcantes, uma autêntica família.

Como é a atuação em palco? O que nos pode dizer sobre a mestria de “bater o tambor”?

Pode mesmo dizer assim “bater o tambor”. Defendo muito o tradicional português. Nós temos os grupos de bombos, os ranchos folclóricos… É a nossa identidade! Tenho um projeto com outro percussionista, que é o Tomás Rosa. Por acaso, já esteve em Lousada com casa cheia. É o Atlantic Percussion Group. Bater os tambores, com a percussão mais erudita, mais intelectual num misto de experiências…

Como é que surgiu a hipótese de ir para o estrangeiro?

O meu interesse pela Alemanha, mais propriamente… Eles têm uma cultura muito mais abrangente, muito mais a nível orquestral, muito mais forte. Acabei a licenciatura. Vi o país que mais se identifica comigo. Estou lá há cerca de um ano e meio. Quis crescer a nível orquestral e então apostei na Alemanha.
Estive no Porto, na Escola Superior de Artes e Espetáculo quatro anos. Nesses quatro anos, fiz estágios profissionais na música. Vários jovens do país, Portugal, Espanha e de todo o mundo fazem provas para orquestras jovens ou academias. Eu, enquanto eu estive no Conservatório, estive na Jovem Orquestra Portuguesa, estive na do Mediterrâneo e estive também na da Galiza. São uma espécie de estágios profissionais.

Já pisaste grandes palcos.

Vários palcos. Tenho a questão da música popular e a questão dos concertos. Para salientar a parte popular, estive no Rock in Rio quinze anos Celebration com o mestre Rui Massena e com a Carolina Deslandes. Foi até agora sem dúvida o melhor concerto da minha vida. Olhar para a frente e ver cerca de 15 mil pessoas! Estiveram lá outros jovens lousadenses, o Hugo Barbosa e o Sandro Mota, para salientar que há talento e muita boa música em Lousada. Já atuei na Casa da Música, na Gulbenkian, na Galiza, na Roménia, na Ópera Ateneu (em Bucareste)… Já tive muitas experiências.

Como foi a adaptação à Alemanha?

Estou em Leipzig. Na verdade, ainda não me adaptei. É uma cultura diferente. Nós falamos à vontade, sorrimos… Aqui na Alemanha não. Seguem a sua vida, seguem caminho. Além disso, o clima é muito mais frio, mais cinzento. Na Alemanha, não temos uma comida tão boa como a portuguesa. No futuro, tenciono vir para Portugal.
Eu dou-me mais com as pessoas dos países latinos. É esse o meu grupo de amigos, mais pelas características das pessoas que se aproximam mais de mim.

A Covid 19 influenciou os estudos?

A escola deu-me a opção de fazer uma espécie de lay-off e o meu semestre vai passar para a frente.
Este estudo na Alemanha é um mestrado em performance.
Eu vi-me como músico profissional com 17 anos na Casa da Música e depois tive o concurso de Itália, da Grécia, que me puseram a pensar em grande. Eu sei que quero ser músico, quero tocar em palco, em orquestras, em grupos, com outros artistas. Vou continuar a estudar e o caminho será traçado certamente.

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Andreia Moreira

Clima e Saúde Mental: Um mundo doente

O clima está a sofrer as chamadas alterações climáticas sendo frequente a existência de fenómenos...

Os pais tiveram receio da sua escolha mas deram todo o apoio

LUÍS MELO, ARTISTA PLÁSTICO E PROFESSOR DE ARTES O curso de Artes da Escola Secundária de Lousada...

Não se tratou apenas de guerra – a nostalgia dos combatentes em África

LOUSADENSES NO ULTRAMAR (PARTE 2) Nem tudo foi mau, dizem os que tentam perspetivar algo de...

Resistência e Liberdade» obteve 3.º Prémio no Concurso «25 de Abril, um projeto de Liberdade»

Alunos e professores do AE Dr. Mário Fonseca, envolvidos no Projeto «Resistência e Liberdade»,...

Mostra coletiva de artistas revela vitalidade da arte lousadense

NA BIBLIOTECA MUNICIPAL E CAIS CULTURAL DE CAÍDE DE REI A diversidade de estilos e técnicas são...

Uma centena de jovens na Final Regional do Xadrez Escolar do Norte na Escola Secundária de Lousada

A Escola Secundária de Lousada acolheu, no dia 10 de maio, a final da modalidade de xadrez da...

Sacrifício, Liberdade e Memória da Revolução dos Cravos

No ano em que se comemora os cinquenta anos da Revolução dos Cravos importa mergulhar no passado...

Iluminar Lousada – Uma Luz Solidária para a Cooperativa Lousavidas

O Iluminar Lousada vai realizar-se no dia 18 de maio, e as velas solidárias estão já estão à...

Pimenta na censura dos outros, na minha liberdade é refresco

No passado dia 25 de Abril celebraram-se os 50 anos sobre a revolução que derrubou o regime...

Vinhos das Caves do Monte projetam Lousada no mundo

Freitas de Balteiro: O embrião de uma tradição Em 1947, nas terras férteis da freguesia de...

Siga-nos nas redes sociais