Adriano Sampaio: “As festas eram mais bonitas que hoje”

Adriano de Sousa Sampaio desde muito novo que aprecia as festas da Vila. Confessa mesmo que o gosto por Lousada nasceu associado às festas: “À noite, gostava da borga”, diz. Foi justamente aí que conheceu o amor da sua vida, aos vinte e cinco anos. O namoro não foi imediato, mas, com persistência, conseguiu conquistar a sua “cara metade”, a Maria Amélia.
As festas da altura em honra do Sr. dos Aflitos estão ainda muito vivas no espírito de Adriano Sampaio: “Nas festas, à noite, lembro-me da iluminação em papel, que era cá uma coisa! Era uma aramada de flores, uma coisa extraordinária, tudo em papel, fantástico! É uma imagem das mais bonitas que eu vi na minha vida! Festas de grande beleza, numa terra de “gente muito simples”, como faz questão de realçar.

Admirador das festas, não é por isso de estranhar que, em 1980, tenha organizado, por promessa, as festividades maiores do concelho, no ano em que se assinalaram os 75 anos da sua existência. Defensor da tradição, congratula-se com o regresso às “Festas Grandes”: “Antigamente chamavam-se as Festas Grandes em honra do Senhor dos Aflitos. Alteraram mais recentemente para Grandiosas. Agora, e ainda bem, voltaram a ter o nome de antigamente”.

“Foi das coisas melhores que houve nesses anos” (sobre a Procissão)

Num ano em que a chuva não deu tréguas, recorda a presença dos Cavaquinhos de Braga, do Rancho Folclórico de Santa Marta de Portuzelo, “que nem atuou, pois choveu”, e o Orfeão do Porto. Memorável foi, na sua opinião, a procissão, que o deixa orgulhoso. Nesse dia, não choveu. “Foi das coisas melhores que houve nesses anos. Fiz a festa com a preocupação da vertente católica”, salienta. “Fui ter com a Miquinhas e fizemos, para mim, a festa mais bonita a nível católico. Foi o primeiro ano que saiu o S. Miguel Arcanjo da igreja de Silvares. Era estranho não estar. Foram 14 andores. O problema foi fazermos quadros religiosos para cada andor. Era preciso roupas, miúdos e, nesse aspeto, o Miguel Trabalhador foi importante. A procissão marcou-me muito. Hoje as festas estão mais viradas para a festa da cerveja. Perdeu-se esta emoção da festa católica”, considera.

O fogo foi também memorável, tendo-se inspirado em Penafiel: “Fizemos uma batalha naval, era uma luta entre um avião e um barco a correr nuns arames e atiravam umas “bichas” uns aos outros”. Tinha muita gente nessa noite. Não fosse o incidente que levou uma pessoa a ficar cega de um olho e teria sido perfeito”, lamenta.

Ciclismo foi uma novidade

As festas tiveram também uma vertente desportiva, com ciclismo sénior, que não ficou barata: “Tinha de dar dez contos ao Benfica, ao Sporting e ao Porto. Fui buscar atletas ao Porto e ao Benfica, mas não ao Sporting. Por isso, tive vinte contos de prejuízo. Tivemos cinco equipas. Foi daqui a Ribas, com meta volante de montanha e tudo, uma novidade”, recorda.
Agostinho Taipa descreve a equipa que realizou as festas como “fantástica”. Luís Freire, José Freire, Miguel trabalhador, José Luís Pires completavam o quinteto. “Após as festas, toda a gente chorou numa reunião e juramos que até nenhum de nós faria mais as festas. Logo no ano seguinte alguém falhou essa jura”, conta.

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Resistência e Liberdade» obteve 3.º Prémio no Concurso «25 de Abril, um projeto de Liberdade»

Alunos e professores do AE Dr. Mário Fonseca, envolvidos no Projeto «Resistência e Liberdade»,...

Mostra coletiva de artistas revela vitalidade da arte lousadense

NA BIBLIOTECA MUNICIPAL E CAIS CULTURAL DE CAÍDE DE REI A diversidade de estilos e técnicas são...

Uma centena de jovens na Final Regional do Xadrez Escolar do Norte na Escola Secundária de Lousada

A Escola Secundária de Lousada acolheu, no dia 10 de maio, a final da modalidade de xadrez da...

Sacrifício, Liberdade e Memória da Revolução dos Cravos

No ano em que se comemora os cinquenta anos da Revolução dos Cravos importa mergulhar no passado...

Iluminar Lousada – Uma Luz Solidária para a Cooperativa Lousavidas

O Iluminar Lousada vai realizar-se no dia 18 de maio, e as velas solidárias estão já estão à...

Pimenta na censura dos outros, na minha liberdade é refresco

No passado dia 25 de Abril celebraram-se os 50 anos sobre a revolução que derrubou o regime...

Vinhos das Caves do Monte projetam Lousada no mundo

Freitas de Balteiro: O embrião de uma tradição Em 1947, nas terras férteis da freguesia de...

Caixa Agrícola rejeita lista de sócios candidatos a eleições: Lista avança com Providência Cautelar

A Caixa de Crédito Agrícola de Terras do Sousa, Ave, Basto e Tâmega (CCAM TSABT) está envolta em...

Um pioneiro da comunicação regional

Rafael Telmo da Silva Ferreira, professor e diretor da Valsousa TV Em setembro faz 25 anos que...

A Casa Nobre No Concelho de Lousada

Tipologias - XII | Capela II A capela podia ser levantada por forma a dar seguimento à fachada da...

Siga-nos nas redes sociais