“O carnaval de Lousada em 1910!”

Por Pedro Magalhães

A 30 de janeiro de 1910, realizou-se em Lousada um grande cortejo carnavalesco promovido pelo «Club Folia e Crítica». Já lá vão 111 anos!

Segundo o Jornal de Lousada, na edição de 6 de fevereiro, foi a partir de Macieira, onde estava sediado provisoriamente o Club, que o cortejo se iniciou e desfilou em direção à Senhora Aparecida, tendo aí chegado por volta do meio-dia.

Pouco depois, rumou em direção a Lousada, onde o esperavam milhares de pessoas. Eram 15h30min quando o cortejo chegou a Ponterrinhas, à entrada da Vila. De seguida, percorreu as ruas de Santo António, D. Maria Pia, Visconde de Alentém, Formosa, Avenida Senhor dos Aflitos, rua da Alegria, praça D. Fernando, fazendo depois o percurso inverso.

O cortejo compunha-se de vários carros alegóricos: do Club Folia e Crítica, da Tuna de Meinedo, do Hospital, dos Bombeiros Municipais Lousadenses, da Senhora do Loreto, entre outros… Eram carros alegóricos e de crítica carnavalesca, que, segundo o Jornal de Lousada, «vizava os factos mais em evidencia n’esta comarca, nos ultimos tempos». O carro considerado mais bem ornamentado foi o do Club, que sustentava o pelourinho lousadense e transportava as figuras alegóricas da «Folia», «Crítica» e «Zé Povo».

A fotografia que acompanha este artigo, amavelmente cedida pela D. Emília Valente, parece coincidir em tudo com a descrição que o Jornal de Lousada fez sobre este cortejo. A foto aparenta ter sido tirada à entrada da rua de Santo António, sendo visível ao fundo a igreja Matriz de Silvares e o seu cemitério. No que se refere ao cortejo, é possível verificar com pormenor o carro do Club, onde se encontrava uma representação do pelourinho, mas também o carro alusivo ao Hospital de Lousada e ainda o carro alusivo à Senhora do Loreto. Esta imagem é, sem dúvida, um achado extraordinário!

A 13 de fevereiro, o Jornal de Lousada revisitou novamente o cortejo carnavalesco, fazendo uma poética descritiva sobre este acontecimento, ajudando-nos a perceber melhor o cortejo e algumas das algumas críticas de alguns carros alegóricos, nomeadamente ao carro do Hospital, que estando pronto, ainda não tinha sido inaugurado, e ao carro dos bombeiros, que, à época, ainda não existiam e muita falta faziam:

Carnaval

Cortejo soberano, augusto,
Imponente de reinação,
Todo liró, todo patusco
Que causou grande admiração

Foi o que no domingo magro
Em Louzada entrou imponente
E que em verso singelo e errado
Descrever vou singelamente

À frente em seus magros ginetes,
Três arautos enfactuados
Abriam alas e prudentes
Seguiam à frente dos carros

No pintor Moniz encarnada
Em soberbo carro «Progresso»
Ia a «Folia» de Louzada
Produzindo grande sucesso.

Adolpho Santos Zé Martins
Castanheira e não sei quem mais,
Com os seus cumpridos espadins
Pareciam uns generaes.

Carro soberbo, magistral,
Em sua imponência infinda,
Figurava o nosso hospital
Hoje sem doentes ainda!

Garboso cavalleiro turco
Com o seu trage todo escarlate
Aspecto affavel e não brusco
Pinguelim Brandia com arte.

D’um poço um sarilho mui velho,
Velha carroça conduzia
Mostrando que n’este concelho
Bombeiros inda não havia.

Seguia-se-lhe a instrucção
Em carro figurando escola
Onde de «ferula» na mão
Moço mestre ia de cartola.

De suissas um grupo liró,
Cantando animadamente
Bem entoado pó, pó, pó,
Marchando ia todo ridente.

Ardiloso carro premio,
Que magra junta conduzia,
Do Loreto em seu proscenio
Alguma cousa dizia.

De Meinedo a tuna afamada
No cortejo se incorporou
E esperando-o em Louzada
E bizarramente tocou.

Do «Club» seus socios gentis,
De seu carro todo enfeitado,
Serpentinas e confettis
Deitavam para todo o lado.

De Vizella a musica nova
Para o cortejo contractada
Deu de si muito boa prova
De Apparecida até Louzada.

As duas musicas da terra
Tambem alli foram presentes
E tanto a nova como a velha
Peças tocaram excellentes.

Ponho aqui termo à descripção
Para não causar embaraço
D’este jornal à redacção
Que lucta com falta d’espaço.

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Os pais tiveram receio da sua escolha mas deram todo o apoio

LUÍS MELO, ARTISTA PLÁSTICO E PROFESSOR DE ARTES O curso de Artes da Escola Secundária de Lousada...

Não se tratou apenas de guerra – a nostalgia dos combatentes em África

LOUSADENSES NO ULTRAMAR (PARTE 2) Nem tudo foi mau, dizem os que tentam perspetivar algo de...

Resistência e Liberdade» obteve 3.º Prémio no Concurso «25 de Abril, um projeto de Liberdade»

Alunos e professores do AE Dr. Mário Fonseca, envolvidos no Projeto «Resistência e Liberdade»,...

Mostra coletiva de artistas revela vitalidade da arte lousadense

NA BIBLIOTECA MUNICIPAL E CAIS CULTURAL DE CAÍDE DE REI A diversidade de estilos e técnicas são...

Uma centena de jovens na Final Regional do Xadrez Escolar do Norte na Escola Secundária de Lousada

A Escola Secundária de Lousada acolheu, no dia 10 de maio, a final da modalidade de xadrez da...

Sacrifício, Liberdade e Memória da Revolução dos Cravos

No ano em que se comemora os cinquenta anos da Revolução dos Cravos importa mergulhar no passado...

Iluminar Lousada – Uma Luz Solidária para a Cooperativa Lousavidas

O Iluminar Lousada vai realizar-se no dia 18 de maio, e as velas solidárias estão já estão à...

Pimenta na censura dos outros, na minha liberdade é refresco

No passado dia 25 de Abril celebraram-se os 50 anos sobre a revolução que derrubou o regime...

Vinhos das Caves do Monte projetam Lousada no mundo

Freitas de Balteiro: O embrião de uma tradição Em 1947, nas terras férteis da freguesia de...

Caixa Agrícola rejeita lista de sócios candidatos a eleições: Lista avança com Providência Cautelar

A Caixa de Crédito Agrícola de Terras do Sousa, Ave, Basto e Tâmega (CCAM TSABT) está envolta em...

Siga-nos nas redes sociais