por | 20 Jan, 2022 | Cultura

A Igreja de São Vicente de Boim

A paróquia de Boim: breve enquadramento histórico e arquitetónico

Uma das referências mais antigas à freguesia de Boim regista-se nas Inquirições de 1258, mandadas realizar pelo rei D. Afonso III. Por esta época, o direito de padroado da igreja de Sancti Vincencii de Goym era partilhado entre os herdeiros de D. Guiomar Mendes de Sousa e o mosteiro de Santo Tirso de Riba d’Ave, dependendo a apresentação do pároco da confirmação do bispo do Porto. Uma das prerrogativas mais simbólicas dos padroeiros consistia, precisamente, na escolha do clérigo para a igreja, cujo título dependia do estatuto e dignidade da paróquia. O casamento de D. Guiomar com João Pires da Maia propiciou a alienação de bens, entre os quais, o direito de padroado de Boim, em favor do cenóbio beneditino de Santo Tirso, generosamente dotado, durante a Idade Média, pela sua família patronal, os da Maia.

Em 1542, o Censual da Mitra do Porto já referia a igreja de Boim como anexa de uma vigararia do mosteiro de Santo Tirso. No último quartel do século XVI, a igreja de Boim era filial da capela de Santa Maria Madalena do mosteiro de Santo Tirso, ou seja, da comunidade secular, cujo vigário apresentava o cura de Boim. Por esta época, durante um período de quase 25 anos, o curato anual de Boim foi transformado em vigararia perpétua, situação que provocou um longo litígio. Em 1581, o vigário de Santa Maria Madalena, com a aquiescência do vigário capitular do Porto, alcança a transformação do curato anual de Boim em vigararia perpétua, para a qual, posteriormente, apresentou como pároco o seu tio Gaspar Lourenço. O mosteiro, isto é, a comunidade religiosa, reage e acaba por conseguir repor, parcialmente, a situação anterior, através de uma sentença do provisor da Sé do Porto de 7 de Março de 1606, já após a morte do padre Gaspar Lourenço. Boim voltava a ser um curato, mas agora na dependência da comunidade religiosa do mosteiro de Santo Tirso.

Igreja  de São Vicente de Boim: análise arquitetónica

A igreja paroquial de São Vicente de Boim, tanto pelas suas características formais, como pelo património móvel e retabular que integra, evidencia as alterações de ordem estética e exibe memórias cristalizadas ao longo dos últimos séculos.

A análise exterior deste templo surpreende com um jogo de volumes que cria, no seu todo, um conjunto muito interessante e invulgar. Das formas mais recuadas, que nos remetem para os padrões da arquitetura do século XVI, apenas restam alguns elementos da fachada principal. Os restantes corpos que formam a igreja já nos reportam para a arquitetura dos séculos XVII e XVIII.

Ao longo dos tempos, a igreja de São Vicente de Boim sofreu inúmeras alterações na sua estrutura arquitetónica. Da maior parte dessas sucessivas intervenções sobreviveram alguns registos documentais que, juntamente com a análise arquitetónica e da estrutura das paredes, permite determinar cronologias aproximadas para os diferentes momentos de construção.

A fachada principal conserva o mais percetível vestígio da construção erguida na primeira metade do século XVI, com o seu grande portal de arco redondo, composto por altas e largas aduelas e ombreiras de esquina chanfrada com arranques floridos. A empena, interrompida no vértice superior, mantém o registo onde esteve primitivamente apoiado um pequeno campanário. A fachada não apresentava qualquer vão, conferindo ao conjunto uma perceção de robustez e austeridade muito característica. Contudo, no decorrer dos trabalhos de requalificação detetou-se a existência de uma janela tapada. Foi decidido desobstruir este vão, devolvendo-se à fachada o seu aspeto original.

Ao corpo da nave quinhentista foram acrescentados dois volumes em momentos distintos. O primeiro a ser construído foi o corpo do lado norte, originalmente edificado para albergar uma capela com a invocação do Senhor dos Desamparados, que ficou concluída em 1758. Este acrescento transformou substancialmente a organização volumétrica da igreja e viria a desencadear a construção de um outro volume, do lado oposto, voltado a sul, cujas obras se iniciaram em 1777. Este novo volume foi erguido com o intuito de conferir maior dignidade à capela do Senhor dos Desamparados, entretanto designada capela do Santíssimo, através da definição de uma nave e de uma área mais ampla de assembleia para as missas celebradas no seu altar. Provavelmente em simultâneo foi levantado um campanário, apoiado à parede oeste, composto por duas sineiras, eliminando-se a sineira que existia sobre a empena da fachada.

Também a capela-mor foi alvo de profunda remodelação no século XVIII, denotando tratar-se de uma obra executada de raiz. Na capela-mor destacam-se dois silhares que servem de suporte a duas epígrafes medievais, formalmente enquadráveis entre os finais do século XIII e o início do século XIV. Estes elementos, apesar de separados e, ao que tudo indica, truncados, poderão corresponder a uma inscrição memorativa relacionada com a construção/reconstrução e sagração da igreja medieval que aqui existiu.

No interior, a igreja guarda três magníficos retábulos e estatuária de grande valor artístico.

A capela-mor alberga um retábulo maneirista, tardio e de transição para o barroco. Este retábulo era dividido em três corpos, sendo o primeiro definido por uma mesa de altar, que acompanha a estrutura retabular. A sua decoração é bastante simplificada, sobressaindo um friso ornamentado por motivos vegetalistas e geométricos. O segundo registo do altar é definido ao centro pela figura de São Jorge, sobre um pedestal, e lateralmente por dois painéis pintados sobre madeira, onde estão representados São Bento e Santo Escolástica, afirmando a ligação da igreja com a Ordem de São Bento.

O retábulo do Santíssimo Sacramento é uma obra de talha dourada rocaille, já da segunda metade do século XVIII, encomendado ao entalhador bracarense José Pereira Veloso por contrato celebrado a 27 de Setembro de 1765. No interior da tribuna repousa a imagem de um Cristo Crucificado, o Senhor dos Desamparado.

No espaço da nave, um retábulo colateral de feição maneirista alberga a imagem de São Vicente, que, no âmbito das obras de restauro, viu a sua policromia original restaurada, recuperando a sua beleza escultórica e pictórica original. Uma apreciável imagem de Santo António, datável do século XVII, que permaneceu recolhida na sacristia, merece destaque, pelos traços fisionómicos do santo e pela sua composição formal, com o Menino vestido e sentado sobre o livro.

Sugestões de Leitura:

CARDOSO, C. e SOUSA, L. (2011) – “Dois documentos epigráficos medievais inéditos da igreja de Boim (Lousada). Revista Municipal. N.º 87. Municipal.

SILVA, E. e CARDOSO, C. (2010) – “A igreja de São Vicente de Boim”. Revista Lousada: Câmara Municipal. N.º 79. Lousada: Câmara Municipal.SOUSA, L. e CARDOSO, C. (2015) – “São Vicente de Boim em 1758: memória paroquial, toponímia e património.” Revista Municipal. N.º 135. Lousada: Câmara Municipal.

Por Cristiano Cardoso, técnico da CML

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Portistas comentam eleições no FC do Porto

MAIORIA DEFENDE MUDANÇAS Nem só os partidos políticos estão em campanha eleitoral. Também o...

Bombos femininos crescem em Lousada

AS “BOMBÁSTICAS DE AVELEDA” No final do desfile do Carnaval de Lousada, todas aprumadas na...

“Câmara recusou sistema de rega inovador” (DR)

Ao abrigo do disposto nos artigos 24.º e 25.º da Lei da Imprensa, aprovada pela Lei n.º 2/99, de...

70.º aniversário do nascimento de um Grande Louzadense

MÁRIO FERNANDO RIBEIRO PACHECO FONSECA (1954-2012) «Gosto tanto de Lousada, que nela gosto de tudo...

Skaters queixam-se de perseguição da polícia Municipal para deixarem a “mítica” Praça do Bispo

FAMA DO LOCAL ONDE NASCEU O SKATE LOUSADENSE JÁ CHEGOU AO ESTRANGEIRO O fenómeno do skate...

Já começaram as movimentações para formar a Comissão de Festas

Romaria da Senhora Aparecida O artigo da anterior edição do nosso jornal, sobre a ausência de...

Editorial 115 | Silêncio

A 26 de fevereiro de 1954 nascia Mário Fernando Ribeiro Pacheco Fonseca, figura incontornável da...

Direção ameaça entregar chaves do clube se não houver acordo com autarquia

ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA DE LOUSADA A ADL está em modo de «gestão a prazo», pois a atual Direção já...

Lousada recebeu entrega de prémios da AT Porto

Retomou-se, no passado dia 3 de Fevereiro, a habitual cerimónia de entrega de prémios da...

Peça de teatro promove a sensibilização e prevenção rodoviária nos mais novos

A nova edição da campanha de sensibilização, que transforma as crianças em agentes de segurança e...

Siga-nos nas redes sociais