por | 25 Mai, 2022 | + Literacia, Educação

+ literacia: Bruno Machado apresenta uma sugestão de uma obra e a visualização da representação teatral da mesma

No dia vinte e cinco de janeiro, pelas dez e meia, realizou-se mais uma representação da obra “Frei Luís de Sousa”, de Almeida Garrett (a qual fora representada pela primeira vez em 1843), desta vez no auditório Vita, em Braga, pela companhia de teatro Instantes d’Aplausos.  

Esta peça conta-nos a história de D. Madalena (Rafaela Velez), que tinha sido casada com D. João de Portugal (André Vacas), o qual tinha desaparecido na batalha de Alcácer-Quibir, em quatro de agosto de 1578, juntamente com D. Sebastião, rei de Portugal. Madalena, após sete anos de procura pelo marido, volta a casar, agora com D. Manuel de Sousa Coutinho (Eduardo Ribeiro), irmão de Frei Jorge Coutinho (André Barroca). Ambos têm uma filha, chamada Maria, de treze anos, a qual sofria de tuberculose, estando esta ao cuidado de seu velho aio, Telmo Pais (André Vazão), o qual também o fora de D. João. Com o regresso de D. João de Portugal, disfarçado de Romeiro (André Vacas), cai também um grande terror sobre Madalena, uma vez que o retorno deste traz tanto instabilidade ao casamento dos pais de Maria, como também a ilegitimidade a esta.

No que toca à opinião crítica desta peça, gostei imenso da representação de cada um dos atores presentes, uma vez que conseguiram representar, de forma bastante assertiva e convincente, as personagens de “Frei Luís de Sousa”. Relativamente ao cenário, este coincidiu com o que foi lido no livro, trazendo uma maior vivacidade a esta peça. Além destes pontos, gostei também do facto de haver um locutor (voz-off), a fazer uma contextualização da obra, trazendo, assim, uma melhor compreensão a um público desconhecedor do texto de Garrett. 

Em suma, recomendo tanto a leitura da obra, como a visualização da sua representação teatral, uma vez que é bastante interessante e reveladora, cruzando ficção com alguns factos históricos.

Bruno Machado, 11.º A – EBS Lousada Norte, Lustosa
AE Dr. Mário Fonseca, Lousada

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Já começaram as movimentações para formar a Comissão de Festas

Romaria da Senhora Aparecida O artigo da anterior edição do nosso jornal, sobre a ausência de...

Editorial 115 | Silêncio

A 26 de fevereiro de 1954 nascia Mário Fernando Ribeiro Pacheco Fonseca, figura incontornável da...

Direção ameaça entregar chaves do clube se não houver acordo com autarquia

ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA DE LOUSADA A ADL está em modo de «gestão a prazo», pois a atual Direção já...

Lousada recebeu entrega de prémios da AT Porto

Retomou-se, no passado dia 3 de Fevereiro, a habitual cerimónia de entrega de prémios da...

Peça de teatro promove a sensibilização e prevenção rodoviária nos mais novos

A nova edição da campanha de sensibilização, que transforma as crianças em agentes de segurança e...

Jantar-Comício do Partido CHEGA traz André Ventura a Lousada

O Presidente do Partido CHEGA, André Ventura, marcará presença no jantar oficial de campanha do...

Santuário de São Gonçalo de Lustosa

Lustosa é uma parcela do concelho de Louzada que gosto de percorrer e apreciar, mormente a...

Professor de artes é “artista de horas livres”

Joaquim Alexandre Ribeiro: A moldar lousadenses pela arte O professor Joaquim Alexandre Nunes...

Amanhã virás Sol, amanhã virás

ABRIL LOUZADENSE (IX) Um dos maiores vultos portugueses da luta contra a ditadura foi o...

O verdadeiro voto útil e a matemática do “Chega” para lá

Dúvidas ainda houvesse sobre a importância do projecto da Aliança Democrática (AD) e da...

Siga-nos nas redes sociais