por | 3 Set, 2022 | Opinião, Pedro Amaral

“O Levantar da festa é sempre o mais penoso.” in Equador de Miguel Sousa Tavares

Por estes dias Lousada retoma, preguiçosamente, a normalidade do seu Verão quente e pachorrento depois de cinco dias de uma Festa que todos os dias desafiou os raios da alvorada.

A pandemia do COVID-19, que nos dois últimos anos fez com que os Lousadenses e o resto do mundo abdicassem da normalidade que davam por adquirida, continua, mais de dois anos depois, a dar-nos importantes lições.

Ao longo desse período de anormalidade, reaprendemos a importância da liberdade, do contacto com o outro e da solidariedade… Este ano acabamos por compreender também a falta que nos fazia a vivência comunitária e a experiência social espelhada na relevância de uma sociedade civil vibrante, sobretudo, no que a nós diz respeito, na nossa comunidade Lousadense.

2022 ficará, por isso, marcado para sempre nas nossas memórias. Não apenas como um Verão quente (politiquices à parte) mas, em especial, como o ano que marcou o regresso de uma das experiências sociais mais marcantes do Concelho de Lousada, as Festas Grandes em honra do Sr. dos Aflitos.

E se o calor e a ânsia de Festa anunciavam um evento concorrido, certo é, também, que a organização lógica e execução rigorosa da Festa pela sua Comissão acrescentou ao sucesso e à verdadeira enchente que se fez sentir na Vila ao longo de 5 dias e 5 noites.

Sei que seguramente nem todos terão a mesma opinião, afinal, Cristo que foi Cristo não agradou a todos, mas por isso mesmo Camões escreveu: “Continuamente vemos novidades, Diferentes em tudo da esperança: Do mal ficam as mágoas na lembrança, E do bem (se algum houve) as saudades.”

Como tive oportunidade de referir a um amigo que visitou Lousada por esses dias “Uma coisa é o poder ou uma instituição pública conseguir mobilizar multidões, outra é a sociedade civil dar de si e conseguir um evento desta magnitude e este mar de gente”.

Lousada é um Concelho complexo, dinâmico e ecléctico, terra de gente orgulhosa do seu gentílico, das suas tradições e da sua história. Lousada está longe de se caracterizar apenas pelas suas Festas, mas estas são a manifestação pública mais pura do seu bairrismo e espelho de um sentimento de pertença pela terra que nenhum de nós consegue explicar por meras palavras.

Por agora, Lousada recupera lentamente do estado de Festa a que se entregou, resta-nos esperar com saudade as próximas Festas de 2023. Como costuma dizer quem vive cada Festa como a melhor: “Das que ainda não passaram serão seguramente as melhores”

1 Comment

  1. Manuela videira

    Sim sem dúvida as melhores desde sempre.Parabens

    Reply

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Andreia Moreira

Clima e Saúde Mental: Um mundo doente

O clima está a sofrer as chamadas alterações climáticas sendo frequente a existência de fenómenos...

Os pais tiveram receio da sua escolha mas deram todo o apoio

LUÍS MELO, ARTISTA PLÁSTICO E PROFESSOR DE ARTES O curso de Artes da Escola Secundária de Lousada...

Não se tratou apenas de guerra – a nostalgia dos combatentes em África

LOUSADENSES NO ULTRAMAR (PARTE 2) Nem tudo foi mau, dizem os que tentam perspetivar algo de...

Resistência e Liberdade» obteve 3.º Prémio no Concurso «25 de Abril, um projeto de Liberdade»

Alunos e professores do AE Dr. Mário Fonseca, envolvidos no Projeto «Resistência e Liberdade»,...

Mostra coletiva de artistas revela vitalidade da arte lousadense

NA BIBLIOTECA MUNICIPAL E CAIS CULTURAL DE CAÍDE DE REI A diversidade de estilos e técnicas são...

Uma centena de jovens na Final Regional do Xadrez Escolar do Norte na Escola Secundária de Lousada

A Escola Secundária de Lousada acolheu, no dia 10 de maio, a final da modalidade de xadrez da...

Sacrifício, Liberdade e Memória da Revolução dos Cravos

No ano em que se comemora os cinquenta anos da Revolução dos Cravos importa mergulhar no passado...

Iluminar Lousada – Uma Luz Solidária para a Cooperativa Lousavidas

O Iluminar Lousada vai realizar-se no dia 18 de maio, e as velas solidárias estão já estão à...

Pimenta na censura dos outros, na minha liberdade é refresco

No passado dia 25 de Abril celebraram-se os 50 anos sobre a revolução que derrubou o regime...

Vinhos das Caves do Monte projetam Lousada no mundo

Freitas de Balteiro: O embrião de uma tradição Em 1947, nas terras férteis da freguesia de...

Siga-nos nas redes sociais