por | 16 Jun, 2023 | Canto do saber, Opinião

A riqueza da linguagem dos nossos avós 

Há uma notícia que continua a reverberar por todos os meios de comunicação social: a de que pela primeira vez o QI médio do ser humano regrediu. Aponta-se que isso se deve a uma diminuição de vocabulário nos processos de linguagem contemporâneos. Paradoxalmente, temos a maior taxa de instrução de sempre. Esta literacia, orientada à garantia de emprego, é uma resposta a uma demanda de mercado, que depende de conhecimento limitado: muitos diplomados, que ostentam orgulhosos, para gáudio dos familiares, o título, facilmente reconhecem nunca ter lido um livro completo, quando muito, um manual de receitas facilitador da resposta que permite o resultado desejado. A digitalização da mensagem, que se torna in-formação, do tipo descartável, sustenta-se num número reduzido de palavras – se for mais ninguém lê: parece comprovada a ideia da diminuição do QI.

O uso do digital até a exaustão, que não oferece resistência ao tato, não traz nenhuma diferença sensorial. Além disso, a falta de vocabulário e estrangeirismos, é responsável por uma diminuição da dimensão humanística que deve prevalecer em cada um para uma sociedade mais equilibrada. A “youtubetização” da linguagem ganha proporções que roçam a imbecilidade. Da “caretice” que se anuncia hoje, uma espécie de evolução da zombaria que a minha geração dotava à linguagem dos nossos avós, à completa eliminação da memória fundamental para a construção da nossa identidade como nação, tudo parece dissolver-se numa massa disforme condenada ao embrutecimento e à dominação. 

O trabalho manual, ligado à natureza – por não ser digno (!!!) –  é entregue a quem vem de fora, ao servo que só se torna visível na catástrofe. Outrora gerou a língua dos nossos avós. Aquela – que muitos de nós, em tom condescende ou de simples gozo, gostamos de corrigir – é de uma riqueza imensa. Traduz toda uma experiência tornada oral, dando sentido à linguagem, que é tão singularmente humana. Há nela uma subtileza própria do indivíduo, que não se encontra, quando se faz a reprodução escrita: já Platão se zangava com a possibilidade de passar a escrito a mensagem oral, já que sai do controlo do autor. Aquilino Ribeiro é um dos autores, que, com habilidade, apresenta brilhantemente toda a riqueza que desperta a imaginação, numa luz que ilumina até o mais profundo canto da alma. Preciso usar um glossário, que não seria tão útil a qualquer um desses depositários da memória frequentemente rotulados de analfabetos. É uma memória tão antiga quanto aquela que se conserva nos topónimos, que estão em extinção devido à necessidade dos números de polícia e ao pretenso agradecimento a um qualquer personagem mais ou menos conhecido. Tudo isto é património, cimento de agregação de um povo, de constituição de uma sociedade, portanto de uma nação, a nossa, a qual urge preservar.      

Eduardo Moreira da Silva – Engenheiro Civil

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Editorial 125 | O Gestor de Redes Sociais

Numa terra longínqua onde os emojis governam e os likes são moedas de troca, vive o temido Gestor...

LOUSADA RECEBE MAIOR FESTIVAL DE DRIFT DO PAÍS

O Eurocircuito da Costilha em Lousada será palco no final do mês da 11ª edição do Encontro...

Xadrez do Lousada Voleibol Clube com excelentes resultados no fim de semana

Esteban Dario Caro, xadrezista da secção de xadrez do Lousada Voleibol Clube venceu o VII Torneio...

Oficinoscópio assinala 10 anos de cinema de animação

No dia 10 de julho foi apresentado o livro Oficinoscópio, relativo aos 10 anos de Oficinas de...

AUTOR VISITA ALDAF E PROMOVE MOMENTO DE CULTURA PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA EM LOUSADA

No passado dia 13 de junho a Associação Lousadense dos Deficientes, dos seus Amigos e Familiares...

Desvendando os Traços Antissociais

Os traços antissociais são confundidos por vários sintomas na linguagem coloquial, assim irei...

”Faz falta uma feira do livro”

GONÇALO SANTOS, ESCRITOR Chama-se Gonçalo Teles dos Santos, tem 44 anos, é natural de Sousela e...

A Casa Nobre No Concelho de Lousada

Tipologias - XVI | Elementos Decorativos II Os elementos decorativos, concebidos quase sempre em...

O discreto gigante da democracia lousadense

E DEPOIS D'ABRIL? [3] Lousada teve muitas pessoas de proa que embora sendo contra o regime...

Fim de Semana Cultural “Alma Magnetense” está de regresso

A Junta de Freguesia de Meinedo anuncia o regresso do Fim de Semana Cultural "Alma Magnetense",...

Siga-nos nas redes sociais