por | 14 Nov, 2023 | Associativismo, Sociedade

Quarenta e cinco anos de história associativa

UNIÃO CULTURAL E RECREATIVA DE BOIM

A União Cultural e Recreativa de Boim (URCB) é uma importante coletividade do concelho de Lousada. Isso não se deve apenas à sua longevidade, mas também ao riquíssimo património histórico. O regresso da Fanfarra e o nascimento de um campo sintético são dois sonhos “difíceis, mas não impossíveis”, do presidente Paulo Vieira e da sua direção.

“Já tivemos valências como fanfarra, cicloturismo, rancho folclórico e futebol”, lembra Paula Ferreira, uma das dirigentes da coletividade de Boim, e recorda ainda que viram “nascer uma banda de rock nas nossas instalações”.

Quanto à fanfarra, “queremos muito reativar essa valência que tanto prestígio deu à coletividade, à freguesia de Boim e a Lousada”, afirma o presidente. “Há pessoas que demonstraram vontade de ajudar a fazer ressurgir a fanfarra e estabelecemos contactos para ver se esse ressurgimento pode ou não acontecer num futuro próximo, mas não será fácil”, adiantou Paulo Vieira.

Fanfarra da UCR Boim

Este dirigente refere com orgulho e nostalgia “aquela imagem imponente da entrada da fanfarra na pista da Costilha no campeonato da Europa de Rallicross” e outros eventos onde este agrupamento granjeou prestígio e renome.

Quanto ao futebol, foi sempre um desporto muito forte da U.C.R. de Boim, mas atualmente a coletividade tem apenas uma equipa sénior. Na maior parte das vezes os treinos são no pelado, que no tempo chuvoso fica muito difícil ou até impossível para a prática de futebol. “Quando é possível vamos treinar num sintético da região, como Romariz, por exemplo”, diz Paulo Vieira, que lamenta a realidade de condições em relação a muitos adversários.

O dirigente chama a atenção para o facto de “nas quatro séries da Primeira Divisão da AFP onde participa a UCRB, competem um total de 40 equipas. Neste universo de 40 formações, apenas quatro não jogam em sintético. Uma formação de Penafiel e três coletividades de Lousada onde estamos inseridos”

Paulo Vieira revela uma dificuldade que a falta deste piso implica “quisemos contratar jogadores que não vieram porque não queriam treinar num campo pelado e não pensamos em ter equipas de formação porque não temos campo sintético”. Salienta que “hoje em dia não faz sentido sujeitar crianças e jovens ao sacrifício de pelados, quando se pode ter melhores condições”. Por isso mesmo, o antigo jogador e atual dirigente vai contra o argumento de que quem tem equipas de formação tem prioridade na obtenção de campo sintético.

Paulo Vieira

Tal como outros clubes do concelho, também o Boim está em conversas com o Município sobre essa infraestrutura tão desejada. “Certamente poderá não ser possível para todos os clubes, pois, cada campo implica um investimento superior a 200 mil euros, mas nós temos os nossos argumentos”. Justifica que “a UCRB tem um prestígio histórico que não pode ser esquecido, tem terreno próprio, é um clube que esteve sempre em atividade e por tudo isso estamos convencidos de que é merecedor de um investimento por parte do Município num campo sintético”. O dirigente remata que “O Dr Pedro Machado conhece todas as nossas preocupações e demonstra ter um critério cauteloso no uso de fundos públicos. Teremos de aguardar um pouco mais, mas certamente num futuro muito próximo, poderemos agradecer o investimento e celebrar um futuro diferente para a UCRB”.

“União de Freguesias podia ajudar mais”

As obras de manutenção no edifício-sede e propriedades em volta, são um dos encargos principais da associação, mas a maior fatia vai para a equipa de futebol. “É caro manter uma equipa amadora, que custa cerca de 25 mil euros por ano”, diz Paulo Vieira, que lembrou também para o investimento em obras de ampliação de um dos balneários, cobertura da bancada, a pintura das instalações e a instalação de um pequeno ginásio.

A Câmara Municipal subsidiou a pintura das instalações e também materiais. Além dos patrocínios, temos outros apoios de sócios e amigos do URCB, a receita do bar e outras receitas ocasionais.

Quanto à União de Freguesias ”também contribui com algo, mas sinceramente podia ajudar mais, pois somos a única equipa em competição das três freguesias”, lamenta o presidente.

Também em relação ao subsídio anual da Câmara “é pena que não seja superior, tanto como recebem as equipas de Felgueiras, por exemplo, mas se não nos dão mais é porque não é possível”, acrescenta Paulo Vieira.

De um modo geral é esta a realidade e expectativa do URCB, que é gerido “com o intuito de entregarmos as futuras direções uma associação melhor, sem dívidas e mais preparada” conclui Paulo Vieira, que aproveita esta reportagem para agradecer publicamente aos membros da sua direção pela dedicação incansável.

Equipa de Futebol da UCR Boim

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

A  memória e a literatura

Há uns tempos e a propósito de um Colóquio Internacional em que participei na Sorbonne, em Paris,...

“Fecharam-nos muitas portas, mas temos tudo controlado”

COMISSÃO DE FESTAS DO SENHOR DOS AFLITOS 2024 Em janeiro deste ano, Paulo Magalhães, Daniel Pires...

Cartaz de arromba nas festas de Lustosa

SÃO TIAGO É COMEMORADO DE 25 A 28 DESTE MÊS A comissão de festas de Lustosa é formada por mais de...

Festas Grandes em honra do Senhor dos Aflitos

A Vila já está iluminada lembrando as Festas Grandes, que têm um dos grandes momentos na...

Lousada no pódio europeu de árvores plantadas em Portugal

O Município de Lousada ocupa o primeiro lugar nacional, ao abrigo da iniciativa europeia da...

Votações para o OPJ até dia 8 de agosto

Até dia 8 de agosto estão em votação as 12 propostas apresentadas no âmbito do Orçamento...

Ações de sensibilização com a Liga Portuguesa Contra o Cancro

O Município de Lousada associou-se à Liga Portuguesa Contra o Cancro – Núcleo Regional do Norte,...

NÍVEL ELEVADO NO SUPERCROSS EM LUSTOSA

As grandes emoções do Supercross estiveram em Lustosa (Lousada), numa noite memorável. A pista do...

Quarteto Metralha animam festas e romarias

LOUSADA TEM CADA VEZ MAIS GRUPOS DE BOMBOS Os bombos são uma tradição bem portuguesa e em Lousada...

Verónica Parente apresenta a exposição “Horizontes de Cores” no Cais Cultural de Caíde de Rei

O Cais Cultural de Caíde de Rei acolherá a exposição "Horizontes de Cores", da artista Verónica...

Siga-nos nas redes sociais