por | 7 Dez, 2023 | Editorial, Editorial

Editorial 110 | A velhice [não] é um posto!

O aumento da esperança de vida representa uma conquista notável da sociedade moderna, indicando progressos nas áreas da medicina, nutrição e de condições de vida.

São cada vez mais, felizmente, os casos de longevidade na nossa comunidade. Há tempos noticiamos o 100.º aniversário da D. Maria José Ferreira Carvalho (”Miquinhas do Armador”). Sabemos que, no próximo dia 15, a D. Laura Andrade Ribeiro da Silva completará 104 anos de vida. E mais casos existem no nosso concelho, no país e no mundo.

O crescente número de casos de longevidade é uma ótima notícia! No entanto, esse avanço acarreta desafios sociais, especialmente no que diz respeito às relações intergeracionais e à prestação social e familiar de cuidados aos idosos.

Nesta edição, trazemos-lhe o tema destaque sobre os problemas e as virtudes da longevidade, assim como um relato sobre o trabalho promovido pelo Centro Social e Paroquial de Lustosa. Dois artigos que se complementam, e que gostaríamos de o/a convidar a ler e a refletir sobre os mesmos.

À medida que a expectativa de vida cresce, observa-se um crescente desinteresse por parte dos filhos em relação às necessidades dos pais idosos. Esse distanciamento é, muitas vezes, atribuído à acelerada dinâmica de vida e às pressões profissionais, conjugado com um certo egoísmo por tempo livre e independente. Assim é em alguns casos, admitimos. A sociedade contemporânea, que valoriza a autonomia e a realização pessoal, corre o risco de criar uma desconexão emocional com as gerações mais antigas, àquelas a quem tudo devemos.

A falta de intervenção eficaz do Estado nas suas obrigações de solidariedade agrava essa situação. O Estado desempenha um papel crucial na implementação de políticas públicas que visem promover o bem-estar social e a coesão entre gerações. Contudo, as estruturas de solidariedade social, designadamente as IPSS’s, frequentemente estão sobrecarregadas e existem em número insuficiente para as necessidades (crescentes) da população idosa. 

O Estado vê-se muitas vezes substituído pelas estruturas sociais, quando na verdade o Estado é o responsável pela solidariedade social, financiada pelos impostos de todos nós, cabendo à sociedade a caridade. E o que temos? O Estado demite-se. A sociedade que faça. Em resultado, o cidadão caridoso dá a dobrar: paga impostos para a solidariedade social e dá para a caridade.

Urge, pois, estabelecer um (novo) contrato social entre governo e cidadãos, reconhecendo a interdependência necessária entre ambos para garantir o suporte adequado aos idosos e grupos de maior vulnerabilidade. Só através de uma colaboração efetiva entre o Estado e a sociedade se torna possível a construção partilhada de uma sociedade solidária e inclusiva, que valorize e cuide de todas as suas partes, assegurando que o aumento da esperança de vida seja acompanhado por uma qualidade de vida digna para todos, independentemente da idade.

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

A  memória e a literatura

Há uns tempos e a propósito de um Colóquio Internacional em que participei na Sorbonne, em Paris,...

“Fecharam-nos muitas portas, mas temos tudo controlado”

COMISSÃO DE FESTAS DO SENHOR DOS AFLITOS 2024 Em janeiro deste ano, Paulo Magalhães, Daniel Pires...

Cartaz de arromba nas festas de Lustosa

SÃO TIAGO É COMEMORADO DE 25 A 28 DESTE MÊS A comissão de festas de Lustosa é formada por mais de...

Festas Grandes em honra do Senhor dos Aflitos

A Vila já está iluminada lembrando as Festas Grandes, que têm um dos grandes momentos na...

Lousada no pódio europeu de árvores plantadas em Portugal

O Município de Lousada ocupa o primeiro lugar nacional, ao abrigo da iniciativa europeia da...

Votações para o OPJ até dia 8 de agosto

Até dia 8 de agosto estão em votação as 12 propostas apresentadas no âmbito do Orçamento...

Ações de sensibilização com a Liga Portuguesa Contra o Cancro

O Município de Lousada associou-se à Liga Portuguesa Contra o Cancro – Núcleo Regional do Norte,...

NÍVEL ELEVADO NO SUPERCROSS EM LUSTOSA

As grandes emoções do Supercross estiveram em Lustosa (Lousada), numa noite memorável. A pista do...

Quarteto Metralha animam festas e romarias

LOUSADA TEM CADA VEZ MAIS GRUPOS DE BOMBOS Os bombos são uma tradição bem portuguesa e em Lousada...

Verónica Parente apresenta a exposição “Horizontes de Cores” no Cais Cultural de Caíde de Rei

O Cais Cultural de Caíde de Rei acolherá a exposição "Horizontes de Cores", da artista Verónica...

Siga-nos nas redes sociais