Lousada já tem um espaço para a Musicoterapia

Salomé Ferreira e Gustavo Gattino, de 31 e 34 anos, respetivamente, são musicoterapeutas. No passado sábado, dia 1 de junho, iniciaram um novo projeto cá em Lousada. O Heart Beat, localizado no Edifício Edinor, é um espaço destinado à musicoterapia, que passa pela prática clínica e pela formação na área.

Conte-nos a história da Heart Beat musicoterapia.

O Heart Beat musicoterapia surgiu a partir de uma necessidade de ter uma visibilidade para a musicoterapia em Portugal, unindo a prática clínica, a realização de workshops, bem como formações nesta área na modalidade presencial e online. Essa visibilidade é necessária tendo em vista que pouca gente conhece a musicoterapia no país e, por esta razão, as nossas iniciativas são feitas presencial e virtualmente. A partir da abertura do espaço Heart Beat em Lousada, também pretendemos colocar-nos como uma referência para atendimento e formação continuada na área de musicoterapia no Norte de Portugal.

O que é a musicoterapia?

A musicoterapia é uma disciplina científica que consiste no uso sistemático da música para finalidades terapêuticas realizadas por um musicoterapeuta qualificado que tenha realizado uma formação em nível superior. A musicoterapia utiliza como base o uso de música improvisada, o canto, o acompanhamento instrumental, a criação de canções, a composição instrumental e a escuta musical como principais formas de intervenção com a pessoa atendida. A musicoterapia ocorre a partir de um processo terapêutico, onde primeiramente se observa os comportamentos do paciente a partir da sua interação inicial com a música, em seguida são estabelecidos objetivos terapêuticos e, posteriormente, é realizado o tratamento, onde as formas de intervenção (canto, improvisação, etc.) são utilizadas para atingir os objetivos terapêuticos propostos. A musicoterapia pode ser utilizada nos níveis de prevenção (com a finalidade de promover a saúde através da música), tratamento (para tratar alguma condição específica) ou no nível da reabilitação (para reestabelecer funções que foram perdidas por alguma razão no indivíduo).

Em que casos a musicoterapia pode ser utilizada?

A musicoterapia possui um amplo espectro de populações onde é aplicada e pode ocorrer tanto em grupo como no formato individual. Ela pode ser utilizada em contextos educacionais (para alunos com dificuldades de aprendizagem, problemas de comportamento, necessidades educativas especiais e para a redução do stress nos professores) e, no contexto da saúde, de uma forma geral (uso da música para a diminuição da dor, redução do stress e ansiedade no contexto da prevenção, melhora da autoestima dos utentes, aplicada aos cuidados paliativos, reabilitação motora, uso da música para gestantes, e utilização no contexto da saúde mental). Já no âmbito organizacional, poder ser usada no trabalho com colaboradores de empresas, para melhorar a interação e comunicação através da música, e no contexto sociocomunitário, como uma forma para lidar com a vulnerabilidade social e situações de risco socioeconómico. A musicoterapia tem ainda um trabalho específico muito importante no trabalho com idosos (para auxiliar em funções motoras, atenção e memória, por exemplo). Por fim, e uma área que trabalhamos há muitos anos, na qual já participamos em pesquisas, o atendimento de pessoas com perturbação do espectro do autismo (onde a musicoterapia ajuda na comunicação, interação social, diminuição de comportamentos restritos e repetitivos, entre outros).

E quais são os seus benefícios?

Antes de descrever os benefícios, cabe dizer que o que será relatado tem a fundamentação por diversas pesquisas publicadas em revistas científicas renomadas de áreas como medicina, educação e psicologia. Dentre os principais benefícios, a música permite a abertura de canais de comunicação para que diferentes situações ou problemas possam ser trabalhados de uma forma onde a pessoa atua a partir de uma atividade prazerosa. Em outras palavras, se a pessoa sente prazer através da música, isso irá criar uma pré-disposição neurologicamente para que a pessoa responda a diferentes tarefas e formas de interação. Além disso, a música é uma das poucas formas de interação que ativa todas as áreas do cérebro. Da mesma forma, realizar uma atividade musical também ativa o sistema imunológico através da ativação de hormonas que irão ativar as nossas células de defesa e hormonas responsáveis pela manutenção da nossa saúde. Nesse sentido, se os médicos recomendam uma alimentação adequada para uma vida saudável. É possível dizer que as pessoas devem procurar a musicoterapia para que através da música seja possível manter um estilo de vida saudável.

É preciso saber tocar algum instrumento para fazer a terapia?

O participante não precisa saber tocar algum instrumento para a sessão de musicoterapia. O importante é que a pessoa esteja disponível para explorar os instrumentos e para escutar música junto ao trabalho do musicoterapeuta. O mais importante é usar os instrumentos como forma de comunicação e interação, visto que na musicoterapia a música é o meio para atingir objetivos terapêuticos. Assim, a musicoterapia é diferente de uma aula de música, visto que o participante não irá aprender a tocar um instrumento, mas irá usá-lo dentro das suas necessidades terapêuticas.
Quais foram as razões de terem escolhido o concelho Lousada?
O município de Lousada apoia os nossos eventos e, em 2013, sediou o I Congresso Ibero-Americano de Investigação em Musicoterapia. Em 2018, realizamos ação de consciencialização do autismo, workshops de musicoterapia e desde então verificamos que existe um interesse das pessoas nesta área. Além disso, Lousada está situada num local estratégico entre diferentes cidades, o que facilita a procura para a realização de sessões de musicoterapia, bem como workshops e formações. Por ser uma Lousadense, pretendo que as pessoas daqui tenham acesso às terapias e não precisem se deslocar até outros locais e, acima de tudo, tenho muito orgulho de depois de alguns anos fora, poder voltar para a “minha vila” e poder trabalhar aqui.

Quais são os serviços que a Heart Beat Musicoterapia vai disponibilizar para os seus clientes?

Temos sessões de musicoterapia no nosso espaço, mas também ao domicílio. As sessões são individuais ou grupais, dependendo da necessidade. Estamos a iniciar as turmas de música na gravidez, para trabalhar o vínculo dos pais com o bebé, turmas de estimulação precoce (dos 6 meses aos 3 anos), musicalização infantil e música em família, para que toda a família tenha um momento prazeroso através de jogos musicais, onde o tempo em família será produtivo. Também organizamos workshops para pais e profissionais sobre o que é a musicoterapia, sobre o uso da música para crianças com autismo ou música para o envelhecimento saudável. Temos também aulas de guitarra e teoria musical e alguns eventos esporádicos, como oficinas de construção de instrumentos para crianças, rodas de percussão, danças circulares, entre outros. Trabalhamos online com cursos para musicoterapeutas e estudantes de musicoterapia através da nossa página.

Como tem sido a reação das pessoas em relação ao vosso trabalho?

Até ao momento, temos muito trabalho externo. Sessões de musicoterapia ao domicílio nas mais diversas cidades vizinhas, como Paredes, Paços de Ferreira, Amarante, Felgueiras, Penafiel, Matosinhos e Lousada. A musicoterapia ainda não está bem reconhecida entre a população, mas, quando temos uma rotina de terapia, começamos a observar algumas diferenças e as reações são muito positivas. Temos casos de pessoas que iniciam apenas para “ver como é” ou então para ter sessão quando der e passado um tempo, conseguem um horário para a musicoterapia por observarem os benefícios.
De que forma sentiu a abertura do vosso espaço no passado sábado?
A abertura no dia 1 foi muito importante para nós. Cogitamos bastante a abertura de um espaço devido à falta de conhecimento ainda por parte das pessoas, o que é natural. Mesmo assim, com o apoio de amigos e familiares, decidimos abrir. Precisamos mostrar que existimos e não temos apenas um carro musical de um lado para o outro, mas que também temos um espaço que podemos aproveitar para as mais variadas funções. Ficamos muito felizes com as mensagens de carinho e força que nos chegaram de colegas de profissão dos mais diversos países, dos nossos amigos, familiares e famílias que atendemos. Todos sabem da nossa trajetória e o quanto falamos da nossa profissão com tanto orgulho!

Deixe uma mensagem final.

O Heart Beat Musicoterapia é um espaço aberto para o receber. Queremos que tenham um espaço onde possam criar, sentir, conhecerem-se melhor e, acima de tudo, colocar a música a olhar pela sua saúde. Pretendemos que Lousada seja o município que sabe que musicoterapia não é colocar música relaxante, mas sim um trabalho com base científica. Lousada merece que os seus jovens voltem “à casa” com novos conhecimentos e possam partilhar com os demais. Heart Beat tem a sua sede em Lousada, mas está pelo mundo com estudos, parcerias e palestras.


Os vereadores António Augusto e Cristina Moreira estiveram na inauguração do espaço e consideraram a área da musicoterapia muito interessante e promissora. A vereadora salientou mesmo que a colaboração da equipa de musicoterapia trabalha com a autarquia já alguns anos. Por isso, crê que nesta área possa surgir um curso superior com raízes no concelho: “Acredito que Lousada é o território deste país que melhor está preparado para lançar este curso superior.” “Estamos a falar de fazer terapia para crianças com deficiência, para idosos e para pessoas que estão nos cuidados continuados e nos serviços cuidados paliativos”, referiu.


Heart Beat musicoterapia

Rua Bombeiros Voluntários Centro Comercial Edinor, Loja 32, 3º
Lousada
Contactos: 914 671 684 | info@heart-beat.pt

www.heart-beat.pt

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Fontanários de Lousada: Obra do fontanário das Quintãs, em Lodares, por terminar

O fontanário das Quintãs, em Lodares, sofreu recentemente algumas obras de requalificação. No...

Ansiedade ou sonho

O aumento galopante dos nossos gastos, fruto sobretudo da inflação, a guerra, o choque energético...

Uma mulher que não esquecemos…

Lúcia Lousada (minha mãe) foi uma grande mulher e já morreu há 19 anos. É claro que a recordo em...

Joaquim Nunes Teixeira: O cidadão humilde

Joaquim Nunes Teixeira, de 89 anos, é natural e ainda residente da freguesia de Cristelos, porém,...

Furto de comida aumenta nos «HIPERS» e Vasco Bessa (AMI) alerta: Há muita pobreza envergonhada

Um agente de segurança de um hipermercado de Lousada revelou a O Louzadense que o número de furtos...

Associação Juventude Mariana Vicentina: Grupo de São Miguel

Cátia Pinheiro, de 28 anos, concedeu uma entrevista enquanto Presidente do Grupo de São Miguel (de...

Ser Mulher

Os talentos e as competências das mulheres têm o mesmo reconhecimento fora de Portugal? Flávia...

Podar árvores de fruto e de jardim: porquê, quando e como?

A poda é uma prática agrícola de extrema importância com o objetivo da eliminação dos...

O lousadense, Diogo Magalhães conquistou a medalha de excelência no 45.º Campeonato Nacional das Profissões

O jovem Diogo Magalhães, de Lousada, formando do Núcleo do CENFIM de Amarante, alcançou uma...

Casa de Juste

Situa-se num alto, sobranceira à estrada nacional que liga Caíde - Felgueiras, e acede-se por um...

Siga-nos nas redes sociais