por | 26 Jun, 2019 | Saber(or) Saudável

A DOCE tentação na alimentação

A tentação por doces está presente e evidente no nosso dia-a-dia, seja, no local de trabalho, a passear na rua, em que nos deparamos com vitrines que nos incentivam e apelam ao consumo de doces, bem como, nos supermercados que estrategicamente colocam os alimentos processados ricos em açúcar a um acesso fácil e visível.

A alimentação é por vezes um refúgio para aliviar o stress ou lidar com sentimentos desagradáveis, como a solidão, a tristeza ou/e a ansiedade, normalmente, é saciada através da ingestão de alimentos calóricos, ricos em açúcar e/ou gordura. A sensação de prazer e bem-estar precedida do consumo destes advém das reações que ocorrem no organismo influenciadas pelos alimentos ingeridos que estimulam a produção de neurotransmissores (como por exemplo a serotonina).

O desejo incontrolável por doces resulta do efeito viciante do açúcar, pois este cria a sensação de prazer, consequentemente o desejar mais. Estudos realizados demonstram que, o açúcar não contribui apenas para o aumento de peso, mas também, devasta o fígado, desregula o metabolismo, prejudica o cérebro e deixa-nos suscetíveis a doenças cardíacas, diabetes e cancro.
O controlo da ingestão de doces é uma dura batalha, onde a nossa apetência para o doce e o marketing do setor alimentar tendem a vencer este braço de ferro. Reverter este processo e controlar a vontade de ingerir doces não é fácil, mas é possível, sendo um caminho pelo qual nos devemos debruçar.

Num mundo e num mercado saturado de alimentos que incluem açúcar nas suas variadas formas, não é fácil travar uma luta justa contra o efeito viciante do açúcar. No entanto, para travar esta apetência por doces e prevenir danos a longo prazo, devemos contornar e controlar o consumo destes, através da ingestão de água, de mais proteína, de planear as refeições, de evitar ficar com fome, de não ir ao supermercado com fome, de ocupar-se a fazer alguma atividade, de evitar estados de stress e de descansar o suficiente. Sendo que, esta bordagem é para a população em geral, porém, cada caso clínico requer uma análise e intervenção específica e adequada ao seu quadro clínico.

É importante não ceder à “chantagem” que o nosso cérebro exerce sobre nós, ao estimular a ingestão de alimentos doces, dado que, o doce poderá se tornar amargo, revertido em danos em saúde.
Um desejo não muda nada, mas uma decisão assertiva e atempada muda tudo.

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Tanto talento e humildade numa pessoa só

JOÃO DA MOTA TEIXEIRA Este cristelense de 78 anos tem tanto de discreto e humilde como de talento...

Estradas esburacadas 

ACONTECE UM POUCO POR TODO O CONCELHO As chuvas intensas que caíram neste inverno contribuíram...

“O Julgamento do Natal”

Nos dias 22 e 23 de março, a Nova Oficina de Teatro e Coral de Lousada, para finalizar o Dia do...

COPAGRI CONTINUA COM LITÍGIO INTERNO

“Arrumar a casa” para investir no supermercado, mas anterior direção insiste com ação judicial Por...

Adriano Rafael Moreira é o novo Secretário de Estado do Trabalho

TERCEIRO LOUSADENSE NUM GOVERNO CONSTITUCIONAL A tomada de posse de Adriano Rafael Moreira,...

Editorial 118 | Um lousadense no Governo de Portugal

Não é todos os dias que temos um lousadense no Governo de Portugal, sendo, por isso, motivo de...

~ in memoriam ~

Armando José Gonçalves da Costa (1946 – 2024) Faleceu a 26 de Março o estimado dono do Mini...

Lousada recebe o Mega Sprinter

Lousada recebe, nos dias 19 e 20 de abril, o XVIII Mega Sprinter. A atividade envolve 25 comitivas...

Seminário da Unidas – Rede Intermunicipal de Apoio à Vítima do Douro, Tâmega e Sousa

Lousada recebe o III Seminário da Unidas — Rede Intermunicipal de Apoio à Vítima do Douro, Tâmega...

Noites da Juventude apresentam We Are

O segundo evento no âmbito das Noites da Juventude realiza-se dia 12 de abril. A partir das 22h00,...

Siga-nos nas redes sociais