por | 12 Ago, 2019 | O Garante da Gestão, Opinião

O assédio moral no trabalho marcado por atos/palavras

Cada vez mais presente e de mais impacto no mundo profissional, o assédio moral no trabalho ou mobbing, de natureza psicológica e/ou psicossocial, impera nas relações interpessoais entre (des)iguais categorias profissionais, de qualquer natureza, e as nossas empresas não são avessas à presença deste senão, de grave índole na vida dos profissionais e sentida nos mesmos, com consequências no Ser/Estar do profissional. Patente mais entre superiores a subordinados. Triste realidade que abafa as emoções, o desenvolvimento pessoal, interpessoal e produtivo nas empresas.

Face a uma realidade que esbarra o aceitável, transcende o profissional e coloca a vítima numa situação de debilidade, deteriorando a sua integridade moral, medidas políticas são importantes e de avanço neste contexto, que é uma realidade cruel, com resultância de insustentabilidade de progressão como Ser e como profissional, implicando um ambiente de trabalho hostil, humilhante ou desestabilizador nas vítimas e nas empresas. Nas vítimas sustém efeitos nefastos de saúde, afeta a sua confiança e o seu desempenho profissional, diminuindo a eficiência laboral e implicando afastamento do trabalho. Nas empresas provoca um incremento inusitado dos custos resultantes do aumento do absentismo, da redução abrupta de produtividade e de maiores taxas de rotatividade de pessoal.

É de marcar atenção redobrada para situações que aparentam sem significado algum, mas transportam em tempo e em execução o alicerce da presença do assédio.

A germinação do assédio no trabalho, quando verificada, a que fim se promulga e que intrínsecas variáveis? Tal é propenso, porque não existe na maioria das empresas medidas de abolição e atentas a respostas de situações ocorridas. A ignorância, o não atuar passa por pusilanimidade de todos que presenciam e temem a sua atuação. Com isto, não há nulidade do assédio que em muito destorça o Ser. Avulsa como situações de assédio uma cultura organizacional que não sanciona os comportamentos intimidativos, as transformações súbitas ao nível da organização, a insegurança no emprego; as relações insatisfatórias, as exigências de trabalho excessivas, os conflitos ao nível das funções desempenhadas e os comportamentos discriminatórios.

Para nulidade e combate de situações de assédio é crucial na empresa uma identificação dos riscos psicossociais, suster informação e formação nos seus colaboradores, incluindo os superiores. Realidade de enfoque nestes últimos, com o sentido, de que estes tudo podem (no geral) e esta forma de atuação implica o romper com o outro, com a vítima no progresso, na estabilidade que tanto anseia e que lhe estupram, podendo levar à sua desvinculação ao posto de trabalho. Mentalidades pretensiosas e encaradas como sendo o Mais, têm o retrocesso no outro, quando numa empresa procura-se cooperação e diálogo.

A vergonha e a humilhação a que tantos profissionais são sujeitos leva à existência de “perda do sentido”, à desvitalização psíquica, à dissonância cognitiva, à angústia momentânea e à depressão. O assédio atinge particularmente os jovens, no contexto do trabalho precário, transformados em “meros trabalhadores substituíveis” sem importância moral e fragrância científica.

A resposta ao assédio labuta em silêncio. A tentativa de se ser “o melhor/o mais” acaba por esbarrar na avidez e no tratamento aversivo do assédio nas empresas.

Atos/palavras marcam e fazem a diferença no desempenho profissional e no profissional. Sejamos e estejamos mais atentos e não alheios a situações como o assédio, que no todo corroem o profissional e as empresas.

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Portistas comentam eleições no FC do Porto

MAIORIA DEFENDE MUDANÇAS Nem só os partidos políticos estão em campanha eleitoral. Também o...

Bombos femininos crescem em Lousada

AS “BOMBÁSTICAS DE AVELEDA” No final do desfile do Carnaval de Lousada, todas aprumadas na...

“Câmara recusou sistema de rega inovador” (DR)

Ao abrigo do disposto nos artigos 24.º e 25.º da Lei da Imprensa, aprovada pela Lei n.º 2/99, de...

70.º aniversário do nascimento de um Grande Louzadense

MÁRIO FERNANDO RIBEIRO PACHECO FONSECA (1954-2012) «Gosto tanto de Lousada, que nela gosto de tudo...

Skaters queixam-se de perseguição da polícia Municipal para deixarem a “mítica” Praça do Bispo

FAMA DO LOCAL ONDE NASCEU O SKATE LOUSADENSE JÁ CHEGOU AO ESTRANGEIRO O fenómeno do skate...

Já começaram as movimentações para formar a Comissão de Festas

Romaria da Senhora Aparecida O artigo da anterior edição do nosso jornal, sobre a ausência de...

Editorial 115 | Silêncio

A 26 de fevereiro de 1954 nascia Mário Fernando Ribeiro Pacheco Fonseca, figura incontornável da...

Direção ameaça entregar chaves do clube se não houver acordo com autarquia

ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA DE LOUSADA A ADL está em modo de «gestão a prazo», pois a atual Direção já...

Lousada recebeu entrega de prémios da AT Porto

Retomou-se, no passado dia 3 de Fevereiro, a habitual cerimónia de entrega de prémios da...

Peça de teatro promove a sensibilização e prevenção rodoviária nos mais novos

A nova edição da campanha de sensibilização, que transforma as crianças em agentes de segurança e...

Siga-nos nas redes sociais