Reconhecimento do trabalho(ador)

O que procura um profissional com o seu trabalho, sua dedicação e empenho? É ser reconhecido por suas competências, diferenciais e resultados? Apenas garantir o salário? A resposta é multifária, em função de cada profissional.

Com uma visão menos estratégica e mais humana, a empresa deve atuar como um agente estimulante e dar importância ao Reconhecimento do trabalho dos colaboradores.

Entre o colaborador e empresa comporta uma relação laboral, que se nutre reciprocamente trabalho-salário, ela deve ser justa/equitativa para ambas as partes. Será tal aplicado de forma a suster e sustentar equilíbrio, motivação, realização e Reconhecimento?

Entende-se que, pagar o salário é obrigação da empresa, e fator motivador para um colaborador desempenhar suas funções profissionais, porém, é alheio na maioria o Reconhecimento profissional, sendo este, uma forma de destacar a valorização, o empenho, a dedicação, impulsionando a autoconfiança do profissional, tornando-o mais produtivo e agregando mais valor, oriundo de benefícios financeiros/emocionais.

Quando o colaborador não se sente reconhecido, fica profissionalmente frustrado, sem ânimo para contribuir com ideias/aprimoramentos que alavanque os resultados. A produtividade, o relacionamento interpessoal são afetados. Silenciosamente, a relação laboral é descompensada. Não é profícuo trabalhar e obter ótimos resultados se não se é reconhecido por essa conquista. É comum acontecer em colaboradores que ganham muito bem, e mesmo assim se queixam de algo relacionado ao seu trabalho. Se o esforço passar despercebido de forma constante, pode ser uma das razões pelas quais os colaboradores deixam o emprego.

Lacunas de sensibilidade por parte dos empregadores reportam práticas deturpadas desvalorizando o colaborador, levando à existência de profissionais sem Reconhecimento. A responsabilidade parte destes e está nestes de fazer valer e romper com tal situação. Na maioria dos empregadores, o seu comportamento revela ausência de acompanhamento em matérias relacionadas com o Reconhecimento, no bem-estar do profissional, que em muito influência e tem impacto na performance deste, no alicerce da desatenção constante e aplicação descuidada, que desconfigura o profissional e o profissionalismo do colaborador.

O colaborador não deve ser encarado apenas como o ónus do seu contrato, assente no desempenho das funções para o qual foi contratado. Colide a nulidade do pensar e sentir, que falha nos empregadores, cabe a estes criar estímulos de motivação, desempenho, produtividade, que por vezes fica aquém, quando estes se firmam em pensamentos tacanhos. É preciso ler o profissional, acompanhar, estar atento às suas fragilidades e potencialidades, para que assim seja feito o ajuste certo, se encontre o equilíbrio e a racionalidade entre Função e Salário/Reconhecimento.
O colaborador anseia por mais e pelo Reconhecimento, mas os empregadores deturpam o que é esse mais e o Reconhecimento, que deve ser visto e atento de forma única, individual e à medida do profissional.
O profissional torna-se cada vez mais exigente à medida que é mais conhecedor, sabe o que quer e projeta, sua sensibilidade fica ofusca quando não detém compreensão e visão do empregador, ele espera espontaneidade em seu Reconhecimento.

Deve existir uma dinâmica de encontro, equidade e equilíbrio, para o Reconhecimento ganhar corpo, este acontece quando o empregador se coloca no lugar do colaborador e aí percebe seus anseios e a via certa para atuar com foque de assertividade.

É um trem que precisa de ser traçado mutuamente entre empregador e colaborador, pois a âncora de uma empresa são as pessoas.

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Tanto talento e humildade numa pessoa só

JOÃO DA MOTA TEIXEIRA Este cristelense de 78 anos tem tanto de discreto e humilde como de talento...

Estradas esburacadas 

ACONTECE UM POUCO POR TODO O CONCELHO As chuvas intensas que caíram neste inverno contribuíram...

“O Julgamento do Natal”

Nos dias 22 e 23 de março, a Nova Oficina de Teatro e Coral de Lousada, para finalizar o Dia do...

COPAGRI CONTINUA COM LITÍGIO INTERNO

“Arrumar a casa” para investir no supermercado, mas anterior direção insiste com ação judicial Por...

Adriano Rafael Moreira é o novo Secretário de Estado do Trabalho

TERCEIRO LOUSADENSE NUM GOVERNO CONSTITUCIONAL A tomada de posse de Adriano Rafael Moreira,...

Editorial 118 | Um lousadense no Governo de Portugal

Não é todos os dias que temos um lousadense no Governo de Portugal, sendo, por isso, motivo de...

~ in memoriam ~

Armando José Gonçalves da Costa (1946 – 2024) Faleceu a 26 de Março o estimado dono do Mini...

Lousada recebe o Mega Sprinter

Lousada recebe, nos dias 19 e 20 de abril, o XVIII Mega Sprinter. A atividade envolve 25 comitivas...

Seminário da Unidas – Rede Intermunicipal de Apoio à Vítima do Douro, Tâmega e Sousa

Lousada recebe o III Seminário da Unidas — Rede Intermunicipal de Apoio à Vítima do Douro, Tâmega...

Noites da Juventude apresentam We Are

O segundo evento no âmbito das Noites da Juventude realiza-se dia 12 de abril. A partir das 22h00,...

Siga-nos nas redes sociais