Reconhecimento do trabalho(ador)

O que procura um profissional com o seu trabalho, sua dedicação e empenho? É ser reconhecido por suas competências, diferenciais e resultados? Apenas garantir o salário? A resposta é multifária, em função de cada profissional.

Com uma visão menos estratégica e mais humana, a empresa deve atuar como um agente estimulante e dar importância ao Reconhecimento do trabalho dos colaboradores.

Entre o colaborador e empresa comporta uma relação laboral, que se nutre reciprocamente trabalho-salário, ela deve ser justa/equitativa para ambas as partes. Será tal aplicado de forma a suster e sustentar equilíbrio, motivação, realização e Reconhecimento?

Entende-se que, pagar o salário é obrigação da empresa, e fator motivador para um colaborador desempenhar suas funções profissionais, porém, é alheio na maioria o Reconhecimento profissional, sendo este, uma forma de destacar a valorização, o empenho, a dedicação, impulsionando a autoconfiança do profissional, tornando-o mais produtivo e agregando mais valor, oriundo de benefícios financeiros/emocionais.

Quando o colaborador não se sente reconhecido, fica profissionalmente frustrado, sem ânimo para contribuir com ideias/aprimoramentos que alavanque os resultados. A produtividade, o relacionamento interpessoal são afetados. Silenciosamente, a relação laboral é descompensada. Não é profícuo trabalhar e obter ótimos resultados se não se é reconhecido por essa conquista. É comum acontecer em colaboradores que ganham muito bem, e mesmo assim se queixam de algo relacionado ao seu trabalho. Se o esforço passar despercebido de forma constante, pode ser uma das razões pelas quais os colaboradores deixam o emprego.

Lacunas de sensibilidade por parte dos empregadores reportam práticas deturpadas desvalorizando o colaborador, levando à existência de profissionais sem Reconhecimento. A responsabilidade parte destes e está nestes de fazer valer e romper com tal situação. Na maioria dos empregadores, o seu comportamento revela ausência de acompanhamento em matérias relacionadas com o Reconhecimento, no bem-estar do profissional, que em muito influência e tem impacto na performance deste, no alicerce da desatenção constante e aplicação descuidada, que desconfigura o profissional e o profissionalismo do colaborador.

O colaborador não deve ser encarado apenas como o ónus do seu contrato, assente no desempenho das funções para o qual foi contratado. Colide a nulidade do pensar e sentir, que falha nos empregadores, cabe a estes criar estímulos de motivação, desempenho, produtividade, que por vezes fica aquém, quando estes se firmam em pensamentos tacanhos. É preciso ler o profissional, acompanhar, estar atento às suas fragilidades e potencialidades, para que assim seja feito o ajuste certo, se encontre o equilíbrio e a racionalidade entre Função e Salário/Reconhecimento.
O colaborador anseia por mais e pelo Reconhecimento, mas os empregadores deturpam o que é esse mais e o Reconhecimento, que deve ser visto e atento de forma única, individual e à medida do profissional.
O profissional torna-se cada vez mais exigente à medida que é mais conhecedor, sabe o que quer e projeta, sua sensibilidade fica ofusca quando não detém compreensão e visão do empregador, ele espera espontaneidade em seu Reconhecimento.

Deve existir uma dinâmica de encontro, equidade e equilíbrio, para o Reconhecimento ganhar corpo, este acontece quando o empregador se coloca no lugar do colaborador e aí percebe seus anseios e a via certa para atuar com foque de assertividade.

É um trem que precisa de ser traçado mutuamente entre empregador e colaborador, pois a âncora de uma empresa são as pessoas.

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Editorial 125 | O Gestor de Redes Sociais

Numa terra longínqua onde os emojis governam e os likes são moedas de troca, vive o temido Gestor...

LOUSADA RECEBE MAIOR FESTIVAL DE DRIFT DO PAÍS

O Eurocircuito da Costilha em Lousada será palco no final do mês da 11ª edição do Encontro...

Xadrez do Lousada Voleibol Clube com excelentes resultados no fim de semana

Esteban Dario Caro, xadrezista da secção de xadrez do Lousada Voleibol Clube venceu o VII Torneio...

Oficinoscópio assinala 10 anos de cinema de animação

No dia 10 de julho foi apresentado o livro Oficinoscópio, relativo aos 10 anos de Oficinas de...

AUTOR VISITA ALDAF E PROMOVE MOMENTO DE CULTURA PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA EM LOUSADA

No passado dia 13 de junho a Associação Lousadense dos Deficientes, dos seus Amigos e Familiares...

Desvendando os Traços Antissociais

Os traços antissociais são confundidos por vários sintomas na linguagem coloquial, assim irei...

”Faz falta uma feira do livro”

GONÇALO SANTOS, ESCRITOR Chama-se Gonçalo Teles dos Santos, tem 44 anos, é natural de Sousela e...

A Casa Nobre No Concelho de Lousada

Tipologias - XVI | Elementos Decorativos II Os elementos decorativos, concebidos quase sempre em...

O discreto gigante da democracia lousadense

E DEPOIS D'ABRIL? [3] Lousada teve muitas pessoas de proa que embora sendo contra o regime...

Fim de Semana Cultural “Alma Magnetense” está de regresso

A Junta de Freguesia de Meinedo anuncia o regresso do Fim de Semana Cultural "Alma Magnetense",...

Siga-nos nas redes sociais