Tradição que muitos já não dispensam

Realizou-se, no passado fim de semana, a XVI Festa da Francesinha, no Largo da Feira. O evento foi promovido pela LADEC – Lousada Associação de Eventos Culturais.

No certame, estiveram representados cafés e restaurantes de Lousada: Café Chique, Café Rolante Ferry Bar, Pão Quente Bem-me-quer, Natura Caffé, O Tábuas, Pizzaria Ricardo e Francesinhas & Companhia.

Não faltou a animação musical durante os três dias em que decorreu a Festa da Francesinha.

Como é já tradição, realizou-se também o XIII Passeio BTT Noturno “À Procura da Francesinha”, promovido pelo Clube Cicloturismo LousadaBTT.

“É uma referência no Vale do Sousa”, Joaquim Gonçalves

Joaquim Gonçalves, da LADEC, mostrou-se satisfeito com a forma como decorreu o evento, salientando que, mais uma vez, foram cumpridos os objetivos. “De ano para ano, tem sido cada vez melhor, temos tido um aumento de afluência. É uma festa já enraizada no concelho, um ponto de encontro das famílias de Lousada e dos outros concelhos vizinhos e uma referência no Vale do Sousa”, afirma.

Com preocupações gastronómicas, mas também de estimular o convívio salutar, Joaquim Gonçalves afirma que é uma festa da família: “Preocupamo-nos em proporcionar as melhores condições, como por exemplo divertimentos, concertos…” A nível de organização e de higiene também há cuidados especiais, que implicam “uma logística e um desafio enorme, mas que temos superado, felizmente”, diz.

A organização agradece a todos os que tornaram possível a realização desta iniciativa: “Ao município de Lousada, aos comerciantes, ao clube Lousada BTT, aos nossos patrocinadores, aos conjuntos que participaram de forma gratuita, às empresas Macedos Pirotecnia, à Gil Som e, por último, mas importante, a todos os nossos diretores que foram incansáveis neste festival. Estão todos de parabéns”, conclui.

Estabelecimentos de restauração satisfeitos com certame

Filipe Nunes, do Natura Caffé, presente no evento, valorizou a iniciativa, considerando-a importante para divulgar os estabelecimentos de restauração e por mobilizar muitas pessoas.

Participante há 8 anos neste Festival, faz um balanço positivo: “Não somos uma casa conhecida pela francesinha, pois temos muitos outros pratos no restaurante, mas aproveitamos esta iniciativa para mostrar a francesinha que o nosso chefe desenvolveu, que tem sido do agrado de muitas pessoas e que é muito positivo para o próprio restaurante”, defende.

Este ano não foi muito diferente do anterior, segundo Filipe Nunes, com um grande número de clientes nos primeiros dias e menos no último. “Mas em relação a números, vendemos mais de trezentas francesinhas, o que é positivo”, realça.

Em relação a edições futuras, sugere que sejam agendadas mais cedo: “O facto de ser no fim do mês de agosto, muitas vezes, impossibilita que os nossos emigrantes participem nesta festa. Seria bom um novo agendamento, pois é um evento que pode aproveitar o regresso dos nossos emigrantes. Para mim é um evento que é feito para eles”.

Convívio também é motivo para sair de casa

José António

José António, de Meinedo, refere que já é uma tradição a ida ao Festival da Francesinha: “É um prato de que gosto muito. Não é bom para a dieta, mas vimos cá pelo convívio”, afirma.

Evangelista Barbosa com a sua família

Evangelista Barbosa também é frequentador assíduo do Festival e valoriza principalmente o convívio: “Vim cá todos os anos. Não sinto muita evolução, pois tem sempre muita gente. Nós vimos cá pelo convívio. Habitualmente trago a família”. Elogia a organização, que “trabalha muito bem” e a boa francesinha. “Lousada ganha com isto”, considera.

Isabel Moreira à direita com a sua amiga

Isabel Moreira também é uma repetente neste evento. Salienta o convívio, mas “o mais importante é a francesinha”, de que gosta muito: “É aqui a única vez durante o ano que aproveito para matar a paixão”, refere. Espera poder regressar nos próximos anos.

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Portistas comentam eleições no FC do Porto

MAIORIA DEFENDE MUDANÇAS Nem só os partidos políticos estão em campanha eleitoral. Também o...

Bombos femininos crescem em Lousada

AS “BOMBÁSTICAS DE AVELEDA” No final do desfile do Carnaval de Lousada, todas aprumadas na...

“Câmara recusou sistema de rega inovador” (DR)

Ao abrigo do disposto nos artigos 24.º e 25.º da Lei da Imprensa, aprovada pela Lei n.º 2/99, de...

70.º aniversário do nascimento de um Grande Louzadense

MÁRIO FERNANDO RIBEIRO PACHECO FONSECA (1954-2012) «Gosto tanto de Lousada, que nela gosto de tudo...

Skaters queixam-se de perseguição da polícia Municipal para deixarem a “mítica” Praça do Bispo

FAMA DO LOCAL ONDE NASCEU O SKATE LOUSADENSE JÁ CHEGOU AO ESTRANGEIRO O fenómeno do skate...

Já começaram as movimentações para formar a Comissão de Festas

Romaria da Senhora Aparecida O artigo da anterior edição do nosso jornal, sobre a ausência de...

Editorial 115 | Silêncio

A 26 de fevereiro de 1954 nascia Mário Fernando Ribeiro Pacheco Fonseca, figura incontornável da...

Direção ameaça entregar chaves do clube se não houver acordo com autarquia

ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA DE LOUSADA A ADL está em modo de «gestão a prazo», pois a atual Direção já...

Lousada recebeu entrega de prémios da AT Porto

Retomou-se, no passado dia 3 de Fevereiro, a habitual cerimónia de entrega de prémios da...

Peça de teatro promove a sensibilização e prevenção rodoviária nos mais novos

A nova edição da campanha de sensibilização, que transforma as crianças em agentes de segurança e...

Siga-nos nas redes sociais