por | 10 Set, 2019 | Opinião, Pedro Amaral

Participação Política como manifestação de Cidadania

Hoje as sociedades ocidentais e ocidentalizadas apresentam-se cada vez mais distantes dos políticos e suas políticas. Apesar da proximidade que, hoje, existe entre governantes e governados, potenciada pelo advento da era tecnológica e global, a verdade é que o fosso entre uns e outros nunca foi tão grande. O público jovem, em especial, sofre particularmente com a aparente inacessibilidade de quem Local, Nacional ou Internacionalmente se dedica à “inócua e inquinada” política.

Hoje a participação política tornou-se sinonimo de inutilidade, mentira, corrupção e sede de poder ou protagonismo, quando na verdade é e deveria ser associada a uma manifestação de interesse, participação, debate, responsabilidade e sentido de dever. Não quer isto dizer que não existam maus políticos, apenas significa que um mau mensageiro não torna necessariamente má a mensagem.

Parte do problema associado a este afastamento, prende-se com a maior facilidade em responsabilizar o “eles” enquanto grupo distinto inequivocamente separado do “eu”. O que por ventura muitos esquecerão é que em democracia, pelo menos no que respeita a pronomes, só existe o “nós”.

Porque “nós” fazemos política quando olhamos para as nossas ruas apontando problemas ou propondo soluções. “Nós” fazemos política quando nos interessamos pela governação local e nacional. “Nós” fazemos política quando participamos institucionalmente na sociedade civil. “Nós” fazemos política quando votamos. “Nós fazemos política quando nos expressamos livremente. “Nós” fazemos política quando reconhecemos méritos ou erros na governação. “Nós” fazemos política quando debatemos ideias com amigos no café. “Nós” fazemos política quando aceitamos a liberdade dos outros para pensarem diferente. “Nós”, afinal, fazemos política quase todos os dias, só ainda não nos apercebemos disso.
Quando tivermos noção do quão importante é o “nós” no equilíbrio do sistema terremos verdadeiramente honrado a herança democrática alcançada e transmitida pelas gerações passadas. Porque a lealdade para com os ideais democráticos e participativos que herdamos é um importante dever cívico de cada um de “nós”.

“A autodisciplina para fazer aquilo que sabemos ser correcto e importante, embora difícil, é o percurso certo em direcção ao brio, auto-estima e satisfação pessoal.” by Margaret Thatcher

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Tanto talento e humildade numa pessoa só

JOÃO DA MOTA TEIXEIRA Este cristelense de 78 anos tem tanto de discreto e humilde como de talento...

Estradas esburacadas 

ACONTECE UM POUCO POR TODO O CONCELHO As chuvas intensas que caíram neste inverno contribuíram...

“O Julgamento do Natal”

Nos dias 22 e 23 de março, a Nova Oficina de Teatro e Coral de Lousada, para finalizar o Dia do...

COPAGRI CONTINUA COM LITÍGIO INTERNO

“Arrumar a casa” para investir no supermercado, mas anterior direção insiste com ação judicial Por...

Adriano Rafael Moreira é o novo Secretário de Estado do Trabalho

TERCEIRO LOUSADENSE NUM GOVERNO CONSTITUCIONAL A tomada de posse de Adriano Rafael Moreira,...

Editorial 118 | Um lousadense no Governo de Portugal

Não é todos os dias que temos um lousadense no Governo de Portugal, sendo, por isso, motivo de...

~ in memoriam ~

Armando José Gonçalves da Costa (1946 – 2024) Faleceu a 26 de Março o estimado dono do Mini...

Lousada recebe o Mega Sprinter

Lousada recebe, nos dias 19 e 20 de abril, o XVIII Mega Sprinter. A atividade envolve 25 comitivas...

Seminário da Unidas – Rede Intermunicipal de Apoio à Vítima do Douro, Tâmega e Sousa

Lousada recebe o III Seminário da Unidas — Rede Intermunicipal de Apoio à Vítima do Douro, Tâmega...

Noites da Juventude apresentam We Are

O segundo evento no âmbito das Noites da Juventude realiza-se dia 12 de abril. A partir das 22h00,...

Siga-nos nas redes sociais