Tempo de Vindimas II – Casa da Barria

A tradição ainda se mantém viva

Na Casa da Barria, em Cernadelo, encontramos bem viva a tradição das vindimas. Ali são ainda os pés que ajudam a extrair o néctar da uva ao pisá-la, a etapa final de uma festa. Aqui a tradição portuguesa, apesar de a quinta ter acompanhado a evolução dos tempos, em alguns aspetos ainda é o que era. As vindimas são um verdadeiro marco da etnografia portuguesa e participar no seu processo é uma forma de fugir à rotina do quotidiano e reunir a família e amigos em torno deste ritual anual.

Situada na antiga freguesia de Cernadelo, a Casa da Barria foi construída em 1750 e tem cerca de 3 hectares de vinha (2 hectares tradicionais e 1 hectare mais moderno). A maior parte é videira antiga, edificada em ramadas. Casa da Barria é uma marca registada.

O Louzadense chegou já no final da festa, na altura dos comes e bebes. Fomos imediatamente convidados a pegar numa caneca. E foi ao som da cantiga da dona Graça que nos juntamos ao convívio:

“Vindimas, vindimadeiras
Da uva que dá o vinho
Sobe escada, e desce escada
E ergue o cesto com jeitinho”.

Jovens não querem meter os pés no vinho

Glória Carvalho, proprietária da quinta, refere que, apesar de tentarem manter viva a tradição, não é tarefa fácil. “Antigamente era uma grande festa. Agora ninguém quer vir, o que é uma pena. A juventude não quer! Se falarmos em meter os pés no vinho, eles dizem que nem pensar. Os jovens querem todos ser doutores”, lamenta. Por isso, “temos dificuldade em arranjar pessoas. Tivemos de ir buscar pessoas a Boim. Fizemos a vindima nestes dois dias. É tudo feito de forma tradicional, até o lagar é de pedra”, explica. Este ano, participaram nas vindimas 18 pessoas.

▲Os proprietários da Casa da Barria, Glória de Carvalho e Eduardo Taveira

A proprietária esclarece que correu tudo muito bem. Embora a quantidade seja menor comparativamente com os anos anteriores, em que a cifra chegou às vinte pipas, espera que a qualidade os deixe satisfeitos. Glória Carvalho realça que o vinho produzido na Casa da Barria “é um vinho natural, enquanto os outros têm mais produtos, sendo mais adamados. Para mim, o vinho melhor é natural”. Um vinho natural que, antigamente fazia das suas: “Esta quinta era do meu avô, o senhor Carvalho da Barria, e antigamente não faltava gente para trabalhar. Não saía daqui ninguém que não ficasse bêbado!”

Tempo de trabalho, mas também de brincadeira

Manuel Machado, de Cernadelo, vizinho da Quinta, recorda os velhos tempos: “Aqui era uma borga, tocava-se viola, bebia-se um copo de vinho e aguardente… Era de sol a sol, não havia horário. Comia-se bem!”, refere. Participante na festa desde os seus dezasseis anos, recorda que não faltava gente e lamenta que “tudo vá morrendo”. Na altura, o divertimento fazia parte do trabalho. Manuel relata algumas situações engraçadas: “As mulheres faziam partidas. As cesteiras, enquanto esperavam pelos homens que vinham do lagar, cosiam-lhes as calças e depois eles não conseguiam vesti-las e lá ficavam eles à rasca de cuecas. Nós há uns anos repetimos isso e foi muito engraçado”, recorda.

Luís Ventura

Natália Tomaz e Luís Ventura são dois dos funcionários da quinta. Ele é português e ela espanhola. Conheceram-se por causa da bebida. Ela trabalhava num hotel e Luís numa obra em Espanha, onde o encarregado não deixava entrar cerveja. Mas, com uns sinais pré-combinados, Luís virava a grua para o hotel e ela colocava a cerveja em cima. “Depois à noite fazia contas com ela”, diz, acrescentando que estão juntos há 16 anos. “Eu estive lá quinze anos, agora está ela aqui. Já temos dois filhos”, conta.

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Conseguir um espaço próprio é objetivo

ACADEMIA DE GINÁSTICA DE LOUSADA A ginástica em Lousada tem na professora Paula Oliveira uma...

Tanto talento e humildade numa pessoa só

JOÃO DA MOTA TEIXEIRA Este cristelense de 78 anos tem tanto de discreto e humilde como de talento...

Estradas esburacadas 

ACONTECE UM POUCO POR TODO O CONCELHO As chuvas intensas que caíram neste inverno contribuíram...

“O Julgamento do Natal”

Nos dias 22 e 23 de março, a Nova Oficina de Teatro e Coral de Lousada, para finalizar o Dia do...

COPAGRI CONTINUA COM LITÍGIO INTERNO

“Arrumar a casa” para investir no supermercado, mas anterior direção insiste com ação judicial Por...

Adriano Rafael Moreira é o novo Secretário de Estado do Trabalho

TERCEIRO LOUSADENSE NUM GOVERNO CONSTITUCIONAL A tomada de posse de Adriano Rafael Moreira,...

Editorial 118 | Um lousadense no Governo de Portugal

Não é todos os dias que temos um lousadense no Governo de Portugal, sendo, por isso, motivo de...

~ in memoriam ~

Armando José Gonçalves da Costa (1946 – 2024) Faleceu a 26 de Março o estimado dono do Mini...

Lousada recebe o Mega Sprinter

Lousada recebe, nos dias 19 e 20 de abril, o XVIII Mega Sprinter. A atividade envolve 25 comitivas...

Seminário da Unidas – Rede Intermunicipal de Apoio à Vítima do Douro, Tâmega e Sousa

Lousada recebe o III Seminário da Unidas — Rede Intermunicipal de Apoio à Vítima do Douro, Tâmega...

Siga-nos nas redes sociais