por | 29 Out, 2019 | Opinião

“Na Derrota desafio, na Vitória magnanimidade.” Sir Winston Churchill

A noite do passado dia 06 de Outubro encetou um novo capítulo na história política e governativa do nosso país. Infelizmente na festa da democracia acabaram por sobrar lugares vazios. Cerca de 45,5% daqueles que foram convidados a exercer um dos mais belos direitos de cidadania, acabaram por escolher não escolher.

Por entre vitórias e derrotas ganhou, no geral, o parlamentarismo enquanto sistema. O nosso Parlamento reabre mais plural e diversificado com a inclusão de três novas forças políticas no hemiciclo. Novos partidos que, independentemente das suas posições mais ou menos extremadas, o eleitorado, a médio e longo prazo, saberá julgar.

No que toca à formação de governo é também de louvar o regresso da normalidade democrática, segundo a qual é permitido ao partido mais votado governar. O Partido Socialista perde, assim, a maioria absoluta que almejava, mas alcança a tão desejada maioria relativa que desde há quatro anos lhe faltava.

Por seu turno, Bloco e PCP/PEV, respectivamente com menos votos e menos deputados, abandonam formalmente a geringonça, mas garantem o apoio suficiente para que uma solução de esquerdas possa subsistir. Fazem-no na esperança de apagar as suas impressões digitais da governação dos últimos quatro anos, cujas consequências, verdadeiramente, só conheceremos no decorrer desta e das próximas legislaturas. Se correr bem: “Óptimo!

Contribuímos.”. Se correr mal: “A culpa foi dos socialistas e da sua inexplicável tendência para a má governação.”.

Também o PAN, quinto membro não oficial da geringonça, não consegue nem mais nem menos do que aquilo que já se esperava que conseguisse, ou seja, mobilizar uma franja populacional ecológica extremista engrossando as suas fileiras.

À direita, PSD aguenta-se, focando a sua campanha na vertente técnica da governação e apelando ao seu eleitorado de base que, apesar de disperso, acabou por se galvanizar com o objectivo comum de prevenir um mal maior.

CDS perde. Perde sob o peso do desgaste de quatro anos de oposição. Não só porque a fez sozinho, o que o levou a cometer alguns erros, mas também pela retórica repetitiva e ambígua que assumiu ao longo da campanha.
Cumpre ao partido redescobrir-se ideologicamente, redireccionando e conciliando os seus valores com os das suas bases que, se viram um tanto alienadas pela máquina partidária na sua procura por captar outro tipo de eleitorado. O seu futuro terá de passar pelos seus capazes quadros, mas também pela sua juventude, por um lado porque será naturalmente o seu futuro, por outro porque é aí que o CDS e os seus valores têm potencial para um maior crescimento.

Em suma, ao contrário de um bom livro, Portugal não surpreende, já que os capítulos anteriores facilmente permitiram antever o actual. Apesar disso, é um capítulo capaz de prender o (e)leitor já sonolento ao enredo, na expectativa do que estará por detrás das próximas páginas.

Urge, daqui para a frente, que as personagens vencedoras sejam magnânimas na sua vitória e as vencidas desafiantes em face da derrota.
Veremos.

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Os pais tiveram receio da sua escolha mas deram todo o apoio

LUÍS MELO, ARTISTA PLÁSTICO E PROFESSOR DE ARTES O curso de Artes da Escola Secundária de Lousada...

Não se tratou apenas de guerra – a nostalgia dos combatentes em África

LOUSADENSES NO ULTRAMAR (PARTE 2) Nem tudo foi mau, dizem os que tentam perspetivar algo de...

Resistência e Liberdade» obteve 3.º Prémio no Concurso «25 de Abril, um projeto de Liberdade»

Alunos e professores do AE Dr. Mário Fonseca, envolvidos no Projeto «Resistência e Liberdade»,...

Mostra coletiva de artistas revela vitalidade da arte lousadense

NA BIBLIOTECA MUNICIPAL E CAIS CULTURAL DE CAÍDE DE REI A diversidade de estilos e técnicas são...

Uma centena de jovens na Final Regional do Xadrez Escolar do Norte na Escola Secundária de Lousada

A Escola Secundária de Lousada acolheu, no dia 10 de maio, a final da modalidade de xadrez da...

Sacrifício, Liberdade e Memória da Revolução dos Cravos

No ano em que se comemora os cinquenta anos da Revolução dos Cravos importa mergulhar no passado...

Iluminar Lousada – Uma Luz Solidária para a Cooperativa Lousavidas

O Iluminar Lousada vai realizar-se no dia 18 de maio, e as velas solidárias estão já estão à...

Pimenta na censura dos outros, na minha liberdade é refresco

No passado dia 25 de Abril celebraram-se os 50 anos sobre a revolução que derrubou o regime...

Vinhos das Caves do Monte projetam Lousada no mundo

Freitas de Balteiro: O embrião de uma tradição Em 1947, nas terras férteis da freguesia de...

Caixa Agrícola rejeita lista de sócios candidatos a eleições: Lista avança com Providência Cautelar

A Caixa de Crédito Agrícola de Terras do Sousa, Ave, Basto e Tâmega (CCAM TSABT) está envolta em...

Siga-nos nas redes sociais