“Lousada, é um excelente exemplo de visão estratégica de trabalho intermunicipal na região” Gonçalo Rocha CIM Tâmega e Sousa

Na última Assembleia Municipal de Paços de Ferreira, foi aprovada, por maioria, com oito votos contra dos deputados sociais-democratas, a adesão do município à Área Metropolitana do Porto (AMP). Para o autarca pacense, Humberto Brito, a Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa já não tem capacidade para dar resposta às necessidades do concelho.

O Louzadense falou com Gonçalo Rocha, presidente da Câmara Municipal de Castelo de Paiva, que assumiu no dia 9 de janeiro a presidência da CIM do Tâmega e Sousa, para conhecer a sua posição sobre a saída de Paços de Ferreira desta CIM e a possibilidade de outros concelhos, em particular Lousada, poderem seguir este caminho.

Como avalia a intenção da autarquia de Paços de Ferreira sair da CIM do Tâmega e Sousa para aderir à Área Metropolitana do Porto?
Coloco essa decisão na esfera de autonomia de decisão política do Município de Paços de Ferreira. Não há ainda nenhuma decisão final sobre o assunto. Caso a Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa (CIM do Tâmega e Sousa) seja convocada para se pronunciar, irá fazê-lo. Até ao momento, formalmente, ainda não recebemos qualquer comunicação do Município de Paços de Ferreira.

Como encara os principais motivos apresentados pelo executivo pacense que o levaram a esta decisão?

Sinceramente, não gostaria de fazer grandes comentários a este propósito. Entendo que a CIM do Tâmega e Sousa tem feito um excelente trabalho em prol da nossa região e da nossa comunidade, em função das circunstâncias proporcionadas e dos recursos existentes. Estamos a esbater o estigma desta região não ser considerada nem litoral nem interior. Felizmente, estamos a viver um momento que esta região começa a ser olhada de uma maneira diferente, para melhor.

Sendo já dois os concelhos do Vale do Sousa a sair ou pretender sair desta CIM, não tem receio que outros concelhos possam seguir este exemplo?

O momento não me parece adequado para alterações e mudanças. Estamos a finalizar o quadro comunitário de apoio em vigor e temos ainda muitos recursos financeiros disponíveis. Não há tempo para receios; o tempo agora é para executar os fundos comunitários.

O que poderá estar a falhar na CIM do Tâmega e Sousa?

A CIM do Tâmega e Sousa não está a falhar. Está a fazer um excelente trabalho em prol da região. O importante é estarmos focados na boa execução deste quadro comunitário, em particular no âmbito dos investimentos territoriais integrados, designadamente do Pacto de Desenvolvimento e Coesão Territorial do Tâmega e Sousa (PDCT do Tâmega e Sousa) que, além do mais, contempla os investimentos em infraestruturas educativas, equipamentos sociais, eficiência energética, do Plano Integrado e Inovador de Combate ao Insucesso Escolar do Tâmega e Sousa (PIICIE do Tâmega e Sousa), do SI2E – Sistema de Apoio ao Empreendedorismo e Emprego e de outros planos, designadamente, na revisão dos critérios do Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU) e do Plano de Ação e Regeneração Urbana (PARU), e em fortalecer a nossa estratégia para a região.

Quais serão as principais vantagens da continuidade nesta CIM para o concelho de Lousada?

Antes de responder à questão, provavelmente será de colocar a questão em modo inverso. O que ganha um município em sair desta Comunidade Intermunicipal? É que neste território encontramos níveis de desenvolvimento económico e social mais débeis por comparação à Área Metropolitana do Porto. Logo, os fundos comunitários destinados à coesão territorial serão, por certo, canalizados para sub-regiões com estas caraterísticas. Sinal evidente desta afirmação foi o facto de, na última reprogramação operada no primeiro semestre de 2019, esta Comunidade Intermunicipal ter sido aquela que, da região Norte, mais reforço orçamental obteve. Acresce que, a nível político, foi ainda criado um ministério próprio para estas questões das assimetrias territoriais: o Ministério da Coesão Territorial.
No que respeita a Lousada, é um excelente exemplo de visão estratégica de trabalho intermunicipal na região. É um município com uma grande história de contributo para o desenvolvimento da nossa região. Continuará a ter na CIM do Tâmega e Sousa o respeito, a admiração e o contributo para o desenvolvimento das oportunidades para continuar a potenciar a sua brilhante estratégia local e intermunicipal.

Como vê o futuro da CIM do Tâmega e Sousa?

Vejo a CIM do Tâmega e Sousa a fortalecer as raízes da sua identidade, da sua estratégia, afirmando os valores da modernidade, inovação e solidariedade. Não tenho dúvidas de que irá continuar a surpreender pela positiva.

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Portistas comentam eleições no FC do Porto

MAIORIA DEFENDE MUDANÇAS Nem só os partidos políticos estão em campanha eleitoral. Também o...

Bombos femininos crescem em Lousada

AS “BOMBÁSTICAS DE AVELEDA” No final do desfile do Carnaval de Lousada, todas aprumadas na...

“Câmara recusou sistema de rega inovador” (DR)

Ao abrigo do disposto nos artigos 24.º e 25.º da Lei da Imprensa, aprovada pela Lei n.º 2/99, de...

70.º aniversário do nascimento de um Grande Louzadense

MÁRIO FERNANDO RIBEIRO PACHECO FONSECA (1954-2012) «Gosto tanto de Lousada, que nela gosto de tudo...

Skaters queixam-se de perseguição da polícia Municipal para deixarem a “mítica” Praça do Bispo

FAMA DO LOCAL ONDE NASCEU O SKATE LOUSADENSE JÁ CHEGOU AO ESTRANGEIRO O fenómeno do skate...

Já começaram as movimentações para formar a Comissão de Festas

Romaria da Senhora Aparecida O artigo da anterior edição do nosso jornal, sobre a ausência de...

Editorial 115 | Silêncio

A 26 de fevereiro de 1954 nascia Mário Fernando Ribeiro Pacheco Fonseca, figura incontornável da...

Direção ameaça entregar chaves do clube se não houver acordo com autarquia

ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA DE LOUSADA A ADL está em modo de «gestão a prazo», pois a atual Direção já...

Lousada recebeu entrega de prémios da AT Porto

Retomou-se, no passado dia 3 de Fevereiro, a habitual cerimónia de entrega de prémios da...

Peça de teatro promove a sensibilização e prevenção rodoviária nos mais novos

A nova edição da campanha de sensibilização, que transforma as crianças em agentes de segurança e...

Siga-nos nas redes sociais