por | 18 Fev, 2020 | Pela sua Saúde

Centrado no Doente

Quantos de nós somos doentes? Em alguma fase da nossa vida certamente já fomos. Nunca teve doente? Não se considere um privilegiado! Ao longo do nosso grande ciclo de vida, alguma(s) vez(es) passaremos por isso. Lembrar essa circunstância é lembrar que quando doentes tornámo-nos frágeis, muito frágeis aliás.

Parece que ficamos sem chão, ao dispor dos outros, que esquecemos o nosso valor, a nossa história e o nosso futuro. Ali ficamos, com uma sensação de que tudo gira à nossa volta, mas na verdade, não gira em função de nós.

Na semana em que se comemora o Dia Mundial do Doente, lembrei-me que seria bem útil colocar verdadeiramente o doente no Centro, no centro de toda a ação, bem no meio de todo o Sistema.

Comemorado desde 1992, o dia Mundial do Doente, comemora-se a 11 de Fevereiro, e foi implementado pelo Papa João Paulo II para apelar à humanidade para que seja promovido um serviço de maior atenção à pessoa doente. E é simplesmente esta a necessidade que a sociedade tem que dar resposta: dar maior atenção à pessoa doente.

Lembrando este dia, lembro a Carta de Direitos e Deveres do Doente e o quão é importante conhece-la.

Conhecer e executar este conjunto de condições é verdadeiramente colocar o sistema a funcionar em função dos que mais necessitam. Considero ainda, que mais importante que os doentes conhecer os seus direitos e deveres, é os profissionais de saúde e todas as organizações conhecerem esse mesmo conjunto de pequenas regras, que não são mais que princípios básicos de respeito pelo outro.

Ser tratado com respeito pela dignidade e integridade humana. É o primeiro direito! E para mim o mais fundamental! Mas será que já paramos para pensar quantas vezes nos é negado o acesso a este direito? Basta só lembrar das instalações de algumas das urgências ou centro de saúde do nosso Portugal, que vemos o quanto é desrespeitada a privacidade dos doentes e o quão mal preparadas estão os nossos serviços para proporcionar conforto e bem-estar exigidos, à situação de vulnerabilidade que a pessoa se encontra.

Consintamos então que o utente reclame, sugira, peça informação. Perguntemos-lhe como prefere, como escolhe, como decide. Não realizemos juízos de valor, nem nos consideremos conhecedores de toda a verdade.
Colocar o doente ao centro é garantir que ele é o interveniente mais importante! É garantir que ele faz parte, é integra-lo. Organizações de saúde que giram à volta do doente são mais capazes, e respondem melhor às necessidades dos doentes e famílias. E a razão é simples! O utente importa e não é mais um ou apenas um, é ele mesmo! É a razão dos serviços de saúde existirem.

E permitam-me que vos diga: poderá parecer estranho, mas a minha vida faz mais sentido quando estou junto dos doentes! Porque se escolhi cuida-los, sem eles não poderia fazer o pleno da minha felicidade.

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Os pais tiveram receio da sua escolha mas deram todo o apoio

LUÍS MELO, ARTISTA PLÁSTICO E PROFESSOR DE ARTES O curso de Artes da Escola Secundária de Lousada...

Não se tratou apenas de guerra – a nostalgia dos combatentes em África

LOUSADENSES NO ULTRAMAR (PARTE 2) Nem tudo foi mau, dizem os que tentam perspetivar algo de...

Resistência e Liberdade» obteve 3.º Prémio no Concurso «25 de Abril, um projeto de Liberdade»

Alunos e professores do AE Dr. Mário Fonseca, envolvidos no Projeto «Resistência e Liberdade»,...

Mostra coletiva de artistas revela vitalidade da arte lousadense

NA BIBLIOTECA MUNICIPAL E CAIS CULTURAL DE CAÍDE DE REI A diversidade de estilos e técnicas são...

Uma centena de jovens na Final Regional do Xadrez Escolar do Norte na Escola Secundária de Lousada

A Escola Secundária de Lousada acolheu, no dia 10 de maio, a final da modalidade de xadrez da...

Sacrifício, Liberdade e Memória da Revolução dos Cravos

No ano em que se comemora os cinquenta anos da Revolução dos Cravos importa mergulhar no passado...

Iluminar Lousada – Uma Luz Solidária para a Cooperativa Lousavidas

O Iluminar Lousada vai realizar-se no dia 18 de maio, e as velas solidárias estão já estão à...

Pimenta na censura dos outros, na minha liberdade é refresco

No passado dia 25 de Abril celebraram-se os 50 anos sobre a revolução que derrubou o regime...

Vinhos das Caves do Monte projetam Lousada no mundo

Freitas de Balteiro: O embrião de uma tradição Em 1947, nas terras férteis da freguesia de...

Caixa Agrícola rejeita lista de sócios candidatos a eleições: Lista avança com Providência Cautelar

A Caixa de Crédito Agrícola de Terras do Sousa, Ave, Basto e Tâmega (CCAM TSABT) está envolta em...

Siga-nos nas redes sociais