por | 2 Mar, 2020 | Sociedade

José Carlos de Bessa Machado: “O meu voto nas eleições legislativas não mandatou ninguém para tomar uma decisão em meu nome sobre esta matéria”

O tema da eutanásia tem marcado a atualidade em Portugal. Na passada quinta-feira, foram discutidos e aprovados cincos projetos de lei para a despenalização da morte assistida, elaborados pelo PS, BE, PEV, PAN e Iniciativa Liberal. Agora, há agora luz verde para dar continuidade ao processo legislativo.

Depois de ultrapassada a fase que se segue, de discussão na especialidade, o texto comum votado em comissão será aprovado em votação final global e seguirá para Belém, tendo o Presidente da República três hipóteses: promulgar, vetar ou enviar a lei para o Tribunal Constitucional.
Entre os deputados que defendem a “compaixão e liberdade” e aqueles que consideram a despenalização um “retrocesso civilizacional”, há ainda os que não querem sequer pensar na eutanásia sem que antes sejam garantidos os cuidados paliativos a todos os portugueses. Entre os que defendem que certos valores não são referendáveis e aqueles que exigem um referendo para que seja dada voz aos portugueses neste assunto, há aqueles que dirigem um derradeiro apelo ao Presidente da República no sentido de travar o processo legislativo.

O Louzadense quis conhecer a opinião de quatro lousadenses ligados a diferentes áreas: o padre André Soares, o provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lousada, Bessa Machado, o enfermeiro Renato Gomes e a professora Filipa Pinto, dirigente do partido Livre.

A todos, fizemos cinco perguntas sobre a posição defendida, o debate que se tem realizado na sociedade e no Parlamento e a possibilidade de um referendo sobre o assunto.

  1. Concorda com a despenalização da eutanásia? Quais são as principais razões que o levam a tomar essa decisão?
  2. A eutanásia pode ser considerada como um ato de liberdade individual?
  3. Serão os cuidados paliativos a resposta suficiente para o sofrimento em fim de vida?
  4. Considera que é este o momento certo para discutir este problema em Portugal?
  5. Será o Parlamento o local certo para decidir sobre a legalização da Eutanásia? É a favor ou contra um referendo sobre este tema?

José Carlos de Bessa Machado:
“O meu voto nas eleições legislativas não mandatou ninguém para tomar uma decisão em meu nome sobre esta matéria”

  1. Não antes de existirem Cuidados Paliativos em quantidade e qualidade, por onde devem passar todos os doentes em situação terminal. Uma primeira escolha para um final com dignidade.
    Todos temos medo da dor e do sofrimento inútil. Sem alternativa, somos naturalmente levados a pedir um fim ao sofrimento. E creio bem que os cuidados paliativos são essa alternativa. Para todos? Fica-me a dúvida.
  2. É um ato de liberdade individual, um direito fundamental, que colide com outro direito fundamental, o direito à vida.
  3. Respondo com uma pergunta: “Será a quimioterapia a resposta suficiente para combater o cancro”? Pode não ser, mas a verdade é que já dá vida e esperança a milhões de pessoas. No caso dos cuidados paliativos, com os avanços do controle da dor – que é o nosso maior medo – e todos os cuidados que rodeiam o doente, tem sido possível dar dignidade e “uma certa tranquilidade no fim de vida”. Se é suficiente para todos? Admito que não, que haja um ou outro que queira mesmo desistir, como o fazem noutras circunstâncias. Mas muitos deles encontraram conforto e razões para cá ficarem e deixar que seja a natureza a seguir o seu curso sem recurso à eutanásia.
  4. Não se pode dizer se é ou não é o momento certo. Esta questão foi rejeitada há pouco tempo no Parlamento e só “negociatas políticas” e “troca de favores” podem ter feito com que o assunto tenha voltado ao Parlamento tão depressa.
  5. Não. A eutanásia não constou dos programas que a maioria dos partidos propôs aos portugueses. Assim sendo, e numa questão que é do foro íntimo de cada um, devem ser os portugueses a decidir diretamente por si.
    O meu voto nas eleições legislativas não mandatou ninguém para tomar uma decisão em meu nome sobre esta matéria. Como não posso pedir a devolução do voto, quero ter o direito de fazer a minha escolha sobre um assunto que considero muito importante, independentemente de votar sim ou não.

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

“Toda a glória do mundo é transitória”

JORGE NETO, ADVOGADO E POLÍTICO O lousadense Jorge Manuel Ferraz de Freitas Neto, de 67 anos, é um...

Associação dos Voluntários de Caíde de Rei Celebra 34.º Aniversário com Evento Memorável

A Associação dos Voluntários de Caíde de Rei comemorou, ontem, o seu 34.º aniversário com uma...

Queixas ambientais morrem num emaranhado de burocracias e “procedimentos duvidosos”

A (DES)ORDEM NO RIO MESIO (PARTE 2) Esta é a segunda parte da reportagem d'O Louzadense sobre um...

AD Lousada não se vai coligar com SAD Lank

FEDERAÇÃO NÃO AUTORIZA O “CASAMENTO” Estava tudo bem encaminhado entre as partes para que a junção...

Editorial 125 | O Gestor de Redes Sociais

Numa terra longínqua onde os emojis governam e os likes são moedas de troca, vive o temido Gestor...

LOUSADA RECEBE MAIOR FESTIVAL DE DRIFT DO PAÍS

O Eurocircuito da Costilha em Lousada será palco no final do mês da 11ª edição do Encontro...

Xadrez do Lousada Voleibol Clube com excelentes resultados no fim de semana

Esteban Dario Caro, xadrezista da secção de xadrez do Lousada Voleibol Clube venceu o VII Torneio...

Oficinoscópio assinala 10 anos de cinema de animação

No dia 10 de julho foi apresentado o livro Oficinoscópio, relativo aos 10 anos de Oficinas de...

AUTOR VISITA ALDAF E PROMOVE MOMENTO DE CULTURA PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA EM LOUSADA

No passado dia 13 de junho a Associação Lousadense dos Deficientes, dos seus Amigos e Familiares...

Desvendando os Traços Antissociais

Os traços antissociais são confundidos por vários sintomas na linguagem coloquial, assim irei...

Siga-nos nas redes sociais