por | 31 Mar, 2020 | ReViver Lousada

Lousada e a pneumónica de há 100 anos!

O momento difícil que vivemos com a situação do COVID-19 traz-nos à memória os acontecimentos sobre as grandes epidemias da História. Entre elas, encontra-se a pneumónica, também conhecida como gripe espanhola, que surgiu em 1918 e, segundo os números mais conservadores, ceifou a vida a mais de 20 milhões de pessoas em todo o mundo e terá afetado cerca de 500 milhões de pessoas.

Não se sabe exatamente a sua origem. Há quem defenda que pode ter vindo da Ásia ou dos EUA, mas também há quem diga que surgiu na Europa. Independentemente da sua origem e da distância que percorreu, a pneumónica chegou a Portugal em maio de 1918. A primeira zona afetada foi o Alentejo aquando do regresso de trabalhadores sazonais vindos de Espanha. Foi o primeiro surto no país… No mês de agosto, em Vila Nova de Gaia, rebentou um novo surto, que rapidamente se espalhou pela cidade do Porto e pelo norte do país. Dada a proximidade a estas regiões, a epidemia não tardou a chegar a Lousada! Foi em meados de setembro que se registaram os primeiros casos de infeção.

Perante a contaminação, a 24 desse mês, a Câmara Municipal aprovou um conjunto de medidas para conter o avanço da pandemia. Assim, deliberou a desinfeção e o branqueamento dos edifícios municipais, devendo obrigar-se os particulares a procederem de igual modo, e mandou que se desinfetasse amiúdas vezes a cadeia e as retretes públicas. Além disso, garantiu junto das farmácias da Vila o pagamento das despesas no fornecimento de medicamentos aos doentes pobres, mediante prescrição médica e atestado de pobreza da junta de freguesia.

Apesar das medidas, no início de outubro, o Jornal de Lousada noticiou que já «grassava com bastante intensidade, embora benignamente, neste concelho, a epidemia da bronco-pneumonia». Detetaram-se alguns casos de contaminação na Vila, mas foi nas freguesias de Nevogilde, de S. Fins do Torno e de Pias que se registaram o maior número de infetados. Perante esta situação pandémica, e de modo a evitar uma maior propagação, também o inspetor escolar da zona cumpriu as determinações governamentais e mandou adiar da abertura das escolas no concelho.

Em meados de outubro, o número de infetados estava longe da gravidade de alguns concelhos vizinhos. No entanto, temia-se que a situação se piorasse pelo facto de existir falta de profissionais de saúde em Lousada. Para além de existirem poucos médicos, alguns tinham ficado infetados, como foi o caso do Dr. Joaquim Hermano, médico facultativo no Hospital de Lousada, que teve de se recolher em sua casa. A agravar as dificuldades de assistência médica, os lousadenses ficaram impedidos de cumprir com as determinações higiénicas impostas pela Câmara devido à falta de cal no mercado para branquear e desinfetar os seus prédios. A situação tornou-se ainda mais difícil com o aumento dos preços dos bens de consumo essenciais. Esta situação levou a Câmara Municipal, em reunião de 15 de outubro, a representar-se ao Governo contra a extinção dos celeiros municipais, que garantiam o abastecimento das populações, e contra a projetada liberdade de comércio dos géneros de primeira necessidade, medidas que iriam originar a especulação dos preços e causariam grande prejuízo às classes proletárias.

O tratamento dos doentes infetados pela pneumónica era feito em casa. Apesar de existir hospital na Vila, nele apenas existiam duas enfermarias – uma para homens e outra para mulheres – não sendo permitido admitir doentes infetocontagiosos, dado que não havia espaços próprios de isolamento. Esta forma de tratamento domiciliário era muito exigente e obrigava os médicos a fazerem grandes deslocações por todo o concelho, facto que levou o município a pedir à Delegação de Saúde um automóvel para o serviço clínico. Devido à carência de recursos, este e outros pedidos, nomeadamente de medicamentos, não foram satisfeitos pelas autoridades. Este surto deu sinais de abrandamento em novembro de 1918.

Pedro Magalhães         

Figura – Aspeto da enfermaria dos homens (anos 40)

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

A  memória e a literatura

Há uns tempos e a propósito de um Colóquio Internacional em que participei na Sorbonne, em Paris,...

“Fecharam-nos muitas portas, mas temos tudo controlado”

COMISSÃO DE FESTAS DO SENHOR DOS AFLITOS 2024 Em janeiro deste ano, Paulo Magalhães, Daniel Pires...

Cartaz de arromba nas festas de Lustosa

SÃO TIAGO É COMEMORADO DE 25 A 28 DESTE MÊS A comissão de festas de Lustosa é formada por mais de...

Festas Grandes em honra do Senhor dos Aflitos

A Vila já está iluminada lembrando as Festas Grandes, que têm um dos grandes momentos na...

Lousada no pódio europeu de árvores plantadas em Portugal

O Município de Lousada ocupa o primeiro lugar nacional, ao abrigo da iniciativa europeia da...

Votações para o OPJ até dia 8 de agosto

Até dia 8 de agosto estão em votação as 12 propostas apresentadas no âmbito do Orçamento...

Ações de sensibilização com a Liga Portuguesa Contra o Cancro

O Município de Lousada associou-se à Liga Portuguesa Contra o Cancro – Núcleo Regional do Norte,...

NÍVEL ELEVADO NO SUPERCROSS EM LUSTOSA

As grandes emoções do Supercross estiveram em Lustosa (Lousada), numa noite memorável. A pista do...

Quarteto Metralha animam festas e romarias

LOUSADA TEM CADA VEZ MAIS GRUPOS DE BOMBOS Os bombos são uma tradição bem portuguesa e em Lousada...

Verónica Parente apresenta a exposição “Horizontes de Cores” no Cais Cultural de Caíde de Rei

O Cais Cultural de Caíde de Rei acolherá a exposição "Horizontes de Cores", da artista Verónica...

Siga-nos nas redes sociais