Obesidade e COVID-19 – Um passado que agrava o presente e desconhece o futuro

Duas doenças que atingem o mundo sem fronteiras, de forma ascendente, a ritmo considerável. Se outrora estas doenças eram vistas como opostas, a COVID-19 veio emergir a agravante no aparecimento e tratamento da doença infeciosa em patologias como a obesidade, a diabetes mellitus e a hipertensão. Consequentemente, o doente ao padecer destas patologias está em maior risco de ter um pior prognóstico durante o tratamento, o que implica que as doenças crónicas e as doenças agudas infeciosas, cada vez mais, se vão exprimir concomitantemente.

Até à data, os dados disponíveis permitem concluir que, a diabetes mellitus, a hipertensão e a obesidade aumentam a suscetibilidade individual, o risco de complicações graves e a morte por COVID-19.

No caso português, o conhecimento das relações destas doenças crónicas (obesidade, diabetes mellitus e hipertensão) com a COVID-19 é crucial, dado serem doenças predominantes em Portugal, com a agravante que, muitos portugueses partilham mais do que uma destas doenças.

A infeção pela COVID-19 tem um impacto desproporcional nos doentes com obesidade. O doente obeso apresenta menor volume de reserva expiratório, menor capacidade funcional e complacência do sistema respiratório. Acresce que, alguns trabalhos recentes solevam a hipótese de, a obesidade poder aumentar o grau de contágio das infeções respiratórias virais.

Agrega às medidas propostas para a mitigação da COVID-19, a adoção de um estilo de vida saudável, pautado por uma alimentação equilibrada e adequada, e atividade física/exercício físico, bem como, a perda ponderal de peso quando necessário, que podem ser fatores diferenciais num quadro de COVID-19 em ser ultrapassável ou fatal.

Muito existe ainda, para descobrir e conhecer nesta/desta relação entre a obesidade e a COVID-19, mas certamente irá mudar a forma como iremos ver a obesidade no futuro, dado que, se perspetivam novas e sucessivas vagas infeciosas, transformando o trabalho dos profissionais de saúde, muito em particular dos nutricionistas e dos cidadãos, em prol da saúde, quer a nível de literacia/educação alimentar, quer a nível comportamental, face à alimentação/nutrição.

Termino citando Daniel Innerarity (2011): No reino dos seres vivos, o ser humano é o único que sabe que há futuro. Se os humanos se preocupam e esperam é porque sabem que o futuro existe, que ele pode ser melhor ou pior e que isso depende, em certa medida, deles próprios. Mas saber isso não significa que eles saibam também o que devem fazer com esse saber. E reprimem-no com frequência, porque pensar no futuro distorce a comodidade do agora, que costuma ser mais poderoso do que o futuro porque é presente e porque é certo (…) Dar-se bem com o futuro não é tarefa fácil.

No presente, pela mão das escolhas alimentares tomemos o rumo consciencioso da saúde, da qualidade de vida, da qualidade alimentar/nutricional. Pensar no futuro distorce a comodidade do agora, das escolhas alimentares pelo conforto, pela gulosice, mas é o pensar que dá poder ao futuro. Que este tempo vivenciado seja um momento de reflexão e saúde.

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

LOUZAROCK: Balanço de 2022 e expectativas para 2023

Este foi o 25.º ano da carreira de Eugénio Teixeira, vocalista dos KA7 AR DE ROCK, que só por isso...

À Maneira de Andreia Moreira

A paralisia cerebral foi-lhe diagnosticada. Vinte e oito anos depois, Andreia Moreira, é psicóloga...

Pedido de desculpa: Marcos Ferreira

O meu nome é Marcos Rafael Sousa Ferreira, sou Lousadense, casado, pai de uma criança com 16 meses...

Nota de Imprensa: Recandidatura de Ana Leal Moreira à Presidência da JSD Lousada

“Passado, Presente, Lousada.” Sou recandidata à Presidência da JSD Lousada. A maior e melhor...

Custou mais de 700 mil euros e divide opiniões: Central de Autocarros está encerrada

Está encerrada a construção de um dos empreendimentos mais falados da atualidade, a Central de...

Luís Machado: O cantor popular

Luís Paulo da Silva Machado Pacheco, com 51 anos, nasceu e cresceu em Pias. Desde cedo, começou a...

O 6º aniversário do Moto Clube Senhora Aparecida 

O Presidente, Pedro Rodrigues, e o Presidente da Assembleia, João Carvalho concederam  uma...

Falecimento de Paulo Afonso da Cunha (Carvalheiras)

Faleceu hoje, com 93 anos, antigo vereador da Câmara Municipal de Lousada, fundador da Associação...

Um dos serviços mais antigos de Lousada: Táxis vivem tempos de incerteza

A praça de táxis lousadense é composta por 11 automóveis, divididos por dois locais: cinco na Rua...

Masters da Associação Desportiva de Lousada:  Os Campeões de Série

Antero Correia, o diretor dos Masters, Pedro Leal, o treinador dos Masters e Hélder Nunes, o...

Siga-nos nas redes sociais