Mário Magalhães, novo rumo em Barcelona

Natural de Meinedo, Mário Jorge Magalhães, de 35 anos, é enfermeiro e diretor de um centro geriátrico em Barcelona (Espanha). Vive naquela cidade há 11 anos, com a esposa, a espanhola Laura Casenave, e o filho de ambos, Guilherme. A incerteza e o receio prevaleciam quando emigrou, mas atualmente está contente pelo passo dado e pelo rumo que deu à sua vida.

“A minha chegada a Barcelona aconteceu  há 11 anos”, adianta ao O Louzadense. Os motivos da ida para aquela imensa cidade espanhola foram “a precariedade laboral, a falta de oportunidades na área de enfermagem, a desilusão com a falta de reconhecimento de um país com esta categoria profissional e a decisão por empreender uma aventura e uma nova experiência trouxeram-me até aqui, onde várias dessas lacunas foram muito compensadas”, afirma Mário Jorge.

A ida não foi uma decisão muito fácil. “Lembro-me perfeitamente da viagem até ao aeroporto do Porto, para onde me levou um grande amigo, com a sensação de deixar a família e amigos para trás”, recorda.

“Também complicado foi o momento da chegada, pois é sempre difícil, aparecem os medos, as dúvidas, afinal eu tinha 23 anos e tudo era novo, mas havia que tentar adaptar-me e viver a experiência que inicialmente seria temporária, mas que, com o tempo acabou por se revelar duradoura”, confessa. “Lembro-me dos detalhes da chegada a Barcelona, de apanhar um táxi e procurar um hotel onde dormir essa noite porque no dia seguinte às oito horas da manhã começava a trabalhar, de passar essa mesma noite em claro, nervoso, com mil dúvidas, de chegar no dia seguinte com a mala de viagem ao trabalho, sem imaginar que seria o começo de algo realmente bonito na minha vida”, explana Mário Jorge Magalhães.

A adaptação revelou-se mais fácil do que seria de esperar: “em geral, encontrei-me com uma situação em que as pessoas estavam dispostas a ajudar e fazer com que a adaptação fosse o mais fácil e tranquila possível, e apesar da nostalgia e da saudade, foi de facto uma adaptação relativamente fácil, por todo um conjunto de fatores, como a amabilidade das pessoas, o facto de encontrar outros portugueses nas mesmas circunstâncias, conhecer a pessoa que hoje é alguém imprescindível na minha vida e mãe do meu filho, a cidade e o clima, tudo ajudou”, afirma com satisfação.

Mas também encontrou entraves e dificuldades: “os idiomas (catalão e castelhano) e o tamanho e a organização da cidade comparativamente à minha realidade que era Lousada, foram adaptações difíceis”.

“Culturalmente podemos dizer que Portugal e Barcelona são similares em muitos pontos básicos, mas realmente aqui a abertura, a aceitação da diferença e diversidade de culturas derivada da chegada de pessoas de muitas partes do mundo me parecia fascinante e assim me continua a parecer ainda hoje”, declara Mário Jorge.

O multiculturalismo de Barcelona

“Essa questão da mentalidade e da predisposição à abertura e aceitação da diferença, a predisposição à criatividade e a ser uma população empreendedora e com muita iniciativa em geral”, são as características que este emigrante destaca em Barcelona.

Além disso, faz também notar outras preferências: “adoro o clima, o bom ambiente e a boa disposição que isso trás, a beleza da cidade e de outras regiões da costa Catalã, e ter tudo bastante acessível e disponível”, salienta.

Em contrapartida, tem dificuldade em enumerar algumas coisas negativas: “poucas são sinceramente as coisas de que não gosto, mas posso referir, talvez determinadas situações incómodas provocadas pelas diferenças das ideologias políticas relacionadas com o tema independentista”, acrescenta.

As saudades, esse sentimento que vive com os emigrantes, “estão principalmente presentes naquelas datas marcantes em que não podemos estar com a família e com os amigos, com quem antes passávamos bons momentos. Por vezes, sinto muito a falta de tranquilidade da minha terra, da comida como é óbvio, mas como disse, tenho saudades principalmente de passar bons momentos com os meus”, explica este cidadão de Meinedo.

“Apesar das saudades da família e dos muitos amigos que tenho por aí, tenho claro e como objetivo viver aqui, não tenho em mente voltar. As idas até Portugal atenuam as saudades e vivemos bons momentos com intensidade, mas quando vamos, está sempre presente voltar a Barcelona, e já começo a sentir a minha casa aqui como o meu “cantinho”. Tenho sim como um objetivo num futuro longínquo, juntamente com Laura experimentar viver em algum país e realizar tarefas de cooperação, mas tudo vai depender de como decorrer a vida, claro”, revela Mário Jorge.

Por último, abordamos com este migrante a questão da pandemia, sobre a qual diz que “está a ser vivida aqui de uma maneira similar a Portugal, nas limitações e no medo. Para mim profissionalmente implica viver muito intensamente esta questão, com muito desgaste, como acontece com toda a população, mas também com muita vontade e esperança de ver uma solução em breve, que permita vivermos mais tranquilos e desfrutando da vida como todos merecemos”.

É mais um caso feliz de alguém que sentiu na partida as dificuldades do primeiro passo rumo a algo desconhecido mas, anos mais tarde, a satisfação prevalece.

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

“Deus deu-me a oportunidade de chorar a cantar”

CLÁUDIA MADEIRA, UMA FADISTA SOLIDÁRIA Cantar com alma e paixão são características de Cláudia...

A Casa Nobre No Concelho de Lousada

Tipologias - XIV | Pedra de Armas A pedra de armas, nem sempre presente, na fachada da casa,...

Violência no namoro preocupa encarregados de educação e professores

SIMULAÇÃO DE JULGAMENTO NO TRIBUNAL DE LOUSADA FOI ALERTA E PEDAGOGIA Um grande estudo nacional...

Quem são @s influencers lousadenses?

VENDEM PRODUTOS E SUGESTÕES A MILHARES DE PESSOAS Por “querer estar na moda” ou por insegurança e...

GINT: Uma história de crescimento, inovação e responsabilidade social

Desde a sua fundação em 1997, a Grecogeste-Trading de Produtos e Serviços S.A., do Grupo GINT, tem...

Programa Municipal de Caminhadas

No dia 15 de junho, sábado, realiza-se a Caminhada da Primavera, organizada pela Associação de...

Dia Municipal da Biodiversidade celebrado no Parque Urbano Dr. Mário Fonseca

Dia 21 de junho celebra-se o Dia Municipal da Biodiversidade. Desde 2017 que esta data é celebrada...

Inscrições abertas para o Banco de Voluntariado

O Banco de Voluntariado encontra-se em funcionamento desde 2006 e pretende garantir e promover a...

Orçamento Participativo Jovem tem candidaturas abertas até sexta-feira

Estão abertas as candidaturas para o Orçamento Participativo Jovem (OPJ), até dia 14, próxima...

Alunos de Lousada venceram concurso DXC Code Challenge

A equipa da EB da Boavista – Silvares, constituída por Letícia Teixeira Sousa e Luís Gonçalves...

Siga-nos nas redes sociais