por | 19 Mar, 2022 | Opinião, Pedro Amaral

“Aquele que implacavelmente quis conquistar outros, acabou por fazer uma vergonhosa conquista de si mesmo.” in Richard II por William Shakespeare

Opinião de Pedro Amaral

Nas últimas semanas a Europa e o Mundo acordaram para uma realidade que não conheciam desde o final da 2ª Guerra Mundial. Não deixa de ser verdade que desde essa altura existiram vários conflitos armados de índole regional ou separatista que marcaram pontualmente o velho continente, mas o certo é que um conflito envolvendo qualquer das “grandes potências europeias” em solo europeu é algo que não era visto há várias gerações.

E se, para aqueles que conviveram com a cortina de ferro e a Guerra-fria, um conflito entre Leste e Ocidente parecia improvável, o facto é que, para a minha geração, que nasceu já depois da queda do muro de Berlim e da dissolução Soviética, um conflito geopolítico nestes termos na Europa, parecia, mais do que isso, absolutamente impensável.

O certo é que há vários anos que as nuvens se vinham formando a Leste entre uma Ucrânia cada vez mais ocidental e democrática e uma Rússia cada vez menos “soviética” e mais imperial. E perante esse escalar de tensões, a Europa acabou mesmo por ter de suster a respiração e mergulhar num conflito que não quis, mas para o qual, por inacção, acabou por contribuir.

Ainda assim, várias têm sido as surpresas que têm surgido da tragédia deste conflito.

Desde logo uma massiva resposta solidária tão característica do humanismo intrínseco que a Europa parecia ter esquecido. Fronteiras abertas e acolhimento dos refugiados de guerra, recolha de víveres, roupas e medicamentos, ajuda hospitalar e internacional. A consciência de que os valores comuns que nos unem são manifestamente superiores às diferenças sociais e culturais que nos separam.

Para além disso, uma surpreendente resposta internacional concertada. A nível europeu quem melhor o descreveu foi a Presidente da Comissão Europeia ao afirmar que “a Defesa da UE evoluiu mais nos últimos seis dias do que nas últimas duas décadas”. 

E, finalmente, a grande surpresa que tem sido a contemporânea história de David e Golias a que temos assistido neste conflito. De facto, o mundo tem muito a aprender com o espírito, coragem e tenacidade do povo ucraniano que recusa capitular face ao avanço de um dos exércitos mais poderosos do mundo.

Olhando para o exemplo da história, Churchill, que compreendia, à frente do seu tempo, os conceitos de branding e de marketing, usou o seu estilo bonacheirão vitoriano e a sua eloquente oratória para galvanizar os britânicos para a 2ª Guerra Mundial.

Volodymyr Zelensky num estilo bem evocativo de Churchill continua, ainda hoje, a ser dos poucos líderes que também os compreende. Mais que isso, o Presidente Ucraniano reconhece não só a importância de estar presente e de se fazer mais um dos milhares que lutam pela sua liberdade nas barricadas das cidades, mas também a importância dos social media na forma como persistentemente passa a mensagem de que a Ucrânia resiste perante a agressão russa.

Este é o primeiro grande conflito da era digital e será por intermédio da comunicação digital, tanto quanto pelas armas, que será ganho.

Putin não o compreende e por isso mesmo caminha inevitavelmente para a conquista inevitável de si próprio.

Comentários

Submeter Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes

Resistência e Liberdade» obteve 3.º Prémio no Concurso «25 de Abril, um projeto de Liberdade»

Alunos e professores do AE Dr. Mário Fonseca, envolvidos no Projeto «Resistência e Liberdade»,...

Mostra coletiva de artistas revela vitalidade da arte lousadense

NA BIBLIOTECA MUNICIPAL E CAIS CULTURAL DE CAÍDE DE REI A diversidade de estilos e técnicas são...

Uma centena de jovens na Final Regional do Xadrez Escolar do Norte na Escola Secundária de Lousada

A Escola Secundária de Lousada acolheu, no dia 10 de maio, a final da modalidade de xadrez da...

Sacrifício, Liberdade e Memória da Revolução dos Cravos

No ano em que se comemora os cinquenta anos da Revolução dos Cravos importa mergulhar no passado...

Iluminar Lousada – Uma Luz Solidária para a Cooperativa Lousavidas

O Iluminar Lousada vai realizar-se no dia 18 de maio, e as velas solidárias estão já estão à...

Pimenta na censura dos outros, na minha liberdade é refresco

No passado dia 25 de Abril celebraram-se os 50 anos sobre a revolução que derrubou o regime...

Vinhos das Caves do Monte projetam Lousada no mundo

Freitas de Balteiro: O embrião de uma tradição Em 1947, nas terras férteis da freguesia de...

Caixa Agrícola rejeita lista de sócios candidatos a eleições: Lista avança com Providência Cautelar

A Caixa de Crédito Agrícola de Terras do Sousa, Ave, Basto e Tâmega (CCAM TSABT) está envolta em...

Um pioneiro da comunicação regional

Rafael Telmo da Silva Ferreira, professor e diretor da Valsousa TV Em setembro faz 25 anos que...

A Casa Nobre No Concelho de Lousada

Tipologias - XII | Capela II A capela podia ser levantada por forma a dar seguimento à fachada da...

Siga-nos nas redes sociais